• White/Preto
  • Padrão

Current Style: Padrão

Governo do Estado do Pará

Você está aqui:

Finep-MCTIC investe mais R$ 132 milhões em tecnologias para combate à Covid 19

Sectet - qua, 03/06/2020 - 11:50
03/06/2020

Em mais uma iniciativa destinada ao enfrentamento do novo coronavírus, a Finep – Financiadora de Inovação e Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) acaba de disponibilizar, por meio de edital, R$ 132 milhões para o desenvolvimento de três linhas de pesquisa que ajudem no combate à pandemia. Os recursos, de subvenção econômica, serão destinados a empresas brasileiras de todos os portes que atuem, preferencialmente, em parceria com uma Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT).

Do total a ser investido, R$ 80 milhões vão apoiar soluções inovadoras em ventiladores pulmonares mecânicos e equipamentos suplementares de suporte a vida de pacientes acometidos pela doença; R$ 35 milhões serão aplicados no desenvolvimento de testes diagnósticos e biosensores, reagentes e insumos associados; e os R$ 17 milhões restantes vão financiar máscaras de proteção, equipamentos e sistemas de descontaminação, desinfecção e esterilização.

“O nosso foco é a proteção de equipes da cadeia de atendimento médico-hospitalar, a redução da dependência internacional e o desenvolvimento de equipamentos para a retomada das atividades pós-pandemia”, disse o diretor de Inovação da Finep-MCTIC, Alberto Dantas.

Com o novo edital, a Finep-MCTIC espera apoiar a incorporação de novas soluções tecnológicas, baseadas em nanotecnologia, materiais avançados, indústria avançada, inteligência artificial, Internet das Coisas, biologia sintética, além de outras que se mostrarem promissoras para adição de funcionalidades aos equipamentos, partes, peças e insumos específicos para a Covid-19.

“Apenas com investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação em componentes críticos para ventiladores pulmonares - válvulas proporcionais, sensores de fluxo, sensores de pressão e filtros trocadores de calor e umidade, vamos conseguir reduzir a dependência do Brasil por tecnologias desenvolvidas em outros países”, afirmou o diretor.

A empresa interessada poderá solicitar à Finep-MCTIC o valor mínimo de R$ 500 mil e o máximo de R$ 5 milhões. Será obrigatória a apresentação de uma contrapartida financeira, que poderá variar entre 10% e 100% do valor a ser financiado, dependendo do porte da empresa.

Na análise do mérito, o Comitê de Avalição levará em conta o grau de inovação da proposta, o risco tecnológico, o impacto esperado e o tempo previsto para disponibilização do produto no mercado.

As propostas deverão ser encaminhadas à Finep-MCTIC por meio eletrônico até o dia 21 de junho próximo. Para isso, deverão preencher o Formulário de Apresentação de Proposta (FAP), que estará disponível no site da Finep-MCTIC a partir do dia 5 de junho. O resultado preliminar está previsto para o dia 1º de julho e o resultado final, no dia 31 de julho.

Para mais informações entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente no email sac@finep.gov.br

Fonte: Finep

Categorias: Notícias

Inscrições para o Startup Pará são prorrogadas até 31 de julho

Sectet - sex, 29/05/2020 - 14:52
29/05/2020

A Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa) prorrogou o prazo para submissão de propostas ao Programa Startup Pará, iniciativa de fomento ao empreendedorismo paraense.  O prazo que se encerraria neste sábado (30/05) foi prorrogado até o dia 31 de julho/2020. O Startup Pará é um programa do Governo do Estado desenvolvido pela Fapespa, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) e Secretaria de Estado de Planejamento e Administração (Seplad). Confira as novas datas na Portaria N° 097/2020.

“A prorrogação das inscrições e as demais mudanças no cronograma do programa se fazem necessárias diante das circunstâncias especiais que estamos vivendo, impostas pela pandemia do novo coronavírus. O programa será mantido e se faz ainda mais importante nessa nova realidade”, enfatiza Maria Trindade, coordenadora do Startup Pará. Ela destaca que ideias e iniciativas inovadoras são fundamentais para enfrentar a realidade que virá pós-pandemia .

Programa – O Startup Pará teve o edital lançado pelo Governo do Estado no início de fevereiro deste ano e irá selecionar dez propostas em cada uma das duas modalidades do programa. Os empreendedores selecionados receberão capacitação, treinamento, mentoria e apoio financeiro.  

A modalidade “Novos Negócios” é voltada a projetos de processos ou produtos inovadores, com potencial para se transformar em empreendimentos que incorporem novas tecnologias. A modalidade “Aceleração” abrange propostas que já tenham um produto ou que já disponham de clientes, mas que necessitam alavancar as vendas e/ou acelerar seu negócio a partir de assistência técnica especializada.

As propostas nas duas modalidades devem estar dentro das áreas temáticas do programa que são: educação; energia; mineração; saúde e qualidade de vida do cidadão; Govtech (Inovação na Administração Pública); Agrotech, com destaque para agroindústria e piscicultura; biotecnologia; Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC); inteligência artificial; e logística.

Investimento - Serão destinados recursos no valor global de aproximadamente R$ 3,5 milhões sendo investidos até R$ 2,8 milhões diretamente nas propostas. Para a modalidade “Aceleração”, as propostas devem ter valor de até R$ 200 mil e para a modalidade “Novos Negócios”, as propostas devem ter valor de até R$ 80 mil, perfazendo um total máximo de investimento de R$ 2,8 milhões. Os demais recursos financeiros serão utilizados no desenvolvimento do programa.

Todas as informações sobre o Startup Pará estão no site www.startuppara.fapespa.pa.gov.br, onde também podem ser feitas as inscrições.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

 

Categorias: Notícias

Estudo aponta estabilidade dos casos da Covid-19 na Região Metropolitana de Belém

Sectet - seg, 25/05/2020 - 09:40
25/05/2020

Os números de casos confirmados e casos de óbitos causados pela Covid-19 na Região Metropolitana de Belém alcançaram o nível de estabilidade e apresentam tendência de queda. É o que afirma um estudo realizado pelas Universidades Federal Rural da Amazônia (Ufra) e Federal do Pará (UFPA) com apoio do governo do estado, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) e da Fundação Amazônia de Apoio a Estudos e Pesquisas (Fapespa). O último Relatório Técnico do estudo foi divulgado neste sábado (23/05).

O titular Sectet e presidente da Fapespa, Carlos Maneschy, ressalta que o estudo é uma contribuição científica que possibilita ao governo tomar as medidas necessárias, ajustando e direcionando os recursos para as áreas onde há maior necessidade. “As últimas projeções estatísticas feitas para a região metropolitana apontam que está começando um período de estabilidade no número de contágio e óbitos decorrentes da Covid-19. Mostramos as tendências e projeções ao governo que a partir daí pode tomar suas decisões”, enfatiza o secretário, que também participa do grupo de pesquisa.

O reitor da Ufra, Marcel Botelho, destaca que o grupo de pesquisa havia feito uma previsão no início de abril mostrando que o pico da doença seria entre final desse mês e início de maio. “Essa previsão se concretizou. Nós rodamos o modelo epidemiológico novamente e verificamos que o pico da doença foi entre 20 de abril e primeiro de maio. Os dados confirmados já mostram essa tendência de curva e o modelo rodado também mostra essa tendência de queda no número de casos e no número de óbitos”.

Pesquisa – O estudo é realizado por uma equipe interdisciplinar formada por profissionais das áreas da Saúde, Engenharia, Biologia Computacional, Modelagem Matemática e Inteligência Computacional. Sob a coordenação da Pró-Reitoria de Extensão da Ufra, a pesquisa utiliza a inteligência artificial para criar Redes Neurais Artificiais (RNA’s), que são processamentos de dados e softwares de computador. “Por uso de inteligência artificial, no uso de algoritmos de aprendizagem, as RNA’s modelam um fenômeno da realidade em funções matemáticas e assim podem estimar sobre fenômenos desconhecidos como é o caso do coronavírus”, explica o pró-reitor adjunto de extensão da Ufra, Jonas Castro.

As Redes Neurais da pesquisa recebem informações a partir dos dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) sobre os casos confirmados da doença e número de mortes, além de informações sobre o sistema de saúde, como número de leitos de UTI, quantidade de profissionais, taxa de ocupação de leitos, etc. O estudo também identificou os padrões comportamentais da sociedade.

O primeiro estudo realizado fez uma previsão de curto prazo dos casos de contágio e letalidades para um período de 30 dias, a contar de 18 de março, data da primeira ocorrência de COVID-19 no estado. Segundo o relatório, no segundo momento, visando uma maior precisão das previsões, o modelo foi reajustado para estimativas de sete dias. Os resultados estão relacionados no Projeto de Extensão Universitária “Informes sobre o Comportamento da COVID-19 utilizando Modelagem Matemática e Inteligência Computacional no estado do Pará”, que já tem dois boletins publicados, disponíveis no endereço <https://proex.ufra.edu.br/boletimcovidufra.

Ações administrativas – O pró-reitor da Ufra, Jonas Castro, destaca que o estudo é baseado em dados reais, por isso as previsões são afetadas pelo comportamento da população em relação ao isolamento social. “Quanto maior o isolamento social, menos pessoas contaminadas e, consequentemente, menor o número de mortes. Também influenciam no resultado previsto as ações tomadas pelo governo na área da saúde”, ressalta o professor.

Isso está comprovado no relatório divulgado recentemente quando o número real de óbitos foi menor que o previsto no período de 15 a 20 de maio. Os pesquisadores apontam no relatório que essa redução reflete o resultado de ações tomadas pela administração pública, “como a transformação dos serviços na policlínica para o atendimento exclusivo para a COVID-19 e a abertura do Hospital Regional Abelardo Santos para pronto atendimento de porta aberta, nos quais além do atendimento médico foram também disponibilizadas medicações para o tratamento da doença em situações que não requeressem internação”.

O professor Jonas Castro informa que com o apoio da Sectet e da Sespa agora o estudo irá fazer projeções para as microrregiões do estado e começar a trabalhar também com os números os municípios.

O estudo pode ser lido na íntegra AQUI.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Imagens: Agência Pará

Categorias: Notícias

Fique atento ao prazo para a inscrição no edital do Programa Startup Pará

Sectet - sab, 23/05/2020 - 09:38
23/05/2020

Um dos principais diferenciais de programas de incubação e aceleração é a oportunidade dos empreendedores participantes e estarem em contato com profissionais experientes, mentores e especialistas.

O convívio, a troca de experiência e o conhecimento encurtam distâncias, agregam valor aos projetos e entrega insights valiosos para o sucesso do negócio de cada iniciativa nascente.

E esta é uma das propostas do Startup Pará, maior programa de apoio a empreendimentos de base tecnológica já realizado no estado.

As inscrições para o Edital 002/2020 vão até o dia 30 de maio, fique atento para não perder o prazo.

O Programa Startup Pará visa estimular a criação de empreendimentos inovadores e disseminar a cultura empreendedora no estado, a partir de um amplo trabalho de qualificação dos projetos e empresas selecionadas, que receberão consultoria especializada, assessoria em aspectos financeiros, jurídicos, de marketing, entre outros, bem como mentorias personalizadas.

Ao final do programa, os participantes poderão receber apoio financeiro não oneroso. Estão disponíveis para o programa R$ 2.800.000,00, sendo que até 10 (dez) propostas de ideias/projetos inovadores, na Modalidade Novos Negócios, poderão receber até R$ 80 mil por projeto, e até 10 (dez) empresas, na Modalidade Aceleração, poderão receber até R$ 200.000,00 por projeto.

O programa é uma realização da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica – SECTET, por meio da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas de Amparo a Estudos e Pesquisas – FAPESPA, e da Secretaria de Estado de Planejamento e Administração – SEPLAD, que integra os esforços do Governo do estado para impulsionar setores estratégicos da economia local, utilizando a criatividade paraense para gerar renda e empregos.

Serviço:
Edital nº 02/2020 – STARTUP PARÁ - APOIO À ESTRUTURAÇÃO DE AMBIENTES PROMOTORES DE INOVAÇÃO DE BASE TECNOLÓGICA NO ESTADO DO PARÁ
Inscrições até 30 de maio de 2020
Submissão de proposta pelo https://startuppara.fapespa.pa.gov.br/
Informações: startuppara@fapespa.pa.gov.br 

Categorias: Notícias

Sectet promove semana com programação toda transmitida pela Internet

Sectet - qui, 21/05/2020 - 12:48
21/05/2020

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) realizará, no período de 23 a 26 de junho de 2020, a 2ª Semana Estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento com o tema “Em tempos de pandemia”.

Sob a coordenação da Diretoria de Ciência e Tecnologia (DCT), o evento será realizado de forma presencial conectada, utilizando ferramentas Google, com o apoio da empresa de inovação Inteceleri, localizada no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá.

“Serão utilizadas streams individuais ou em grupo, integradas com o Youtube e o Facebook, para que os inscritos na programação acompanhem as palestras, mesas redondas, seminários e demais atividades da Semana”, explica o diretor da DCT, Deméthrius Lucena.

Haverá ainda a possibilidade de apresentação de slides e envio de material. Para controle da audiência, os participantes preencherão um formulário e no final das palestras o sistema irá gerar os certificados automaticamente. 

O titular da Sectet, Carlos Maneschy, destaca que toda a programação da Semana será voltada para a divulgação e discussão de ações, pesquisas e tecnologias que vêm sendo desenvolvidas e utilizadas para o enfrentamento e mitigação dos efeitos da pandemia do novo coronavírus.

“Nesse período em que a realidade nos impõe desafios, a ciência nos mostra caminhos, por meio da tecnologia e inovação, para seguirmos o projeto de desenvolvimento social e econômico para o estado, preservando o bem maior de todos que é a vida”, enfatiza o secretário. 

Parceiros – O diretor Deméthrius Lucena explica que está em plena fase de contato com os parceiros que farão parte da programação. “Estamos em contato com instituições públicas e privadas para disponibilizar ao público a maior amplitude possível de informações sobre as ações que estão sendo desenvolvidas durante a atual pandemia”, reforçou. 

Ele informa que até o último dia 19, já haviam confirmado participação as seguintes instituições e profissionais: Universitec; Inteceleri/Google; Açai Vallei, Madtech; Instituto Senai de Inovação em Tecnologias Minerais (ISI-TM); a premiada professora de Robótica Educacional Keila Katete; Comissão de Mediação e Conciliação da OAB-PA; brasileiros de pós-graduação de Havard e MIT; Natura; Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA); Clube do Drone Belém; Fundação de Ciência, Tecnologia e Inovação de Fortaleza (Citinova); Unimed Fortaleza (CE); Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa); Conselho de Jovens Empresários (Conjove), PCT Guamá e BioTec-Amazônia.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

 

Categorias: Notícias

Campanha “Pesquise na Quarentena” vai divulgar trabalhos de bolsistas de iniciação científica

Sectet - qua, 13/05/2020 - 10:23
13/05/2020

A Fundação Amazônia de Amparo à Estudos e Pesquisas (Fapespa) tem tradição em apoiar e incentivar os bolsistas de iniciação científica. Pensando nisso e aliado ao cenário de isolamento social por conta da pandemia do Coronavírus (COVID-19), a campanha “Pesquise na Quarentena” foi criada para incentivar os bolsistas de iniciação científica a apresentarem resultados preliminares dos planos de trabalho de projetos que fazem parte, enquanto as atividades das universidades estão suspensas.

Coronavírus - O ano de 2020 iniciou-se com a notícia do aparecimento de um novo vírus, o COVID-19, que causa doença respiratória, potencialmente grave em alguns indivíduos. O Coronavírus é altamente contagioso e se espalhou muito rápido, sendo decretado pela ONU como Pandemia. Para conter a proliferação, muitas atividades e serviços estão parados desde o mês de março, incluindo escolas e universidades. Neste mês de maio, foi iniciado no Pará um lockdown, tornando obrigatória a paralisação de serviços e o isolamento social em casa.

Pesquise na Quarentena - Por isso, a Assessoria de Comunicação da Fapespa (Ascom), em parceria com a Diretoria de Operações Técnicas (DITEC), e a Coordenadoria de Bolsas (COBOL), criou a campanha “Pesquise na Quarentena”, que vai coletar e divulgar resultados preliminares das atividades dos projetos que os bolsistas participam.

Serão selecionados aproximadamente 500 (quinhentos) podcast de alunos que estejam inseridos em projetos de pesquisas de Iniciação Científica em andamento nas universidades UFPA, UEPA e UNIFESSPA, e que a Instituição possua Convênio ou Termo de Cooperação com a FAPESPA nos anos de 2019 e 2020.

Como participar - O pesquisador deverá gravar e enviar um podcast contando os principais resultados preliminares obtidos durante o andamento do projeto, com a supervisão e aprovação do orientador.

A submissão do podcast deve ser feita até o dia 29 de maio de 2020, junto com os dados do bolsista e informações dos objetivos do projeto e do plano de trabalho, por meio de preenchimento de um formulário online.

Link do Formulário que deve ser preenchido:  https://bit.ly/2xEtP40

Deverá ser enviado:

Nome do bolsista;
 Nome e nr do Edital da Instituição
Nome e nr do Edital da FAPESPA
Nome da Instituição;
Nome do Orientador do projeto;
Título do projeto;
Nome do Plano de trabalho;
Objetivo do projeto em cinco linhas;
Objetivo do plano de trabalho em cinco linhas;
Anexar (Gravar) um podcast de 1 minuto e 20 segundos (comentar os resultados preliminares do projeto), através da plataforma Google Podcast.
 

Texto - Elizandra Ferreira

Categorias: Notícias

Propriedade Intelectual: um caminho inovador e limpo

Sectet - qui, 30/04/2020 - 13:34
30/04/2020

“A ciência, tão surrada nos últimos anos, mostrou mais uma vez o caminho para as soluções de problemas que afligem a humanidade, sendo certo que através de tecnologias limpas e pesquisas sustentáveis, é que será possível alcançar o melhor caminho com menos impacto”. Foi essa a constatação do advogado Luiz Ricardo Marinello, Consultor de Propriedade Intelectual da BioTec-Amazônia, em análise do contexto mundial sobre a propriedade intelectual.

A BioTec é uma Organização Social que mantém contrato com o governo do estado, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), para promover o uso sustentável da biodiversidade estadual e regional. Foi constituída, em 2016, para gerir o programa paraense de incentivo ao uso sustentável da biodiversidade amazônica.

Segundo Marinello, a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (World Intellectual Property Organization -  WIPO) traz o tema "Inovar para um futuro verde" como uma comemoração à data internacional da propriedade intelectual, celebrada no dia 26 de abril de 2020. “De fato, não há como pensar em inovação, e resultados protegidos pela propriedade intelectual, sem pensar nos impactos que podem trazer à sociedade. Estamos vivenciando uma das maiores pandemias de todos os tempos, infelizmente com vítimas fatais e famílias arrasadas por terem que se despedir de seus entes queridos”, explicou Marinello.

Para o consultor da BioTec-Amazônia, além do número de óbitos, outra consequência a olhos vistos da pandemia é a ausência de tecnologia suficiente e necessária para combater o vírus. “Seja através do número escasso de ventiladores pulmonares ou ainda de pesquisa suficiente para detectar o caminho de um medicamento eficiente. Mais do que providencial o tema sugerido pela WIPO (OMPI) no sentido de que a inovação deve caminhar de mãos dadas com o menor impacto ambiental possível e, por que não, com a utilização de recursos naturais de forma sustentável”, ressaltou o consultor.

A Associação BioTec-Amazônia tem como uma das missões tornar concreta a aproximação entre o setor produtivo e a ciência de prateleira das universidades. “O que a Organização Mundial da Propriedade Intelectual apontou como tema e rota para 2020, já é executado pelo Estado do Pará, que acredita, piamente, no potencial dos ativos da biodiversidade amazônica como recursos que podem, decisivamente, alterar o patamar global de pesquisa e desenvolvimento - P&D para laboratórios e indústrias farmacêuticas”, explicou Marinello.

Ações para captação de recursos - Para isso, a Associação BioTec-Amazônia instituiu a Portaria no 036/2019, em 1 de novembro de 2019, da Rede de Pesquisadores Empreendedores Associados. Com essa portaria, a ideia é realizar o credenciamento e a participação do pesquisador empreendedor associado, como pessoa física ou jurídica, brasileiro ou estrangeiro, de qualificação e experiência comprovadas, para atuar, em parceria com a BioTec-Amazônia, em atividades de captação efetiva de recursos financeiros através da elaboração de projetos de pesquisa, atração de empresas e de negócios com eventuais parceiros e que renda resultados e produtos, na forma especificada nesta portaria.

 

Para isso, o pesquisador deve apresentar um projeto de pesquisa sobre temática inovadora e original, visando a obtenção de resultados relevantes e de alto impacto para que a BioTec, na qualidade de executora devidamente autorizada no acordo de parceria, o submeta junto às agências e entidades locais, nacionais e internacionais públicas e privadas.

A criação do pesquisador empreendedor associado é uma concepção que tenta fazer com que os resultados das pesquisas realizadas na academia não resultem apenas em artigos ou relatórios que terminem nas prateleiras das bibliotecas, mas que efetivamente se transformem em resultados úteis e aplicáveis para a sociedade.

Comcienti - Também como parte das atividades de captação de recurso a BioTec iniciou a análise para a criação de um complexo analítico- científico da Amazônia para atender demandas do setor empresarial e das instituições de ciência e tecnologia para atuar em parceria com a Rede de Pesquisadores Empreendedores Associados.

O Complexo Analítico-Científico da Amazônia – COMCIENTI-Amazônia tem como inspiração os chamados “Core Facilities” das universidades do primeiro mundo, ou mesmo centrais analíticas de instituições nacionais, que visam proporcionar infraestrutura em técnicas analíticas.

Com o objetivo de viabilizar, aprimorar e promover pesquisas científicas e tecnológicas na Amazônia, oferece prestação de serviços em variadas técnicas analíticas, em especial análises químicas, físico-químicas e biológicas, com qualidade, agilidade e ética, inclusive para funcionamento em parceria com a Rede de Pesquisadores Empreendedores Associados da BioTec e a Rede de Laboratórios em Bioeconomia.

Texto: Sílvia Leão (Ascom/BioTec-Amazônia)

Foto: (Ascom/BioTec-Amazônia)

Categorias: Notícias

'Meu Endereço' continua atividades com consolidação de relatórios

Sectet - ter, 28/04/2020 - 12:08
28/04/2020

“Uma das condições básicas para a cidadania é a comprovação do seu endereço como fonte de inclusão e de reconhecimento social no bairro e na cidade”. A afirmação é do geógrafo Cleison Costa, que é morador da Cabanagem, em Belém, e também integra a equipe do projeto “Meu Endereço: lugar de paz e segurança social”, parceria desenvolvida pela Universidade Federal do Pará (UFPA) com a Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), dentro do Programa Territórios Pela Paz (TerPaz) do Governo do Pará.

Para Cleison, a cidade é o reflexo da plural realidade habitacional, econômica, social, sanitária, viária e as suas demais contradições da produção política do espaço urbano. Contradições sociais que se expressam na produção coletiva e na apropriação privada da terra. 

Dessa forma, o Projeto Meu Endereço impulsiona a comunidade a refletir e a participar para alcançar os direitos constitucionais de acesso à cidade e à cidadania. Conscientes desse processo, porém impedidas de continuar as atividades de campo diante do cenário de pandemia mundial, as equipes interdisciplinares do projeto não pararam de trabalhar e passaram a sistematizar, em suas residências, os dados coletados nos sete territórios atendidos pelo programa estadual, que envolvem os municípios de Ananindeua, Marituba e Belém, além de realizar videoconferências para compartilhar a evolução dos trabalhos de campo nos bairros do Icuí-Guajará, Nova União, Cabanagem, Benguí, Guamá, Jurunas e Terra Firme.

As informações consolidadas até 24 de abril revelam que, dos 15 quesitos analisados nos territórios, 613 fichas de atendimento às demandas das comunidades estão sistematizadas, e aproximadamente 296 famílias dos territórios da Cabanagem, em Belém, e Nova União, em Marituba, aguardam a segunda fase do projeto. De acordo com Myrian Cardoso, professora da Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFPA e coordenadora do projeto, pelos dados sistematizados, as equipes de supervisores e assistentes realizaram 265 visitas às moradias e apresentaram o croqui do lote para cada família inscrita no projeto.

Além disso, já foram digitalizados 215 croquis, estão identificados 226 lotes nas quadras dos sete bairros e 190 documentações estão completas e digitalizadas. Na parte administrativa, as equipes finalizam um relatório financeiro com quantitativo de custeio de bolsas de estudo para os integrantes do projeto, assim como os gastos operacionais com a aquisição de material.

Dados contabilizados – A sistematização dos dados nos relatórios de campo revelou que seis casas estavam fechadas, cinco lotes não foram encontrados e quatro famílias desistiram de participar do projeto. Foram contabilizados, inclusive, 104 desenhos técnicos dos lotes existentes, assim como o registro fotográfico das moradias e dois relatórios de campo, ou seja, um com uma síntese estruturante de cada residência e outra do território.

“O trabalho em home-office revela a preocupação dos supervisores e assistentes para fazer chegar às famílias os benefícios do projeto, que compartilha, desde meados de 2019, conhecimentos interdisciplinares a partir da articulação de inovação tecnológica, assistência técnica e inclusão social para reduzir os índices de conflitos socioambientais urbanos nos territórios de pacificação do Programa TerPaz”, acentua Renato Neves, vice-coordenador do Projeto e engenheiro pesquisador do Instituto de Tecnologia da UFPA. 

A sistematização dos dados de campo, segundo o pesquisador, é fundamental para formatar os documentos que compõem o Kit Meu Endereço. O Kit contém a planta de localização do imóvel, planta de limite de lote, laudo de condições socioambiental da moradia, laudo de avaliação do imóvel e guia de encaminhamento a programas sociais para o governo do estado do Pará para atender às demandas.

Projeto - O “Meu Endereço: lugar de paz e segurança social”, realizado por meio de parceria entre UFPA e Sectet, soma forças para aprimorar a infraestrutura urbana e as políticas públicas como habitação, educação, saúde, esporte, cultura, lazer, entre outras, para garantir uma vida digna às pessoas, possibilitando o desenvolvimento humano dos territórios e de seus moradores. Ele promove uma inovação de suporte técnico e tecnológico na medida em que implementa a política de assistência técnica gratuita em engenharia e arquitetura, em consonância com a Lei federal nº 11.888, de 24 de dezembro de 2008, e da Lei federal nº 13.465, de 11 de julho de 2017. 

O projeto faz parte ainda do programa TerPaz, política de governo que integra vários órgãos, levando à população ações de segurança pública, educação, qualificação profissional, arte, esporte, enfim, atividades que promovem a cidadania como forma de enfrentamento da violência e promoção da paz.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet) *Com informações de Kid Reis (Ascom-CRF-UFPA)

Fotos: Ascom-CRF-UFPA

Categorias: Notícias

Rede de Apoio Psicológico ajuda a enfrentar sofrimentos emocionais

Sectet - sex, 24/04/2020 - 12:37
24/04/2020

“Tenho momentos de crises de ansiedade: o coração acelera, sinto dor na barriga, uma angústia que faz o peito doer”, descreve a assistente social Marcella Takeshita, de 33 anos. Ela é uma das pessoas atendidas pelo projeto Psicologia Pará – Rede de Apoio Psicológico (RAP), uma plataforma digital desenvolvida pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) com o objetivo principal de amenizar os impactos psicológicos da pandemia pelo novo coronavírus que mudou drasticamente a rotina das pessoas em todo o mundo.

A situação descrita por Marcella é vivida por muitas pessoas, que, como ela, não conseguem conter as lágrimas ao imaginar que a Covid-19 pode acometer parentes e amigos. A psicóloga Danielle Medeiros, voluntária da RAP, explica que essas crises de ansiedade são comuns em momentos como este. “O Brasil é um dos países mais ansiosos do mundo. Todos nós estamos vivendo momentos que nunca pensamos em viver. É natural sentirmos ansiedade diante de algo novo, sobretudo daquilo que não temos controle”, esclarece.

Segundo a psicóloga, a ansiedade é um sentimento que faz parte da vida e que prepara as pessoas para uma ameaça ou perigo. Mas quando esse sentimento se torna muito forte, cede espaço para o medo, a insegurança e a tristeza, “enfraquecendo nossos mecanismos de defesa psíquica. Quando se está mal emocionalmente, abrem-se portas para várias outras dificuldades ou mesmo doenças físicas”, destaca Danielle, que dedica um dia na semana para o atendimento aos cadastrados na Rede.

Urgência subjetiva – Lucas Dourado também faz parte do grupo de 171 psicólogos cadastrados no projeto. Ele já fez 20 atendimentos pela RAP, dedicando de duas a três horas diárias para esse trabalho voluntário.  Lucas ressalta que é muito comum as demandas se relacionarem às interferências do coronavírus na rotina das pessoas. “São questões muitos comuns que têm aparecido durante os atendimentos. Assim, o que temos feito é acolher a urgência subjetiva dessas pessoas e pensar nas melhores possibilidades para dar outros sentidos e significados a essas situações”, diz o psicólogo. Ele esclarece que a urgência subjetiva é um pedido de acolhimento emergencial ao sofrimento psicológico como crises de ansiedade e depressão causadas por momentos como este.

As crises de ansiedade vividas por Marcella Takeshita são causadas pelo medo muito comum de contrair a doença ou de que familiares e amigos sejam vítimas. Além disso, a assistente social fica aflita ao ver a situação de pessoas em busca de atendimento e a superlotação de hospitais. “Também me causa aflição ver que muitas pessoas insistem em não acreditar que isso é muito sério e não tomam as medidas de segurança e ficam aí pelas ruas como se nada estivesse acontecendo”, acrescenta.
 
Sofrimento pré-existente - “O isolamento social e a pandemia podem levar ao surgimento de sofrimento psíquico ou à intensificação de sintomas já existentes que vêm das incertezas sobre quanto tempo isso tudo irá durar e as questões familiares que emergem a partir do isolamento”, enfatiza o psicólogo Lucas Dourado. 

O motivo que levou o estudante de engenharia civil Eduardo Freitas, de 25 anos, a se cadastrar na RAP não tem relação direta com a pandemia. Mas o contato com um profissional o ajudou a tomar decisões a respeito de um problema que estava passando com a família. 

A aposentada Fran (nome fictício), de 81 anos, mora em Marabá e há algum tempo havia procurado ajuda psicológica. Ela morava sozinha em Belém até julho do ano passado e sentia muita solidão. Hoje mora perto do filho e da nora. “A minha vida mudou completamente. Eu morava sozinha e saía bastante em Belém. Ia para as consultas médicas, hidroginástica, fazer exames. Mas sentia muita falta do meu filho”, conta Fran.

Atendimento profissional - Para Marcella Takeshita, o atendimento na RAP tem ajudado a aliviar a tensão. “O profissional que me atende está sendo muito atencioso. O atendimento se assemelha a uma psicoterapia”, avalia a assistente social. 

“Gostei muito do atendimento. Foi muito profissional e recomendo a quem esteja passando por algum problema seja relacionado ao momento ou a outro pré-existente”, indica o estudante de engenharia, Eduardo Freitas. A aposentada Fran conta que está se sentindo muito bem com o atendimento e não vê a hora de ter a próxima sessão.

Ética e cidadania - O sentimento que leva os dois profissionais a se dedicarem ao projeto é o mesmo e deve nortear os demais profissionais que estão cadastrados na RAP. “O nosso código de ética profissional é claro ao dizer que todo psicólogo precisa prestar serviços profissionais em situações de calamidade pública ou emergências sem visar benefício pessoal”, explica Danielle Medeiros. 

Lucas Dourado também cita o dever ético como um dos motivos que o levaram a participar. “A iniciativa e criação da Rede de Apoio se torna um canal perfeito para acolher esses sujeitos em situação de urgência subjetiva e intervir de forma a nos fortalecer como sujeitos e comunidade para avançarmos contra o coronavírus”, ressalta o profissional. Lucas acrescenta que sempre participa de ações como essa e Danielle diz que atender pessoas também a ajuda a enfrentar esse período.

A coordenadora do Psicologia Pará, Úrsula Siqueira, aproveita para agradecer a todos os profissionais que fazem parte do projeto, dedicando um tempo muito importante para ajudar as pessoas nesse momento. Ela ressalta que a plataforma é apenas uma ferramenta e os profissionais é que tornam possível que pessoas tenham a devida orientação e suporte. “Tem sido muito enriquecedor compartilhar esse momento com eles e receber suas contribuições. Estamos todos vivendo algo novo e aprendendo com as diferentes situações que surgem. Definitivamente, juntos podemos enfrentar melhor esse desafio”, enfatiza a coordenadora.

A RAP tem cadastradas 1.756 pessoas que buscam atendimento.  A plataforma é aberta e tanto profissionais como quem precisa de atendimento pode acessar o projeto pelo endereço www.psicologiapara.net.br.

Orientações - Entendendo que cada pessoa tem reações diferentes a esse momento e por isso as orientações seguem as peculiaridades de cada situação e pessoa, podem-se dar sugestões gerais para o enfrentamento a problemas psíquicos que muitos podem estar vivendo. “Para quem não consegue amenizar o sofrimento, orientação profissional pode ser essencial. Nem sempre se sabe por onde começar e felizmente a plataforma tem auxiliado algumas pessoas nesse entendimento. Uma vida que seja tocada tem valor inestimável”, finaliza Úrsula Siqueira.  

As orientações gerais dadas pelos profissionais Lucas Dourado e Danielle Medeiros foram:

- Utilizar a tecnologia das redes sociais para manter contato com as pessoas que você ama, seja por vídeo-chamada, ligação, áudio, jogos, enfim. É importante o isolamento em relação a ficar em casa e não se expor, mas não podemos nos isolar das relações sociais que podem ser virtuais nesse período. 

- Organizar o seu dia com atividades e afazeres, criar um propósito. Sentir-se útil pode ser uma barreira contra os sentimentos de ansiedade e depressão. 

- Separar apenas um momento do dia para ter acesso às informações e procurar fontes confiáveis. Excesso de informação pode ser um fator de estresse. Temos que ter as informações básicas de precauções nesse período, mas o excesso de informação pode ser prejudicial.

- Criar um “kit de primeiros socorros emocionais”. Repassar na sua história de vida, situações, atividades, filmes, livros ou qualquer outra situação que aqueça o coração e faça você se sentir bem. 

- Fazer um trabalho de aceitação da ansiedade. Não lutar contra, mas ter formas de superá-la. Pois é preciso aprender a conviver com ela e saber o que fazer em momentos mais agudos de possíveis crises.

- Observar as coisas ao seu redor. Por exemplo, as cores no ambiente, os objetos, os barulhos... É uma forma de tirar o foco dos pensamentos e sensações que estão gerando ansiedade.

- Fazer exercícios para diminuir o ritmo da respiração, pois ela fica mais curta e acelerada em momentos de crise. O objetivo é acalmar essa respiração, diminuindo seu fluxo. Os exercícios respiratórios devem acontecer não apenas em momentos de crise, mas durante vários momentos do dia.

- Viver o momento presente e o que é possível fazer hoje; entendendo que somos seres humanos, que é normal não estarmos bem de vez em quando e não se cobrar demais. A ansiedade projeta situações futuras que nem sabemos se irão de fato acontecer, e quando se vive no futuro, se deixa de viver e enfrentar o presente com autonomia emocional.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Alunos do projeto Forma Pará fazem campanha de arrecadação de alimentos em Bagre

Sectet - ter, 07/04/2020 - 12:45
07/04/2020

Preocupados com a situação das famílias que perderam renda por causa da quarentena necessária ao combate ao novo conoravírus, estudantes do projeto Forma Pará estão fazendo uma campanha de educação e de arrecadação de alimentos no município de Bagre, no Marajó. Os alunos do curso de Administração, da Universidade Federal do Pará (UFPA), entregaram cestas básicas a 11 famílias do município no último sábado (4). O curso universitário é ofertado pelo Forma Pará, projeto do governo do estado, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet).

“A iniciativa dos alunos do Forma Pará em Bagre é inspiradora. Mostra a conscientização de que a situação que essas famílias enfrentam requer atitudes de solidariedade. Que ações como essa se multipliquem em nosso estado”, declara a secretária adjunta da Sectet e gestora do Forma Pará, Edilza Fontes.

Jesus Malato, um dos organizadores da ação, conta que 13 alunos da turma decidiram fazer uma campanha educativa sobre a pandemia para levar informações à população, orientando como devem se prevenir e evitar o contágio do novo coronavírus. O projeto “União e Motivação” foi enviado à Secretaria Municipal de Saúde, que aprovou a iniciativa. Assim, os universitários elaboraram materiais educativos com informações de prevenção e combate à Covid-19 para distribuir aos moradores.

Solidariedade – “Como estudantes do ensino superior do município de Bagre, não poderíamos nos limitar a ser meros espectadores da crise. Assim, nos unimos numa rede de cooperação e assumimos a nossa responsabilidade social em prol da preservação da saúde e segurança dos munícipes”, diz Jesus.

Ao fazer a divulgação da campanha, os estudantes perceberam que além das informações, muitas famílias precisam de apoio para enfrentar a crise econômica, já que a quarentena leva a perda da renda de quem trabalha por conta própria. Dessa forma, decidiram ampliar o projeto educativo e fazer uma campanha de arrecadação de alimentos.

Os estudantes percorreram ruas e comércio de Bagre fazendo a divulgação da campanha e arrecadando alimentos não perecíveis. “Também montamos um ponto de arrecadação na cidade e temos recebido grande apoio da sociedade”, conta Natan Pantoja, que também participa da ação. Além de alimentos, os interessados em participar podem fazer doações em dinheiro, que é utilizado para a compra dos alimentos da cesta básica. 

“Material de higiene pessoal e limpeza doméstica também são muito bem-vindos”, acrescenta a universitária Elenice Oliveira. 

Seleção das famílias – Os estudantes explicam que as primeiras famílias beneficiadas foram submetidas a uma discreta triagem. “As famílias foram selecionadas por meio de uma lista de controle de famílias em estado de vulnerabilidade, fornecida pelo Conselho Tutelar Municipal da Criança e do Adolescente”, explica Natan, que também é conselheiro tutelar de Bagre. Com a lista nas mãos, os estudantes fizeram visitas domiciliares para fazer a orientação sobre o coronavírus. “Uma vez confirmada a necessidade da família, voltamos no dia seguinte com a cesta básica”, completa Elenice.

Na primeira semana foram arrecadados 356 itens de alimentação e produtos de limpeza e R$ 642,00. Foram montadas 15 cestas, sendo 11 entregues e quatro serão distribuídas no próximo final de semana, junto com o que será arrecadado nos próximos dias. A meta da turma é fazer a doação de pelo menos 50 cestas até o final da campanha. “Fazemos semanalmente a prestação de contas e divulgamos. A solidariedade é muito importante para que essas famílias em vulnerabilidade social consigam passar por esse momento difícil e a sociedade de Bagre está nos recebendo de braços abertos”, enfatiza Natan Pantoja.

Serviço - A campanha continua durante o período de quarentena. Moradores de Bagre podem levar suas doações na Avenida Barão do Rio Branco, em frente à Igreja Católica. Quem preferir fazer doações em dinheiro os dados bancários são: Banco do Brasil - Agência: 765-X – Conta Corrente: 74348-8, em nome de Elenice dos Santos Oliveira. 

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Empresas do PCT Guamá desenvolvem tecnologias para apoiar o distanciamento social

Sectet - ter, 07/04/2020 - 08:07
07/04/2020

Educação a distância, monitoramento da progressão da covid-19 no estado do Pará e ferramentas para otimizar o home office são alguns dos serviços oferecidos por empresas instaladas no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, em Belém, para colaborar com o enfrentamento da crise causada pela pandemia do novo coronavírus (SarCov2).

Com a recomendação de evitar aglomerações e praticar o distanciamento social, diferentes setores da sociedade sentiram o impacto da pandemia. Confira abaixo algumas soluções:

Tecnologias para a educação – Com a suspensão das aulas das redes pública e privada de ensino, escolas e famílias tiveram que se adaptar. Para ajudar na aproximação de professores, alunos e responsáveis, a Inteceleri elaborou um plano de implantação emergencial de educação a distância, destinado a escolas e secretarias de educação.

Formadora oficial de professores na implantação da plataforma Google for Education e desenvolvedora de soluções próprias para melhorar a qualidade do ensino básico no Brasil, a empresa vê o cenário como uma oportunidade de aprendizado.

“Aquele nosso formato clássico de estudar em um ambiente onde tem a presença do professor começou a se expandir com a tecnologia de educação a distância. Esse novo cenário [da pandemia da covid-19] pegou todos de surpresa e hoje a gente vê todas as instituições correndo atrás para que a escola tenha presença dentro da casa dos alunos. O papel do professor será fundamental nesse processo e o grande desafio para o professor é o de encontrar uma forma de se adaptar rapidamente ao uso das tecnologias”, avalia Walter Oliveira, CEO da Inteceleri.

Já a Mundo Digital Interativo (MDI), outra residente do Parque de C&T Guamá, oferece uma plataforma de treinamento online baseada em uma tecnologia de laboratórios de simulação focada no aprendizado de matemática, física, química e engenharia. Através da YouinLab, os alunos realizam treinamentos com aplicação de teorias e atividades práticas. Os valores dependem das características dos cursos escolhidos e podem variar de R$ 60 a R$ 300 por treinamento.

Gestão empresarial – A Microdata Sistemas desenvolveu um aplicativo para batida de ponto em home office. A ação é realizada no celular e com geolocalização, delimitando pontos possíveis para o check in, como a residência do colaborador. O aplicativo funciona online e offline, com ele também é possível ter acesso a um painel de gestão onde o colaborador pode verificar as suas informações profissionais e gerar documentos como contra cheque, cartão de ponto, solicitar férias, entre outras facilidades.

A empresa também oferece soluções de acesso e segurança que podem funcionar em serviços de nuvem, na modalidade SAAS, facilitando o acesso de colaboradores que estão fazendo home office, sem necessidade de grandes alterações na infraestrutura das empresas.

“Durante esse período algumas empresas tiveram custos com deslocamento de equipamentos, como desktops, para as casas dos funcionários. Com a nossa solução isso não é necessário, porque o acesso pode acontecer de qualquer equipamento e com toda a segurança necessária. Além disso, temos apps de aprovação multinível, com ferramentas de fluxos de trabalho para respeitar a gestão corporativa. É a gestão da empresa acontecendo na palma da mão, no celular”, complementa Fábio Santos, diretor comercial da Microdata Sistemas.

Para contribuir com a diminuição dos impactos da covid-19, o aplicativo de ponto será gratuito durante os próximos dois meses. Os demais produtos dependem de avaliação das necessidades de cada empreendimento, pois são modulares e vendidos separadamente. As soluções estão disponíveis no link http://www.senior.com.br/covid-19/.

Tecnologias para a sociedade – A Solved Soluções em Geoinformação lançou na última semana uma plataforma que organiza, por meio de mapas, os dados sobre os casos de covid-19 nos municípios paraenses. Feita de forma voluntária pela empresa, que utiliza informações oficiais fornecidas pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), a plataforma pode ser acessada por meio de celulares e computadores no endereço http://www.solved.eco.br/covid19/pa.html.

Entre outras informações, a solução apresenta estatísticas detalhadas por município, idade, gênero e aspectos mais gerais como o número de casos descartados, confirmados, em análise e eventuais óbitos. “A rápida visualização espacial da distribuição dos casos nos dá o poder de entender mais onde é preciso atacar o problema e também facilita o cruzamento dessa informação espacial com outras mais agregadas como população do município, leitos do SUS e do sistema privado de saúde, dados de viagem, número de diabéticos e hipertensos dos municípios, dentre outras", informa Luis Sadeck, diretor de produtos da Solved.

“A China, por exemplo, desenvolveu várias aplicações nesse mesmo estilo para poder controlar a pandemia lá e a Coreia do Sul teve várias aplicações disso, com uma quantidade de informação fantástica, usando big data, machine learning e outras técnicas da computação e do geoprocessamento para traçar rápidas soluções para o monitoramento e a contenção da pandemia. O geoprocessamento é de fundamental importância para que a gente consiga entender o padrão de transmissão do vírus”, complementa Sadeck.

As startups Dobem Tecnologia e Execute Soluções em TI criaram um chatbot, programa de computador que utiliza inteligência artificial para simular a fala humana, com o objetivo de disseminar informações confiáveis sobre a covid-19, como sintomas, formas de prevenção, entre outras. O software roda no WhatsApp e já teve mais de 10.000 acessos no Brasil: https://chatbot-corona.web.app/.

Texto: Juliane Frazão (Ascom/PCT Guamá)

Categorias: Notícias

Sectec disponibiliza atendimento virtual para ajudar na saúde mental durante o distanciamento social

Sectet - qui, 02/04/2020 - 09:55
02/04/2020

O Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), lançou, na manhã desta quinta-feira (2), a plataforma digital do Projeto Psicologia Pará - Rede de Apoio Psicológico. A iniciativa é mais uma das ações do Governo para amenizar os impactos da pandemia que assola o mundo neste momento, tendo em vista que o distanciamento social e a existência do novo coronavírus podem desencadear muitas questões de cunho emocional nas pessoas.

“Esta pandemia gera alguns reflexos, o primeiro é na saúde física, com muitas pessoas infectadas, a segunda consequência é a questão econômica e este componente se debruça em um terceiro componente que é o emocional”, ressalta o titular da Sectet, Carlos Maneschy. Dessa forma, percebendo a vontade de muitos profissionais em dar suporte à população, a Secretaria garantiu a criação de uma ferramenta que irá auxiliar esse processo.

O objetivo é fomentar o suporte psicológico, com o auxílio de plataforma digital, durante o período de distanciamento social, conectando diretamente profissionais de psicologia que tenham interesse de disponibilizar alguns de seus horários para atendimento voluntário a pessoas que estejam necessitando desse suporte. “Queremos garantir que pessoas que hoje estão passando por dificuldade possam, de alguma maneira, ter um atendimento do Estado para diminuir um pouco suas ansiedades e angústias decorrentes do momento em que estamos vivendo”, explica o Secretário.

A plataforma foi constituída de acordo com as normativas do Conselho Regional de Psicologia e da resolução 4/2020 do Conselho Federal de Psicologia que substitui a resolução 11/2018. Inicialmente o serviço será disponibilizado até o dia 30 de abril. O atendimento é destinado aos cidadãos paraenses, maiores de 18 anos, que sintam a necessidade de procurar por apoio psicológico profissional. Cada cidadão pode solicitar o agendamento de até três atendimentos.

Ressalta-se que não se trata de um atendimento de psicoterapia, e sim um atendimento breve voltado para a atenção psicológica de uma demanda específica, neste caso, motivada pelo momento de pandemia que está sendo enfrentado. Não haverá continuidade ou acompanhamento psicoterápico por se tratar de uma iniciativa com tempo de duração determinado e que tem como finalidade a rede de apoio à população durante o período de distanciamento social.

Tanto profissionais que queiram realizar o atendimento de forma voluntária como os cidadãos que precisem do atendimento devem acessar o link AQUI para realização do cadastro e agendamento dos atendimentos.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Calendário do Startup Pará é alterado devido ao combate ao novo coronavírus

Sectet - ter, 31/03/2020 - 12:55
31/03/2020

Um dos principais diferenciais de programas de incubação e aceleração é a oportunidade dos empreendedores participantes e estarem em contato com profissionais experientes, mentores e especialistas.

O convívio, a troca de experiência e o conhecimento encurtam distâncias, agregam valor aos projetos e entrega insights valiosos para o sucesso do negócio de cada iniciativa nascente.

E esta é uma das propostas do Startup Pará, maior programa de apoio a empreendimentos de base tecnológica já realizado no estado. Pensando nisso, SECTET e FAPESPA optaram por alterar o calendário de realização da primeira edição do Programa, uma vez que é preciso garantir a segurança dos participantes e em apoio as medidas do governo de combate ao novo coronavírus e  para proporcionar mais tranquilidade à população por conta da pandemia da Covid–19.

Nesse sentido, as inscrições para o Edital 002/2020 foram prorrogadas até o dia 30 de maio. Os demais prazos constantes do edital estão na versão atualizada do documento, constante do site www.startutppara.fapespa.pa.gov.br.

O Programa Startup Pará visa estimular a criação de empreendimentos inovadores e disseminar a cultura empreendedora no estado, a partir de um amplo trabalho de qualificação dos projetos e empresas selecionadas, que receberão consultoria especializada, assessoria em aspectos financeiros, jurídicos, de marketing, entre outros, bem como mentorias personalizadas.

Ao final do programa, os participantes poderão receber apoio financeiro não oneroso. Estão disponíveis para o programa R$ 2.800.000,00, sendo que até 10 (dez) propostas de ideias/projetos inovadores, na Modalidade Novos Negócios, poderão receber até R$ 80 mil por projeto, e até 10 (dez) empresas, na Modalidade Aceleração, poderão receber até R$ 200.000,00 por projeto.

O programa é uma realização da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica – SECTET, por meio da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas de Amparo a Estudos e Pesquisas – FAPESPA, e da Secretaria de Estado de Planejamento e Administração – SEPLAD, que integra os esforços do Governo do estado para impulsionar setores estratégicos da economia local, utilizando a criatividade paraense para gerar renda e empregos.

 

Serviço:

Edital nº 02/2020 – STARTUP PARÁ - APOIO À ESTRUTURAÇÃO DE AMBIENTES PROMOTORES DE INOVAÇÃO DE BASE TECNOLÓGICA NO ESTADO DO PARÁ

Inscrições até 30 de maio de 2020

Submissão de proposta pelo https://startuppara.fapespa.pa.gov.br/

Informações: startuppara@fapespa.pa.gov.br

Categorias: Notícias

Seleção suspensa

Sectet - ter, 31/03/2020 - 09:40
31/03/2020

ATENÇÃO: Informamos que a segunda fase de seleção dos inscritos para o curso técnico em saúde bucal foi temporariamente suspensa devido às últimas orientações de combate ao novo Coronavírus. Fique atento ao nosso site e redes sociais, pois em breve divulgaremos um novo cronograma.

Categorias: Notícias

Sectet finaliza curso de aperfeiçoamento da comunicação no trabalho

Sectet - qua, 18/03/2020 - 11:44
18/03/2020

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), por intermédio de sua Diretoria de Educação Técnica e Tecnológica, finalizou a primeira edição do curso “Aperfeiçoamento da Linguagem para comunicação no mundo do trabalho”, na modalidade a distância, com a formação de 32 cursistas para atuarem de forma mais eficiente no ambiente organizacional quanto ao emprego de habilidades comunicativas.

O cursista e engenheiro Arlindo Tavares de Souza Junior avaliou a experiência como positiva. "O curso tem grande relevância por fornecer os fundamentos da comunicação efetiva no mundo do trabalho. A maior responsabilidade pela comunicação cabe ao emissor e em menor grau ao interlocutor, portanto, esses fundamentos dão suporte para nossas solicitações, comandos, sugestões e compreensão. Parabenizo todos os envolvidos. É imensamente gratificante para os cidadãos ter uma oportunidade assim”, destacou.

Para tanto, as aulas também abordaram a interpretação e elaboração de textos. A todo o momento, esses conhecimentos são necessários, por exemplo, para enviar um e-mail, receber uma instrução, liderar uma equipe. O curso consiste em uma ação concreta de incentivo à educação e à qualificação profissional, sobretudo, considerando a alta taxa de desemprego atual. Além disso, o modelo EAD se mostra mais adequado para esse tipo de curso, considerando o contexto do profissional da atualidade.

Os cursistas aprovados receberão seus certificados por e-mail, e em breve o curso será ofertado novamente. Os interessados deverão ficar atentos a este site.

Texto: Equipe de EAD da Sectet

Categorias: Notícias

Sectet prorroga indicações para Comci 2020 nas redes sociais

Sectet - qua, 18/03/2020 - 10:16
18/03/2020

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), diante das últimas informações e recomendações de combate ao Coronavírus no Pará, informa que estão prorrogadas, por tempo indeterminado, as indicações para a Comenda Mulher Cientista (Comci) 2020. O prazo para o público indicar as possíveis agraciadas se encerraria na próxima quarta-feira (25), porém agora os seguidores das redes sociais da Sectet terão mais tempo para sugerir a Jovem Talento e a Cientista Master que receberão a honraria este ano.

Porém a cerimônia de entrega da comenda, prevista para o dia 29 de abril, está temporariamente adiada. Um novo cronograma deve ser discutido, por meio de aplicativo de mensagens, conjuntamente com as pesquisadoras indicadas pelas instituições de ensino e pesquisa para compor a Comissão Científica de Avaliação da Comenda Mulher Cientista.

A Comci foi criada em 2019 no intuito de incentivar o envolvimento feminino com a produção científica no Pará. Ela ocorre em duas etapas. A primeira se realiza por meio das redes sociais da Secretaria, onde os seguidores podem indicar os nomes de profissionais e estudantes que tenham desenvolvido pesquisas científicas e projetos de inovação tecnológica de comprovada relevância social no estado. A segunda fase é a avaliação dos nomes indicados pela Comissão.

Em 2019, a Comissão de Avaliação elegeu a estudante Francielly Rodrigues Barbosa na categoria Jovem Talento para receber a Comenda. Já, na categoria Master, houve um empate e as agraciadas foram as pesquisadoras Maria Paula Cruz Schneider e Ima Célia Guimarães Vieira.          

Seleção - As indicações poderão ser enviadas por meio de mensagens para as páginas da Sectet no Facebook e Instagram  (/sectetpa e @sectetpa).

 

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Manutenção corretiva neste sábado (14)

Prodepa - sex, 13/03/2020 - 17:45
13/03/2020 - 17:45
Categorias: Notícias

Roda de conversa mobiliza comunidade e alunos no território do Icuí-Guajará

Sectet - sex, 13/03/2020 - 12:18
13/03/2020

Com uma significativa participação de moradoras e moradores, gestores do Projeto Meu Endereço, membros da Escola Fazendária da Secretaria da Fazenda do Pará e a dinâmica participação dos alunos da Escola Maria de Nazaré Marques Rio, localizada na Rua São Pedro, no bairro Icuí-Guajará, em Ananindeua, ocorreu na última quinta-feira, 12 de março, pela parte da manhã, mais uma Roda de Arte, Cultura e Diálogos.

A atividade envolveu encenações teatrais, músicas autorais e narrativas artísticas que articulam uma dinâmica de reflexão sobre a intimidação, estigmas e conflitos no direito à moradia, além de debater temas como IPTU, união estável, direito de passagem, direito de propriedade, violência urbana e a importância da participação da comunidade em defesa dos seus direitos e no cumprimento dos seus deveres.

A Roda é uma ação do Projeto “Meu Endereço: lugar de paz e segurança social”, que integra o Programa TerPaz do Governo do Estado do Pará, coordenado pela Secretaria de Estado de Articulação da Cidadania (SEAC). Para a moradora do bairro Flávia do Socorro, a roda de conversa foi uma experiência muito animada.

“Aprendi muitas coisas que ficarão marcadas para mim pelas jornadas da vida, em especial os conflitos de vizinhança. Moro num cômodo de alvenaria, dividido no meio, e com um banheiro no interior. Tenho dois filhos. Perto da minha casa tem muito som alto. Essa realidade afeta o sono e demonstra falta de respeito com os vizinhos. É muito ruim. A questão do IPTU também foi importante, pois ficou claro que quem pode menos, paga menos. Quem pode mais, paga mais. Fiquei feliz em participar”, destacou com um sorriso de alegria.

Texto e fotos: Kid Reis/Ascom CRF-UFPA

Categorias: Notícias

ProTV transmite eventos da Escola de Governança do Estado

Prodepa - sex, 13/03/2020 - 12:02
13/03/2020 - 12:00

 

A equipe do #ProTV da Prodepa fez mais duas transmissões relevantes: A primeira foi o “Esquenta da Semana de Inovação”, programação realizada dia 6/03 e que marcou o início da primeira fase do “1º Prêmio Inova Servidor”. A segunda foi “Inovação em Bibliotecas: desafios e oportunidades”, evento realizado ontem para celebrar o Dia do Bibliotecário. Os dois eventos foram promovidos pela Escola de Governança Pública do Estado (EGPA) e realizadas na sede do órgão.

 

Categorias: Notícias

Divulgados os candidatos aptos à segunda fase de seleção do curso técnico em saúde bucal

Sectet - sex, 13/03/2020 - 09:01
13/03/2020

Foram divulgados, nesta sexta-feira (13), os nomes dos 60 selecionados para participarem de entrevista que vai definir os nomes dos 40 alunos do curso técnico em saúde bucal, oferecido pela Secretaria de Ciência, e Educação Profissional e (Sectet). O curso será executado pela Universidade Federal do Pará (com interveniência da Fundação de Amparo ao Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp)por meio do Convênio de Cooperação Técnica assinado entre as instituições.

No total foram realizadas 1.513 inscrições, no período de 4 a 6 de março, para as 40 vagas ofertadas. As justificativas que mais se enquadravam aos objetivos do curso totalizaram essas 60 pessoas que agora passarão por entrevistas com os professores da Faculdade de Odontologia da UFPA.

O curso, de caráter teórico-prático, tem o objetivo de proporcionar a educação profissional em saúde bucal, no nível habilitação profissional de Técnico de Saúde Bucal. São 1.200 horas de carga horária, das quais 150 serão destinadas a estágios de aprendizagem, orientados e supervisionados pela Universidade.

As aulas serão divididas em quatro módulos no período de 18 meses. O conjunto de módulos corresponderá à habilitação profissional, com direito a diploma de Técnico em Saúde Bucal de Nível Médio, desde que comprovada a conclusão do Ensino Médio, em estabelecimento de ensino regular legalmente reconhecido.

Confira a lista com os nomes AQUI.

Serviço: Os selecionados nesta primeira fase deverão aguardar o contato da Faculdade de Odontologia que marcará dia, horário e local das entrevistas.

 

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Páginas