• White/Preto
  • Padrão

Current Style: Padrão

Governo do Estado do Pará

Você está aqui:

Mais de 200 vagas para cursos de qualificação profissional são abertas em cinco municípios paraenses

Sectet - qua, 18/07/2018 - 12:19
18/07/2018

Estão abertas as inscrições para o preenchimento de 210 vagas, distribuídas em sete cursos de qualificação profissional, oferecidas por meio do Programa Pará Profissional, coordenado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica. As aulas ocorrerão em cinco municípios paraenses, localizados em quatro diferentes regiões de integração do Estado. Os cursos são presenciais, de caráter teórico-prático. Eles são dirigidos para apoiar atividades de Construção Civil e do Comércio de Bens, Serviços e Turismo nos municípios.

Os cursos oferecidos serão “Técnicas de Monitoria em Turismo Religioso” no municípios de Bragança, Capanema e Vigia; “Aperfeiçoamento em Ecoturismo” e “Turismo Religioso: Aperfeiçoamento e Instrutoria dos Guias de Turismo em Manifestações Católicas” em Santarém; “Técnicas para Boa Gestão e Execução de Estruturas em Concreto Armado” e “Técnicas de Aplicação de Revestimento Cerâmico e Decorativo em Fachadas” no município de Tucuruí.

As aulas terão início nos meses de agosto e setembro de 2018, dependendo do curso escolhido. As inscrições são gratuitas e obedecem ao período de realização de cada curso.

As pré-inscrições serão realizadas pelo endereço eletrônico www.sectet.pa.gov.br na área destinada a Editais, com o envio da ficha de pré-inscrição, disponível no Anexo II do edital, para o correio eletrônico: prematricula.paraprofissional@sectet.pa.gov.br. A efetivação da matrícula se dará com apresentação dos documentos do candidato nos locais descritos, conforme disposto no edital.

Serviço: O edital completo assim como os anexos estão dispóníveis AQUI

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Edital 004/2018 - Pará Profissional: 210 vagas em 7 Cursos de Educação Profissional e Tecnológica, na modalidade de Qualificação Profissional

Sectet - qua, 18/07/2018 - 11:26
Data do Edital: 18/07/2018

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (SECTET), no uso de suas atribuições legais, torna pública a abertura das inscrições para Cursos de Educação Profissional e Tecnológica, na modalidade Qualificação Profissional, de caráter teóricoprático, dirigidos para apoiar atividades dos setores da Construção Civil e do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, em 05 (cinco) municípios, pertencentes a 04 (quatro) Regiões de Integração do Estado do Pará, nos termos do Anexo I deste Edital. 

ANEXO I

ANEXO II

ANEXO III

AnexoTamanho EDITAL 004/2018142.6 KB
Categorias: Notícias

Edital 003/2018 - Inscrições abertas até 22 de julho

Sectet - ter, 17/07/2018 - 11:50
17/07/2018

As inscrições para o credenciamento de profissionais especializados para integrar o cadastro de bolsistas que prestarão serviços de instrutoria, coordenação e apoio às atividades administrativas, em vista do atendimento às demandas do Programa Pará Profissional, encerram-se no próximo dia 22 de julho, de acordo com o edital de chamamento público n° 003/2018, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE).

É importante destacar que, conforme permite a Lei nº 8.427, a qual instituiu o Pará Profissional, os bolsistas não possuem vínculo empregatício com o Governo do Pará e estão condicionados à existência de demandas que justifiquem a celebração do termo de concessão de bolsa. O credenciamento também não gera aos cadastrados direito de celebração do termo de concessão de bolsa, tendo o objetivo de criar um banco de credenciados.

O processo de credenciamento será composto por sete etapas: Inscrição; Análise dos documentos para credenciamento; Habilitação; Certificação da Capacidade Técnica; Resultado preliminar do credenciamento; Interposição e análise de recursos; e Resultado final, após análise dos recursos. Entende-se o processo como o ato de confirmação de habilidade, reconhecimento de qualidade e capacidade de profissionais interessados em realizar serviços de interesse público na área da educação profissional e tecnológica.

A vigência do credenciamento será de 24 meses a contar da publicação dos nomes dos profissionais no DOE, podendo a duração ser prorrogada por igual período. As inscrições são realizadas exclusivamente pela internet. Serão cadastrados profissionais especializados das seguintes áreas: Infraestrutura; Recursos Naturais; Gestão e Negócios; Desenvolvimento Educacional e Social; Produção Alimentícia; Ambiente, Saúde e Segurança; Produção Cultural e Design.

Este novo credenciamento não se sobrepõe ao primeiro, realizado em 2017, cujo prazo ainda se encontra em vigência, e que pode resultar em convocação dos candidatos credenciados, tão logo o curso seja demandado. Para aqueles que possuírem perfil adequado a este novo edital e desejarem se inscrever,  mesmo já estando cadastrados no Banco de Instrutor, Coordenador ou Apoio do Programa Pará Profissional,  é necessário que participem do novo processo, tendo em vista que a nova seleção diz respeito a áreas/regiões/municípios distintos do processo anterior.

Edital - O edital completo, juntamente com a ficha de inscrição e documentos necessários, entre outros anexos, estão disponíveis em https://bit.ly/2Ljx0D9 .

Texto: Fernanda Graim – Ascom/Sectet

Categorias: Notícias

Aviso aos candidatos às vagas do edital 003-2018

Sectet - sex, 13/07/2018 - 11:54
13/07/2018

Categorias: Notícias

Tecnologias Sociais são debatidas em visita ao Parque de Ciência e Tecnologia

Sectet - qua, 04/07/2018 - 10:25
04/07/2018

Nesta terça-feira (3), técnicos do Ministério Público do Estado do Pará visitaram o Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá) a fim de conhecer os serviços e as potencialidades da instituição, e discutir políticas de aplicação de tecnologias sociais e ambientais no Estado. A visita resultou de um convite da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), que busca apoio para disseminação de tecnologias sociais que garantam, por exemplo, o saneamento básico e o acesso à água potável em comunidades carentes no Pará.

“Questões que envolvem o meio ambiente são complexas e devem ser trabalhadas a partir de uma perspectiva transdisciplinar para resolução de problemas. Apresentar o conceito de Tecnologias Sociais e as políticas públicas trabalhadas nesse setor casa perfeitamente ao trabalho realizado pelo Ministério na redução das desigualdades sociais. Esse é o início de um diálogo promissor para o Estado”, apontou a secretária adjunta da Sectet, Maria Amélia Enríquez, no início da visita.

Em seguida, os participantes conheceram os projetos trabalhados pelo Grupo de Estudos em Gerenciamento de Água e Reuso de Efluentes (Gesa), vinculado à Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental, da Universidade Federal do Pará (UFPA), o qual está implantando o Núcleo de Controle Ambiental dentro do PCT Guamá. O Núcleo realizará serviços tecnológicos em engenharia em áreas contaminadas, no tratamento de água de abastecimento doméstico e industrial e tratamento de resíduos sólidos. Um exemplo apresentado pelo integrante do projeto, professor Neyson Mendonça, foi um projeto de tratamento de chorume em aterros sanitários.  

A programação prosseguiu com a visita ao Centro de Valorização de Compostos Bioativos da Amazônia (CVACBA) e ao Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, Automação e Eletrônica (Lasse).

O encontro terminou com a apresentação do projeto da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) em parceria com a Sectet, denominado “Segurança Hídrica e Saneamento Básico Descentralizado, por meio de Tecnologias Sociais, na Região Insular em Belém”. O projeto prevê a implantação de 15 sistemas de abastecimento de água da chuva para promover a segurança hídrica de 15 famílias ribeirinhas na Ilha das Onças, no município de Barcarena, no nordeste paraense.

A professora e coordenadora do projeto, Vania Neu, mostrou ainda o projeto do Banheiro Ecológico Ribeirinho, um modelo descentralizado de saneamento adaptado às áreas de várzea da Amazônia, o qual isola os dejetos humanos em recipiente impermeável, para que não haja vazamento para a água do rio. “São soluções baratas, de fácil reaplicação e trabalhadas junto com a comunidade”, ressaltou a professora.

A promotora de Justiça Myrna Gouveia, coordenadora do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente do Ministério Público, acompanhou a visita e apontou ações futuras em conjunto com o PCT Guamá e a Sectet. “Vislumbro a possibilidade de sugerir projetos que envolvam tecnologias sociais, como esses apresentados aqui, na aplicação de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC). Seria uma forma de disseminar tecnologias de baixo custo para beneficiar comunidades carentes. Além disso, o PCT Guamá pode auxiliar no trabalho do Ministério provendo laudos especializados a partir das pesquisas científicas trabalhadas nos laboratórios aqui residentes. Sem dúvida, é uma parceria que iremos estudar futuramente”, afirmou.

Ao término da visita, a secretária adjunta da Sectet sugeriu a realização de uma edição do projeto “Sexta com Ciência” na sede do Ministério Público, para debater as Tecnologias Sociais, visando sensibilizar os demais promotores de Justiça sobre a importância do tema.

“Sexta com Ciência” é uma série de debates sobre temas importantes, voltados ao desenvolvimento do Pará a partir da inovação, da prática científica e do uso da tecnologia em favor da redução das desigualdades sociais. A data dessa edição será marcada para o segundo semestre deste ano.

Texto: Igor de Souza - Ascom Sectet

Categorias: Notícias

Pará Profissional abre novo edital de credenciamento para atuação no Programa

Sectet - qua, 04/07/2018 - 09:30
04/07/2018

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) divulgou, nesta quarta-feira (04), por meio do Diário Oficial do Estado (DOE), o edital de chamamento público n° 003/2018 que abre inscrições para o credenciamento de profissionais especializados para integrar o cadastro de bolsistas que prestarão serviços de instrutoria, coordenação e apoio às atividades administrativas, em vista do atendimento às demandas do Programa Pará Profissional.

É importante destacar que, conforme permite a Lei nº 8.427, a qual instituiu o Pará Profissional, os bolsistas não possuem vínculo empregatício com o Governo do Pará e estão condicionados à existência de demandas que justifiquem a celebração do termo de concessão de bolsa, circunstâncias que garantem o caráter flexível, dinâmico e eficiente do Programa. O credenciamento também não gera aos cadastrados direito de celebração do termo de concessão de bolsa, tendo o objetivo de criar um banco de credenciados.

O processo de credenciamento será composto por sete etapas: Inscrição; Análise dos documentos para credenciamento; Habilitação; Certificação da Capacidade Técnica; Resultado preliminar do credenciamento; Interposição e análise de recursos; e Resultado final, após análise dos recursos. Entende-se o processo como o ato de confirmação de habilidade, reconhecimento de qualidade e capacidade de profissionais interessados em realizar serviços de interesse público na área da educação profissional e tecnológica.

A vigência do credenciamento será de 24 meses a contar da publicação dos nomes dos profissionais no DOE, podendo a duração ser prorrogada por igual período. As inscrições serão realizadas exclusivamente pela internet até o dia 22 de julho de 2018. Serão cadastrados profissionais especializados em diversas áreas de interesse do Pará Profissional, como: Infraestrutura; Recursos Naturais; Gestão e Negócios; Desenvolvimento Educacional e Social; Produção Alimentícia; Ambiente, Saúde e Segurança; Produção Cultural e Design.

Desde o início da execução do Programa, este é o segundo edital para credenciamento de instrutores, coordenadores e pessoal de apoio às atividades administrativas, entretanto o diretor de educação profissional e tecnológica da Sectet, Luís Blasques, esclarece que o presente edital não invalida o anterior. “Não há coincidências de áreas e municípios, são demandas novas. Esta nova publicação não se sobrepõe à primeira, cujo prazo ainda se encontra em vigência, e que pode resultar em convocação dos candidatos credenciados, tão logo o curso seja demandado. Para aqueles que possuírem perfil adequado a este novo edital e desejarem se inscrever,  mesmo já estando cadastrados no Banco de Instrutor, Coordenador ou Apoio do Programa Pará Profissional,  é necessário que participem do novo processo, tendo em vista que a nova seleção diz respeito a áreas/regiões/municípios distintos do processo anterior”, explicou o diretor.

O Programa - O Pará Profissional foi instituído pela Lei no 8.427, de 16 de novembro de 2016, sob coordenação da Sectet, descrito como um dos principais instrumentos de superação das desigualdades inter-regionais. O Programa busca atender cidadãos de todas as regiões de integração do Pará. Entre os objetivos específicos estão a promoção de cursos profissionalizantes nas modalidades de ensino técnico subsequente e formação inicial e continuada; o estabelecimento de parcerias que potencializem, em termos técnicos e financeiros, as ações; a interiorização da educação profissional e tecnológica por meio de parcerias colaborativas com os municípios paraenses e demais atores locais e regionais; e o maior alcance de pessoas por meio do estabelecimento de um sistema eficaz de educação à distância.

Edital - O edital completo, juntamente com a ficha de inscrição e documento necessários, entre outros anexos, estão disponíveis AQUI.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Edital 003/2018 - Credenciamento de instrutores, coordenadores e pessoal de apoio - Programa Pará Profissional

Sectet - qua, 04/07/2018 - 09:22
Data do Edital: 04/07/2018

O COMITÊ GESTOR INTERSECRETARIAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO ESTADO DO PARÁ (CGIEP), no uso de suas atribuições e em conformidade com a Lei nº 8.427, de 16 de novembro de 2016, torna pública a abertura das inscrições para credenciamento de profissionais especializados para integrar o cadastro de bolsistas que prestarão, condicionados à existência de demandas que justifiquem a celebração do termo de concessão de bolsa, serviços de instrutoria, coordenação e apoio às atividades administrativas, em vista do atendimento às demandas do Programa Pará Profissional, sem geração de vínculo empregatício com o estado do Pará, na forma estabelecida neste Edital.

ANEXO I

ANEXO II

ANEXO III

ANEXO IV

ANEXO V

ANEXO VI

ANEXO VII

ANEXO VIII

ANEXO IX

AnexoTamanho Edital 003/2018250.09 KB
Categorias: Notícias

EDITAL 003/2018 - Credenciamento de instrutores, coordenadores e apoio a atividades administrativas - Pará Profissional

Sectet - seg, 02/07/2018 - 10:04
Data do Edital: 03/07/2018

O COMITÊ GESTOR INTERSECRETARIAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO ESTADO DO PARÁ (CGIEP), no uso de suas atribuições e em conformidade com a Lei 8.427, de 16 de novembro de 2016, torna pública a abertura das inscrições para credenciamento de profissionais especializados para integrar o cadastro de bolsistas que prestarão, condicionados à existência de demandas que justifiquem a celebração do termo de concessão de bolsa, serviços de instrutoria, coordenação e apoio às atividades administrativas, em vista do atendimento às demandas do Programa Pará Profissional, sem geração de vínculo empregatício com o estado do Pará, na forma estabelecida neste Edital.

ANEXO I

ANEXO II

ANEXO III

ANEXO IV

ANEXO V

ANEXO VI

ANEXO VII

ANEXO VIII

ANEXO IX

 

 

AnexoTamanho EDITAL 003-2018231.27 KB
Categorias: Notícias

Perspectivas do setor de pesca e aquicultura foram debatidas nesta quinta-feira (28) em Belém

Sectet - qui, 28/06/2018 - 13:55
28/06/2018

As Perspectivas de Desenvolvimento do Setor de Pesca e Aquicultura no Pará foi o tema em destaque na manhã desta quinta-feira (28) durante a realização da segunda edição do “Diálogos da Inovação”, organizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) e, dessa vez, realizado na Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa).

O Pará tem o setor de pesca e aquicultura muito fortes, em especial a região nordeste do estado, onde a produção de peixes e demais animais aquáticos podem ser criados e comercializados de maneira abundante. A aquicultura é a ciência que estuda técnicas de cultivo não só de peixes, mas também de crustáceos, moluscos, algas e outros organismos que vivem em ambientes aquáticos, ou seja, ela visa à criação de forma doméstica. Já a pesca busca adquirir esses animais da natureza de forma extrativista.

Cumprindo com a programação do evento, o professor doutor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Oswaldo Junior, abordou a questão da pesca e a necessidade de se aplicar o conhecimento científico-tecnológico a partir do conhecimento empírico de quem conhece bem e vivencia o assunto, no caso, o pescador.

Ele destacou aspectos ecológicos, econômicos, sociais, tecnológicos e de manejo na área, ressaltando a necessidade de haver um melhor aproveitamento do que se produz no estado. “Nosso problema não é aumentar a produção, é pescar melhor, aproveitar melhor o que produzimos”, explicou.

Em seguida, o professor doutor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA) de Castanhal, Lian Brandão, mostrou o resultado de três pesquisas na área de piscicultura, destacando algumas estatísticas e o diagnóstico de consumo de peixe no estado. Para ele, existe a necessidade de políticas públicas eficazes que garantam maior divulgação sobre as atividades de piscicultura e aquicultura no Pará.

Seguindo com a programação, o assessor técnico da Organização Social (OS) Biotec Amazônia, Sérgio Alves, mostrou o trabalho da OS no sentido de atrair investimentos para o estado de forma a garantir o uso sustentável da biodiversidade amazônica por meio de ciência, tecnologia e inovação e, assim,  intermediar a relação entre empresas, academia e setor produtivo, no intuito de gerar renda e emprego, além de maior qualidade de vida à população.

Passado o momento das apresentações, o público, composto por representantes da Sectet, Sedap, Sedeme, Semas, Fapespa, Faepa, Sindicato Estadual dos Pescadores, ONGs e produtores rurais, debateu sobre o assunto e chegou à conclusão que a principal necessidade, neste momento, é a integração entre os atores do setor.

“Cada um aqui tem um papel, é importante esta união, eu estava errado tentando resolver meus problemas sozinho. Conseguimos mostrar que isso é uma questão de Estado, restabelecemos o Conselho Estadual de Pesca, do qual todos deveriam fazer parte”, concluiu o presidente do Sindipesca, Manoel Justino.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

“Diálogos da Inovação” debate pesca e aquicultura na região nordeste do estado

Sectet - qua, 27/06/2018 - 11:07
27/06/2018

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) realiza nesta quinta-feira (28), às 9h, na Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), mais um “Diálogos da Inovação”. Desta vez, o tema abordado será "Perspectivas de Desenvolvimento do Setor de Pesca e Aquicultura na Região do Nordeste Paraense".

Segundo a coordenadora de Apoio ao Empreendedorismo e à Inovação (CAEI) da Sectet, Amarílis Aragão Dias, o 2º “Diálogos da Inovação” busca prover discussões acerca de assuntos importantes no âmbito da estruturação de um ambiente inovador no que tange à pesca e a aquicultura, bem como fomentar os setores na região nordeste do estado. “Existem coisas que só a inovação pode agregar, e nisso utilizar a inserção da ciência e tecnologia na alimentação, nutrição, medicamentos, bem como na estrutura dos tanques de piscicultura, entre outros”, disse Amarílis.

A aquicultura é a ciência que estuda técnicas de cultivo não só de peixes, mas também de crustáceos, moluscos, algas e outros organismos que vivem em ambientes aquáticos, ou seja, ela visa à criação de forma doméstica. Já a pesca busca adquirir esses animais da natureza de forma extrativista.

O Pará tem o setor de pesca e aquicultura muito fortes, em especial a região nordeste do estado, onde a produção de peixes e demais animais aquáticos podem ser criados e comercializados de maneira abundante.

Convênios

Pensando nisso, dois convênios foram assinados entre a Sectet, a Fundação Amazônia de Amparo à Pesquisa (Fapespa), a Universidade Federal do Pará (UFPA) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), em Bragança, região do Salgado. Os convênios são realizados no âmbito do Inova Pará, programa, coordenado pela Secretaria, que apoia a criação de Sistemas Regionais de Inovação (SRI) a fim de que propiciem suporte necessário à agregação de valor das cadeias produtivas estratégicas. Em sua concepção, o Inova Pará acredita no potencial produtivo e inovador das distintas regiões do estado.

O primeiro convênio, firmado em janeiro de 2017 com a UFPA, apoia a implantação do Centro de Pesquisas em Aquicultura (Ceanpa) do município, com o objetivo de desenvolver a produção inovadora de alevinos, assim potencializando a economia daquela região no campo da piscicultura e aquicultura, com formação, igualmente, de pessoal qualificado em engenharia de pesca e biologia ambiental. Já o segundo, assinado com o IFPA em fevereiro do mesmo ano, garante apoio às atividades do Centro de Piscicultura do Instituto (Cepis), que fortalece o Polo Científico e Tecnológico de Bragança.

Programação

Durante a segunda edição do “Diálogos da Inovação”, o professor doutor Oswaldo Gomes de Souza Júnior, da UFPA, abordará especificamente a pesca. Em seguida, o professor doutor Lian Valente Brandão, IFPA-Castanhal, falará sobre aquicultura no nordeste do Pará. Para finalizar, o doutor Sérgio Alves da organização social (OS) BioTec-Amazônia fará a explanação do tema do evento contextualizando com o trabalho desenvolvido pela OS.

O evento é aberto ao público em geral, e já confirmaram presença os servidores da Sectet, Sedeme, Sudam, gestores da Biotec-Amazônia, setores produtivos, entre outros.

Serviço

Local: Sala de reunião do Espaço VIP da Faepa

Endereço: Av. Dr. Moraes, 21 – Nazaré. Belém/PA

Horário: De 9h às 12h

 

Texto: Maryane Brito (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Encontro aborda qualificação profissional nas regiões Guajará, Guamá e Tocantins

Sectet - qua, 27/06/2018 - 10:09
27/06/2018

A última rodada do “I Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica” ocorreu em Belém, nesta terça-feira (26), e reuniu representantes de instituições públicas e privadas, entidades de classe, associações, professores e estudantes. O evento aborda a qualificação profissional nas regiões de integração Guajará, Guamá e Tocantins.

O titular da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), Alex Fiúza de Mello, explicou a importância do encontro. “Na medida em que as parcerias crescem e a credibilidade se torna uma cultura de relacionamento entre os diversos atores sociais envolvidos no processo, o Pará Profissional passa a ser um patrimônio da sociedade, assim se constitui um programa de Estado e todos os governos que se sucederem terão que desenvolver o Programa”.

Desde o final de abril, a Sectet realizou nove edições do Encontro para discutir de forma articulada, conjunta e regionalizada a execução do Programa Pará Profissional, em cada uma das 12 regiões de integração paraenses, como experiência de política pública para o desenvolvimento inter-regional, inclusão produtiva e oportunidades de trabalho.

Nesta nona rodada, ao exemplo das demais, o público conheceu um pouco mais sobre o Programa (conceito, linha do tempo e resultados) por meio das exposições do secretário Alex Fiúza de Mello e do diretor de educação profissional e tecnológica da Sectet, Luís Blasques.

Nesse sentido, a equipe da Secretaria possui avaliações positivas no avanço e desenvolvimento do Pará Profissional, tanto no número de pessoas qualificadas, como na forma como as certificações dialogaram com o mercado de trabalho de cada região, contribuindo para melhorar o acesso ao emprego e renda. No total, o Programa já ofertou cinco mil vagas, em 50 municípios, de todas as 12 regiões de integração do estado.

A primeira parte do evento ainda contou com a apresentação do titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Eduardo Leão, sobre o desenvolvimento econômico das regiões Guajará, Guamá e Tocantins. Já o economista do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Roberto Sena, e o titular da Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Everson Costa, destacaram os indicadores de empregabilidade no estado.

Para Sena, a qualificação e a educação profissional por si só não geram emprego, mas são fortes instrumentos para a geração de desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida da população paraense. “O que nós precisamos é criar oportunidades para serem aproveitadas pelas pessoas que vivem no Pará, pois se não dermos qualificação para quem está no estado, as oportunidades serão aproveitadas por quem vem de fora”, ressaltou.

Ainda durante a manhã, a coordenadora do Fórum Paraense de Aprendizagem Profissional (Fopap), Deise Mácola, mostrou os dados da aprendizagem profissional como formação de valores para o mercado de trabalho das regiões em questão. Na oportunidade, houve também a assinatura de um convênio para a realização de cursos do Pará Profissional no município de Marabá, representado pelo Secretário Municipal de Mineração, Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia, Ricardo Pugliesi.

Certificação

Na primeira parte do Encontro, ocorreu ainda a cerimônia de certificação dos 23 concluintes da primeira turma de “Guia de Turismo Religioso em Manifestações Católicas”, realizada por meio da contratação de instrutor bolsista, conforme possibilita a lei do Pará Profissional. Além disso, mais 15 alunos da segunda turma de “Confeiteiro” também receberam os certificados e ofereceram um lanche aos presentes, já demonstrando o que aprenderam durante o curso que teve o Senac como executor.

Para um dos concluintes da turma de confeiteiro, Cleyton dos Santos, o curso abre novas oportunidades na área. “A gastronomia é um ramo muito vasto, então é um caminho a mais que posso seguir. Esse é um retorno que o Estado tenta dar para a população, a qual precisa abraçar de fato essas oportunidades, é muito bom para quem realmente deseja ter uma qualificação e buscar conhecimento”, recomenda Cleyton.

A segunda parte da dinâmica do Encontro, durante a tarde, foi dividir o público em grupos, os quais avaliaram, pela metodologia conhecida como Análise Swot, as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças para o avanço da qualificação profissional e geração de emprego e renda nas três regiões em questão. O resultado da dinâmica ajudará a criar um plano de ação integrado e mais eficaz à execução do Programa.

Outras regiões

As demais edições do Encontro ocorreram no dia 24 de abril, na região Lago de Tucuruí, no município de Tucuruí; no dia 26 de abril, na região Rio Capim, sendo Ulianópolis a sede; no dia 3 de maio, foi a vez da região Rio Caeté, em Bragança; no dia 15 de maio, foi na região de Carajás, no município de Canaã dos Carajás; em 17 de maio na região do Araguaia, sendo Xinguara a sede; no dia 8 de junho, ocorreu o Encontro referente às regiões Baixo Amazonas e Tapajós, tendo Santarém como sede; no dia 13 de junho, na região do Marajó, em Breves e, no dia 15 de junho, na região Xingu, sendo a sede Brasil Novo.

Programa - O Pará Profissional, instituído pela Lei no 8.427, de 16 de novembro de 2016, é descrito como um dos principais instrumentos de superação das desigualdades inter-regionais, com a finalidade de ofertar educação profissional e tecnológica nas diversas modalidades a fim de consolidar, ampliar e verticalizar as cadeias produtivas aos eixos prioritários de desenvolvimento no Estado.

Durante pouco mais de um ano de existência, o Programa ampliou e flexibilizou a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica em todo o estado, levando em consideração as demandas sociais existentes, as vocações produtivas regionais e a necessidade de se criar maiores oportunidades de emprego e renda.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Região Xingu recebe Encontro de Educação Profissional

Sectet - qui, 21/06/2018 - 14:51
Informações: 

 

A região Xingu é a próxima a receber o Encontro Estadual de Educação Profissional, promovido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). O evento será sediado pelo município de Brasil Novo e vai ocorrer nesta sexta-feira, 15, de 8h às 17h30, no auditório da Prefeitura, localizado na Avenida Castelo Branco, nº 831, Bairro Centro.

O Encontro visa proporcionar de forma conjunta, discussões acerca da realização do Programa Pará Profissional e estabelecer experiências de políticas públicas, de modo a envolver educação profissional e tecnologia.

A iniciativa também busca contribuir para o fortalecimento das cadeias estratégicas de desenvolvimento regional, a partir do levantamento de demandas de vagas para as ofertas de cursos profissionalizantes nos setores da indústria, comércio e serviços, atividades rurais e aqueles ligados a outras atividades produtivas.

Os encontros, que tiveram início no dia 24 de abril, na região Lago de Tucuruí, no município de Tucuruí, chegaram no dia 26 de abril à região Rio Capim, no município de Ulianópolis; dia 3 de maio foi a vez da região Rio Caeté, em Bragança; dia 15 de maio, foi na região de Carajás, no município de Canaã dos Carajás; 17 de maio na região do Araguaia, sendo Xinguara a sede; no dia 8 de junho, ocorreu o Encontro referente às regiões Baixo Amazonas e Tapajós, tendo Santarém como sede; e, no dia 13 de junho, na região do Marajó, em Breves. A última edição do Encontro será referente às regiões Guajará, Guamá e Tocantins. O evento ocorre em Belém no dia 26 de junho.

O Pará Profissional, instituído pela Lei no 8.427, de 16 de novembro de 2016, é descrito como um dos principais instrumentos de superação das desigualdades inter-regionais, com a finalidade de ofertar educação profissional e tecnológica nas diversas modalidades, a fim de consolidar, ampliar e verticalizar as cadeias produtivas aos eixos prioritários de desenvolvimento no Estado.

Durante pouco mais de um ano de existência, o Programa ampliou e flexibilizou a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica em todo o estado, levando em consideração as demandas sociais existentes, as vocações produtivas regionais e a necessidade de se criar maiores oportunidades de emprego e renda.

Serviço

Encontro Estadual de Educação Profissional
Local: Auditório da Prefeitura Municipal
Endereço: Av. Castelo Branco, nº 831, Bairro Centro - Brasil Novo.
Horário: 8h30 às17h30

Texto: Maryane Brito (Ascom/Sectet)

Por Fernanda Graim

Categorias: Notícias

Santarém sedia primeiro Encontro Estadual de Educação profissional e tecnológica da região

Sectet - qui, 21/06/2018 - 14:47
Informações: 

 

Santarém sedia primeiro Encontro Estadual de Educação profissional e tecnológica da região.

Clique na imagem abaixo e assista o  vídeo:

Categorias: Notícias

Projeto “Diálogos da Inovação” inicia com discussão sobre os Arranjos Produtivos Locais

Sectet - qui, 21/06/2018 - 14:46
21/06/2018

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) iniciou hoje, 21, mais uma ação voltada para fomentar Ambientes de Inovação no Pará, no âmbito do Programa Inova Pará. Intitulado “Diálogos da Inovação”, o projeto trouxe, na sua 1ª edição, o tema "Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais como Estratégia de Desenvolvimento", e contou com a participação de servidores da Sectet e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), que dialogaram sobre conceitos e projetos inovadores relativos aos Arranjos Produtivos Locais (APLs)

“Esse projeto tem como principal propósito o de discutir, mensalmente, conceitos que podem ajudar no desenvolvimento de projetos inovadores no âmbito das cadeias produtivas trabalhadas no Pará. No evento de hoje, é fundamental entender, por exemplo, a diferença entre Cadeia Produtiva e Arranjo Produtivo Local, este se caracterizando por estar geograficamente concentrado e por ser um espaço de interação entre diferentes entidades”, explicou o Diretor de Ciência e Tecnologia da Sectet, Marco Antônio Lima, na abertura do evento.

Os Arranjos Produtivos Locais (APLs) são aglomerações territoriais de agentes econômicos, políticos e sociais, com foco em um conjunto específico de atividades econômicas que apresentam vínculos. Geralmente envolvem a participação e a interação de empresas que podem ser desde produtoras de bens e serviços finais até fornecedoras de insumos e equipamentos, prestadoras de consultoria e serviços, entre outros. Estão inclusos em organizações públicas e privadas voltadas para formação e capacitação de recursos humanos.

A Sedeme possui o Núcleo Estadual de Apoio aos APLs (NEAPL), cujas realizações foram apresentadas no evento pelo Diretor de Desenvolvimento da Indústria, Comércio e Serviços da Sedeme, Raimundo Sergio de Menezes Santos. “Por meio de incentivos fiscais, assessoramento de planejamentos estratégicos e apoio na realização de eventos e projetos inovadores, o Núcleo vem trabalhando o fortalecimento de diversos APLs no Estado, como os de cacau e chocolate, laticínios, gemas, pesca e aquicultura, mandioca, alimentação fora do lar, entre outros”, disse o Diretor.

Ao final do evento foi apresentado um caso de sucesso em APL de alimentação fora do lar, o qual foi criado em 2016 com o apoio da Sedeme e da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel PA). O empresário Nazareno Alves, dono de uma rede de restaurante local, apresentou as conquistas que obteve ao participar do APL. “Nosso principal chamativo é a forma de apresentar e vender um dos principais pratos típicos do Pará, que é o açaí. Uma vez dentro do APL, investimos muito na capacitação dos nossos colaboradores e isso foi fundamental para o nossa expansão”, afirmou o empresário.  

O projeto “Diálogos da Inovação” continuará neste mês de junho. A 2ª edição do evento ocorrerá dia 28, às 9h, na Faepa, e trará o tema “Perspectivas de Desenvolvimento do Setor de Pesca e Aquicultura na Região do Nordeste Paraense”. A entrada é gratuita.

Texto: Igor de Souza – Ascom Sectet

Categorias: Notícias

Encontro discute a oferta de cursos para qualificar a mão de obra na região Oeste

Sectet - qui, 21/06/2018 - 14:43
Informações: 

 

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia, Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) reuniu nesta sexta feira (08) os municípios que fazem parte das regiões de integração do Baixo Amazonas e Tapajós no I Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica para ouvir as demandas em relação aos cursos necessários para a qualificação da mão de obra, no âmbito do programa Pará Profissional, importante política pública do Governo do Estado para o desenvolvimento socioeconômico.

O Encontro foi realizado no auditório do Centro Regional de Governo do Baixo Amazonas, em Santarém, um dos parceiros do evento, juntamente com a Prefeitura local. De acordo com o diretor de Educação Profissional e Tecnológica da Sectet, Luís Blasques, o Pará Profissional precisa da contribuição dos municípios, representados pelas prefeituras, setor produtivo, instituições de ensino, entidades do terceiro setor e demais atores, para que possa ofertar cursos, que atendam aos anseios e contribuam para capacitar e qualificar os postulantes a uma colocação.

"Estamos consolidando o programa Pará Profissional em todas as regiões de integração do Governo do Estado, e nesse momento aqui na região do Baixo Amazonas e Tapajós estamos ouvindo a sociedade para nos ajudar a identificar as demandas para o próximo semestre e para o próximo ano em relação qualificação profissional, já preparando as etapas do programa", informa o diretor da Sectet.

Análise da demanda

Durante o Encontro, o diretor da Sectet demonstrou a necessidade da apresentação da oferta sobre a demanda qualificada, a partir da análise de forças, oportunidades, fraquezas e ameaças, a partir da análise de um cenário específico (análise Swot).

Por isso, na segunda parte do Encontro, os representantes foram divididos em grupos para analisar o que de mais importante os municípios poderiam absorver. Esta oportunidade foi destacada pela representante do município de Novo Progresso, na região do Tapajós, titular da Secretaria de Indústria, Comércio, Turismo e Trânsito, Gisela Bringmann.

De acordo com a secretária, o Pará Profissional é um programa construído a partir dos anseios e prioridades apontadas pelos municípios e mesmo com a grande distância da sede do Centro de Governo – são 782, 5 km de Santarém – Novo Progresso não poderia deixar de participar.

“O município de Novo Progresso é um dos mais distantes de Santarém e a gente vem aqui, também, em busca do conhecimento para replicá-lo. Hoje, além da vocação para o garimpo, o município é produtor de soja e arroz e estamos aproveitando o que as primeiras atividades deixaram para o processo de industrialização e, também, para o comércio, por isso há a necessidade de termos mão de obra qualificada”, explica a secretária, que na ocasião representou a Prefeitura local.

Mercado de trabalho

O Pará Profissional, programa instituído por meio da Lei Estadual nº 8.427/2016, já qualificou 3.941 pessoas, de 47 municípios, em cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC), atendendo a demanda de 21 setores da economia paraense.

Na região oeste, 472 pessoas de cursos ligados aos setores da agricultura; construção civil; energia; logística; saúde e estética; indústria automobilística; gestão e negócios e turismo e gastronomia receberam certificação, entre elas 43 concluintes da área de estética (Corte Masculino com Máquina e Design de Sombrancelha e Embelezamento de Cílios), realizados na sede do Serviço Nacional deAprendizagem Comercial (Senac), em Santarém, um dos parceiros do Pará Profissional, juntamente com outras instituições vinculadas ao chamado Sistema “S”.

A qualificação de possíveis candidatos aos postos de trabalho é um ganho para a iniciativa privada. O trabalho desenvolvido pelo Pará Profissional é enaltecido pela Mineração Rio do Norte (MRN), uma das gigantes da área de mineração, com sede no distrito de Porto Trombetas, município de Oriximiná, no Baixo Amazonas.

De acordo com o coordenador de RH da empresa, Leandro Ribeiro, a MRN busca incessantemente por profissionais que estejam aptos a preencher os postos de trabalho. “O Pará Profissional tem essa realidade, diferente de outros programas, que é ouvir e atender a necessidade que a gente tem. Nós, enquanto empresa e posicionada dentro do mercado da região, carecemos muito de mão de obra qualificada. Muitas vezes, em alguns cargos, acabamos tendo a necessidade em buscar profissionais fora da região, justamente pela falta da qualificação. Já tivemos no ano passado a oportunidade de formar profissionais pelo Pará Profissional. A experiência foi muito boa e parte dessa mão de obra já conseguimos contratar outra parte eram profissionais que precisavam de uma atualização. O grande desafio agora é absorver essa mão de obra, não apenas para a empresa, mas para outras regiões do estado”, observa o coordenador de RH da MRN.

Depois do Baixo Amazonas e Tapajós, os próximos encontros serão realizados no dia 13 de junho na região do Marajó, tendo como sede o município de Breves; no dia 15, na região do Xingu, sendo Brasil Novo a sede. Por último, no dia 26, Belém sedia o Encontro referente às regiões do Guajará, Guamá e Tocantins.

Por Samuel Alvarenga

Categorias: Notícias

Última edição de 2018 do Encontro Estadual de Educação Profissional ocorre no dia 26 de junho

Sectet - qui, 21/06/2018 - 14:40
21/06/2018

Na próxima terça-feira (26), Belém será sede da última edição de 2018 do “Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica”, organizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). Desta vez, o Encontro reúne representantes das regiões de integração Guajará, Guamá e Tocantins.

O evento tem o intuito de promover, de forma conjunta e articulada, uma discussão sobre a execução do Programa Pará Profissional como exercício e experiência de política pública de Educação Profissional e Tecnológica para o desenvolvimento inter-regional, inclusão produtiva e oportunidades para o mundo do trabalho.

As três regiões agregam diversas fontes produtivas de serviços, e estas podem apresentar um resultado muito melhor se forem qualificadas por meio de cursos profissionalizantes e afins.

Na oportunidade estarão presentes o titular e a adjunta da Sectet, Alex Fiúza de Mello e Maria Amélia Enríquez; o titular da Secretaria de Desenvolvimento, Mineração e Energia (Sedeme), Eduardo Leão; o adjunto da Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Everson Souza, entre outras autoridades, empresários, representantes das prefeituras dos 34  municípios que compõem as regiões em questão, dos setores produtivos, de associações de trabalhadores, professores, instrutores e pesquisadores.

As demais edições do Encontro ocorreram no dia 24 de abril, na região Lago de Tucuruí, no município de Tucuruí; no dia 26 de abril, na região Rio Capim, sendo Ulianópolis a sede; no dia 3 de maio, foi a vez da região Rio Caeté, em Bragança; no dia 15 de maio, foi na região de Carajás, no município de Canaã dos Carajás; em 17 de maio na região do Araguaia, sendo Xinguara a sede; no dia 8 de junho, ocorreu o Encontro referente às regiões Baixo Amazonas e Tapajós, tendo Santarém como sede; no dia 13 de junho, na região do Marajó, em Breves e, no dia 15 de junho, na região Xingu, sendo a sede Brasil Novo.

Dentro da programação do último Encontro, ocorrerá ainda a certificação de 55 concluintes dos três cursos oferecidos no âmbito do Programa Pará Profissional. Sendo 23 concluintes do curso de Turismo Religioso; 15 de Confeiteiro e 17 do curso de Design de Mechas.

Programa - O Pará Profissional, instituído pela Lei no 8.427, de 16 de novembro de 2016, é descrito como um dos principais instrumentos de superação das desigualdades inter-regionais, com a finalidade de ofertar educação profissional e tecnológica nas diversas modalidades a fim de consolidar, ampliar e verticalizar as cadeias produtivas aos eixos prioritários de desenvolvimento no Estado.                                                                                     

Durante pouco mais de um ano de existência, o Programa ampliou e flexibilizou a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica em todo o estado, levando em consideração as demandas sociais existentes, as vocações produtivas regionais e a necessidade de se criar maiores oportunidades de emprego e renda.

Serviço:

Data: 26/06/18

Local: Auditório da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa)

Endereço: Tv. Quintino Bocaiúva, 1588. Nazaré – Belém/ PA.

Horário: 8h30 às 17h30

 

Texto: Maryane Brito (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Feira Estadual de CT&I e Belém+30 são lançados oficialmente na capital paraense

Sectet - qui, 21/06/2018 - 13:49
21/06/2018

Na manhã desta quinta-feira (21), em Belém, foi dada a largada para a realização da 9ª Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), organizada pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). Este ano, a Feira, que ocorre tradicionalmente em outubro, será realizada entre os dias 7 e 10 de agosto no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, pois está inserida na programação do evento internacional intitulado Belém+30, o qual congrega ainda o XVI Congresso Internacional de Etnobiologia, o XII Simpósio Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia e a I Feira Mundial da Sociobiodiversidade.

O Belém+30 tem como tema central “Os direitos dos povos indígenas e populações tradicionais e a conservação da biodiversidade três décadas após a Declaração de Belém”. O principal objetivo é refletir sobre as conquistas e os desafios da Carta de Belém, três décadas depois do primeiro encontro internacional de Etnobiologia, ocorrido na capital paraense. Acompanhando o tema, a Sectet vai procurar mostrar como tradição e ciência podem estar mais próximas do que se imagina.

Durante o lançamento do evento, o titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello, destacou que o objetivo da Feira Estadual de CT&I é disseminar o valor da ciência e tecnologia junto à sociedade. “Também é uma forma de que a população paraense e os visitantes do evento internacional tenham a oportunidade de assimilar, cada vez mais, a importância do conhecimento seja ele popular, tradicional, científico. Além disso, a Amazônia é um tema global no que representa em termos ecológicos, biológicos e o nosso grande desafio é desenvolver uma economia mantendo a floresta em pé e a preservação da floresta deve estar associada ao seu uso inteligente por meio do conhecimento. Ou nós geramos uma civilização florestal moderna com a preservação dos direitos das populações tradicionais ou a história será implacável contra aquilo que é este patrimônio da humanidade”, complementou.

A programação do lançamento também foi marcada pela palestra "Belém, Biodiversidade, Direitos Indígenas: 30 anos Depois", proferida pelo pesquisador Charles Clement, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Ele participou da primeira edição do Congresso Internacional de Etnobiologia, realizada na capital paraense em 1988. Assim, ajudou na concepção e elaboração da Declaração de Belém, pensada por pesquisadores das ciências sociais e naturais, ambientalistas e representantes indígenas de 25 países que na época marcaram presença no congresso. Hoje, a Declaração de Belém norteia o trabalho dos pesquisadores em relação à garantia dos direitos de povos indígenas e comunidades tradicionais.

O Belém+30 é promovido pela Sociedade Internacional de Etnobiologia (ISE) e a Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia (SBEE). Em Belém, a organização é da Universidade Federal do Pará (UFPA), Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) e Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), em parceria com diversas outras instituições de ensino e pesquisa da região, incluindo a Sectet, a Universidade Estadual do Pará (UEPA) e a Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).

China, Quênia, Hungria, Tailândia, Estados Unidos, Holanda, México, Argentina, Portugal, Canadá, França, Equador, Tadjiquistão, Reino Unido, Suriname, Japão, Angola, Argentina, Nova Zelândia, Guiana Francesa, Finlândia, Chile, Peru, República Popular da China, Austrália, Paraguai, Alemanha, Polônia, Índia e República Guiana estão entre os mais de 45 países que já confirmaram presença no evento internacional.

Programação: A Programação da Feira Estadual de CT&I continua completamente gratuita e aberta ao público de todas as idades. Na última edição, em 2017, a Feira atingiu mais de 15 mil visitantes. Para 2018, a expectativa é que este número se multiplique, tendo em vista que serão quatro eventos em um. Durante os quatro dias oficiais do evento, na capital paraense, o Belém+30 também vai oferecer ao público palestras, sessões acadêmicas, mesas de trabalho, sessão de pôsteres, minicursos e uma extensa programação artístico-cultural com apresentações de carimbó, lundu, marujada, guitarrada, capoeira, tambor de crioula, cordão de pássaros, bois, entre várias outras manifestações. O objetivo é proporcionar o intercâmbio e o fortalecimento da identidade cultural, a partir da diversidade dos grupos étnicos de várias partes do planeta.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet) com informações da Ascom/Belém+30

Categorias: Notícias

Lançamento do Belém+30 ocorre nesta quinta-feira (21) em Belém

Sectet - qua, 20/06/2018 - 08:28
20/06/2018

Nesta quinta-feira, 21, ocorre, no Centro de Eventos Bendito Nunes da UFPA, o lançamento do Belém + 30, congresso nos moldes do Fórum Social Mundial, que reunirá participantes de todo o planeta, incluindo povos indígenas de vários países, quilombolas e demais integrantes de populações tradicionais. Cerca de 2 mil pessoas são esperadas para o evento, a maioria vinda de estados brasileiros e países participantes.

O lançamento será uma mostra da grandiosidade do evento que reúne o XVI Congresso Internacional de Etnobiologia, o XII Simpósio Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia, a IX Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação e, também, a I Feira Mundial da Sociobiodiversidade. O congresso mistura conhecimentos tradicionais e científicos e terá a participação de várias instituições de ensino e pesquisa da região, sob a coordenação da Universidade Federal do Pará e do Museu Paraense Emílio Goeldi.

No lançamento, haverá apresentação de grupos culturais quilombolas, música, dança, presença de líderes indígenas e experimentos de ciência. Além de reitores e dirigentes de instituições de ensino e pesquisa da região, estarão presentes representantes da Sociedade Internacional de Etnobiologia, que tem sede nos EUA.

A programação de lançamento também será marcada pela palestra "Belém, Biodiversidade, Direitos Indígenas: 30 anos Depois", que será proferida pelo pesquisador Charles Clement, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA. Ele participou da primeira edição do Congresso Internacional de Etnobiologia, realizada na capital paraense em 1988. Assim, ajudou na concepção e elaboração da Declaração de Belém, pensada por pesquisadores das ciências sociais e naturais, ambientalistas e representantes indígenas de 25 países que na época marcaram presença no congresso. Hoje, a Declaração de Belém norteia o trabalho dos pesquisadores em relação a garantia dos direitos de povos indígenas e comunidades tradicionais.

“A Declaração de Belém, inclusive, teve influência em alguns artigos da Convenção da Diversidade Biológica, um documento, que muitos países assinaram, sobre essa questão dos direitos dos povos tradicionais. Por tanto, a declaração é uma espécie de regimento a ser seguido e a ser observado com afinco pelos pesquisadores. A gente sabe que as leis, hoje, estão cada vez mais sendo reformatadas no sentido de condicionar essas comunidades tradicionais que são detentoras desse conhecimento sobre a biodiversidade”, afirma o professor e pesquisador da UFPA, Flávio Barros, da Comissão Organizadora do Belém+30.  

O Belém+30 vai ser realizado no período de 7 a 10 de agosto, no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, na capital paraense. Mais de 40 países já confirmaram presença nesta edição do congresso, incluindo: China, Quênia, Hungria, Tailândia, Estados Unidos, Holanda, México, Argentina, Portugal, Canadá, França, Equador, Tadjiquistão, Reino Unido, Suriname, Japão, Angola, Argentina, Nova Zelândia, Guiana Francesa, Finlândia, Chile, Peru, República Popular da China, Austrália, Paraguai, Alemanha, Polônia, Índia, República Guiana, Colômbia, Quirquistão, Suécia, Croácia, Republica da África do Sul, Espanha, Mocambique.      

Com o tema central "Belém +30: os direitos dos povos indígenas e as populações tradicionais e o uso sustentável da biodiversidade, três décadas após a Declaração de Belém", o principal objetivo do evento é refletir sobre as conquistas e os desafios da carta de Belém, três décadas depois do primeiro encontro internacional de Etnobiologia.

Para o professor Flávio Barros, hoje a biodiversidade gera na geopolítica global muitos conflitos de interesse. “Por um lado, tem o grande capital, o agronegócio ou as grandes empresas querendo se apropriar de maneira capitalizada da biodiversidade, para uma perspectiva de lucro. Por outro lado, temos as comunidades tradicionais, os agricultores, os povos indígenas que mantém um outro tipo de relação com a natureza. É uma biodiversidade que é útil a reprodução da vida, tanto no campo material como simbólico. E essa biodiversidade tem o objetivo principal de trazer o bem viver para essas pessoas”.   

Programação Belém+30: Durante os quatro dias oficiais do evento, em Belém, o público vai participar de palestras, sessões acadêmicas, mesas de trabalho, sessão de pôsteres, minicursos e uma extensa programação artístico-cultural com apresentações de carimbó, lundu, marujada, guitarrada, capoeira, tambor de crioula, cordão de pássaros, bois, entre várias outras manifestações. O objetivo é proporcionar o intercâmbio e o fortalecimento da identidade cultural, a partir da diversidade dos grupos étnicos de várias partes do planeta e que estarão presentes no Belém+30.  Entre as principais atrações do encontro, destaque ainda para a primeira feira mundial só com produtos da sociobiodiversidade. A intenção é promover a produção familiar e a forma como as comunidades se relacionam com a floresta para a obtenção de seus patrimônios, sejam alimentares, material ou imaterial.

O evento é promovido pela Sociedade Internacional de Etnobiologia (ISE) e a Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia (SBEE). Em Belém, a organização é da Universidade Federal do Pará (UFPA), Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) e Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), em parceria com diversas outras instituições de ensino e pesquisa da região, incluindo a Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet, a Universidade Estadual do Pará (UEPA) e a Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). Incrições e informações em www.ise2018belem.com.

Serviço: 

Lançamento Belém+30

Data: 21 de junho de 2018

Hora: 8h30

Local: Centro de Eventos Benedito Nunes da UFPA.

Entrada franca e sem necessidadade de inscrição.  

Texto: Ascom/Belém+30

Categorias: Notícias

Governo retoma debate sobre parque tecnológico na Região de Carajás

Sectet - ter, 19/06/2018 - 08:23
18/06/2018

Devido ao seu dinamismo econômico, a Região de Integração Carajás – que engloba 12 municípios do sul e sudeste paraense -, requer a instalação de um parque de ciência e tecnologia, que agregue propostas de incubadoras de empresas, centros de excelência, escritórios técnicos e agências de transferência de tecnologia, além de outros investimentos, afirmou Marco Antônio Lima, diretor da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), ao apresentar nesta segunda-feira (18), o Programa Inova Pará a membros de instituições do setor produtivo, no Centro Regional de Governo do Sudeste do Pará, em Marabá.

Marco Antônio Lima esclareceu que “o Programa Inova Pará trata da estruturação de um sistema estadual de inovação, que em um estado grande e complexo como o Pará precisa atender as características específicas de cada região”. Segundo ele, “uma primeira etapa do programa é exatamente identificar as demandas de ciência e tecnologia, ou seja, quais são as atividades que a Secretaria pode contribuir para que o conhecimento científico, gerado nas instituições científicas e tecnológicas, chegue ao setor produtivo, gerando inovação e aumentando a competitividade das empresas. Uma das demandas que surgiu na apresentação foi a retomada do parque de ciência e tecnologia”.

Félix Miranda, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Marabá (Sindicom), destacou a importância do Programa Inova Pará na capacitação da mão de obra local, que em sua avaliação é uma das maiores carências da região. “O ‘Inova’ pode ser a solução para que a gente possa pegar nossos jovens, treiná-los e torná-los profissionais. Se você tiver mão de obra competente, as transformações na empresa acontecem. Como as coisas evoluíram muito tecnologicamente, precisamos preparar técnicos para trabalhar na pecuária, no comércio, nos serviços. A gente que tem empresa sente que nossa mão de obra precisa muito de treinamento”, ressaltou Félix Miranda.

Salto em capacitação - Nesse sentido, o secretário de Indústria, Comércio e Mineração de Marabá, Ricardo Pugliese, informou que o Inova Pará vai garantir maior qualificação em Marabá com o Programa Pará Profissional, executado pela Sectet. Um convênio entre Governo do Estado e a Prefeitura de Marabá deve ser assinado ainda neste mês, para garantir cursos profissionalizantes que atendam as demandas do município.

“A gente acredita que isso vai dar um salto importante em termos de capacitação. O Pará Profissional entra sem custos para o município, no processo de capacitação de mão de obra especializada. E, agora, o diretor da Sectet que cuida do Inova Pará está buscando junto ao Centro Regional de Governo, e na nossa Secretaria, uma forma de estabelecer um fórum de discussão das outras atividades do programa. Chegamos à conclusão de um ponto importantíssimo, que está parado, que é a formação do centro tecnológico de Marabá, voltado principalmente para o mercado metal-mecânico e metalúrgico que cobre toda essa Região de Carajás”, destacou Ricardo Pugliese.

O próximo passo é criar um grupo de trabalho para retomar as discussões sobre a implantação do Centro Tecnológico em Marabá, anunciou o coordenador de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção do Centro Regional de Governo do Sudeste, Caetano Reis.

“Vamos tentar criar um grupo de trabalho para poder mobilizar junto às universidades públicas e, a partir disso, ter o braço da Academia, do setor produtivo, junto com o Sistema S, para que a gente possa capacitar mão de obra através do Pará Profissional. Com os fóruns municipais implementados por meio da Governança Compartilhada e Lei de Socioeconomia, vamos trabalhar também as demandas de ciência e tecnologia, de forma coesa com a Sectet, via Centro Regional de Governo, para que a gente possa ver o que necessita ser capitaneado para implementar o parque tecnológico. Nesses quatro primeiros fóruns municipais (Marabá, Tucuruí, Rondon do Pará e Xinguara), vamos tentar trabalhar com a Unifesspa (Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará) para fazer o levantamento de outras demandas de ciência e tecnologia”, informou Caetano Reis.

O Sistema S é formado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio (Senac), Serviço Social do Comércio (Sesc), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Serviço Social da Indústria (Sesi).

Texto e foto: Kelia Santos (Ascom/CRGSP)

Categorias: Notícias

Sectet realiza primeiro “Diálogos da Inovação”

Sectet - ter, 19/06/2018 - 08:14
19/06/2018

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), promove nesta quinta-feira (21), às 9h, em seu auditório, o primeiro “Diálogos da Inovação”, com o tema "Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais como Estratégia de Desenvolvimento".

Os Arranjos Produtivos Locais (APLs) são aglomerações territoriais de agentes econômicos, políticos e sociais, com foco em um conjunto específico de atividades econômicas que apresentam vínculos. Geralmente envolvem a participação e a interação de empresas que podem ser desde produtoras de bens e serviços finais até fornecedoras de insumos e equipamentos, prestadoras de consultoria e serviços, entre outros. Estão inclusos em organizações públicas e privadas voltadas para formação e capacitação de recursos humanos.

Segundo a coordenadora de Ciência e Tecnologia da Sectet, Amarílis Aragão, o evento busca prover discussões acerca de assuntos importantes no âmbito da inovação, bem como na estruturação de um ambiente inovador. “Antes de pensarmos num ambiente de inovação, precisamos entender o que é um APL. Este será um evento no qual veremos os conceitos sobre o tema e depois os discutiremos dentro das nossas realidades”, frisou a coordenadora.

Programação - Na oportunidade, será ministrada palestra pelo Diretor de Ciência e Tecnologia da Secretaria, Marco Antônio Lima, sobre o “Sistema Paraense de Inovação e Políticas Estaduais de CT&I”. Entre essas políticas destaca-se o Programa Inova Pará, coordenado pela Secretaria e amparado pela Lei Estadual de Inovação (Lei n° 8.426), de 16 de novembro de 2016, que dispõe sobre incentivos à inovação, à pesquisa científica e tecnológica e à engenharia não rotineira, além da política estadual de incentivos fiscais.

O Inova Pará parte da premissa que, para romper com o modelo extrativista, presente na economia paraense, é indispensável que o Estado apoie a criação de Sistemas Regionais de Inovação (SRI) a fim de que propiciem suporte necessário à agregação de valor das cadeias produtivas estratégicas. Em sua concepção, o Programa acredita no potencial produtivo e inovador das distintas regiões do estado.

Continuando a programação, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), que possui no Pará um Núcleo Estadual de APLs, vai apresentar o que são e como funcionam os Arranjos Produtivos Locais (APLs), esclarecendo as dúvidas que possam ocorrer aos presentes. Quem estará a frente da apresentação é o servidor Raimundo Sergio de Menezes Santos

Encerrando o período de exposição, será aberto espaço para um caso de sucesso em APLs, com o também servidor da Sedeme, Lourival da Silva Ribeiro Junior. Em seguida, ocorre o debate entre os participantes.

O evento é aberto ao público em geral. Já confirmaram presença os servidores da Sectet, Sedeme, gestores da Biotec-Amazônia, entres outros parceiros.

Serviço

Local: Auditório da Sectet

Endereço: Av. Presidente Vargas, 1020 – Campina. Belém/PA

Horário: De 9h às 12h

 

Texto: Maryane Brito (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Páginas