• White/Preto
  • Padrão

Current Style: Padrão

Governo do Estado do Pará

Você está aqui:

Parceria

Sectet - qua, 13/06/2018 - 13:13
Informações: 

Categorias: Notícias

Deficientes terão carteira com QR Code para assegurar direito ao transporte intermunicipal

Prodepa - ter, 12/06/2018 - 15:12
12/06/2018 - 15:00

A Agência de Regulação e Controle dos Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon) inicia, na próxima segunda-feira, 11 de junho, o recadastramento para emissão gratuita da nova carteira para portadores de deficiência. O documento terá a utilização de QR Code, diminuindo o número de falsificações e garantindo o acesso gratuito dos cerca de 40 mil usuários ao transporte intermunicipal de forma moderna e segura. 

O novo modelo de carteira é uma iniciativa pioneira nos estados brasileiros. As empresas poderão utilizar o QR Code para identificar os usuários cadastrados. “Se as informações desse cadastro aparecerem na leitura do QR Code é porque a carteira é válida. Dá essa segurança para a empresa e para a pessoa com deficiência, porque ela vai deixar de disputar a vaga com uma pessoa que não tem deficiência, o que muitas vezes ocorre por conta da falsificação”, pontua o diretor geral da Arcon, Bruno Guedes. 

A Empresa de Tecnologia, Informação e Comunicação do Estado (Prodepa) foi responsável pela criação do aplicativo e será responsável pela sistematização das informações recolhidas pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa). Além desses dois órgãos parceiros, a Arcon conta com o apoio do Plano Existir, do Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC), que fará a mobilização das pessoas com deficiência para que busquem o recadastramento.

“O direito já existe, a gratuidade. O que vai mudar é o documento, que essa pessoa com deficiência vai ter a obrigação de portar. Primeiro, uma junta médica da Sespa faz a perícia desse usuário, identifica que ele é um portador de deficiência. Depois, as informações são encaminhadas para a Prodepa, que nos repassa. Por fim, o documento é entregue pela Sespa”, explica.

Tecnologia acessível

O aplicativo que reúne as informações dos usuários é o Siga, e já está disponível nas plataformas para download. Não será preciso internet para acessar o aplicativo. “É importante frisar isso, porque sabemos que em algumas posições do Estado temos dificuldade de acesso à internet. Então a pessoa pode embarcar em qualquer lugar do Estado que o app vai funcionar”, informa. 

“O aplicativo vai ler o QR Code e descriptografar os dados, e a partir daí, reproduzir na tela as informações. Um processo que garante toda a segurança, porque todas as informações que estarão no QR Code terão que bater com as que, de fato, estarão na carteira. E isso dificulta uma fraude”, explica Alan Amaral, responsável pelo projeto.

“O grande diferencial desse aplicativo é que ele não traz a necessidade de estar on-line. Nem todos os municípios possuem internet. Mas, a Arcon, em qualquer município, mesmo distante, vai poder saber se o usuário, de fato, tem direito àquela gratuidade. E o aplicativo Siga vai possibilitar também à Arcon maior controle do número de usuários deficientes que utilizam o transporte intermunicipal. Vamos possibilitar uma gestão de todos os números”, destaca Evandro Paes, gerente de Engenharia de Sistemas da Prodepa.

O serviço é 100% custeado pela Arcon. Bruno Guedes conta que essa ação se deu a partir das reivindicações das associações e movimentos de pessoas com deficiência, que apontaram o alto índice de falsificação. Segundo essas organizações, muitos portadores de deficiência chegavam para embarcar e eram informados que já havia atingido o número destinado a estes usuários no transporte. “Chegamos à conclusão que precisávamos dar mais segurança. Identificamos que a segurança da informação era um dos principais motivos, então procuramos a Prodepa”, concluiu.  

Benefício ampliado

A carteirinha poderá ser usada tanto no transporte terrestre, quando no hidroviário, em todos os 144 municípios do Estado do Pará. Se for identificado, durante a avaliação da junta médica da Sespa, que o usuário precisa de auxílio para locomoção, essa informação irá para a carteirinha e a gratuidade se estenderá também ao acompanhante da pessoa portadora de deficiência.

O documento irá trazer, além do QR Code, a foto do beneficiário. Uma empresa terceirizada já foi contratada e está providenciando o software para a instalação do programa. O aplicativo será instalado nos celulares dos fiscais, cobradores e operadores.

O recadastramento dos deficientes que utilizam o transporte público começa em Barcarena, nesta segunda-feira. O calendário segue por outras cidades polo, entre elas Santarém, Marabá e Altamira. As novas carteiras devem ser entregues já no segundo semestre de 2018.

Por Syanne Neno

Categorias: Notícias

Décima edição da Revista Ver-a-Ciência já está disponível

Sectet - sex, 08/06/2018 - 13:57
08/06/2018

Já está disponível, na internet, a versão digital da décima edição da Revista Ver-a-Ciência. Publicado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), o periódico semestral é um dos eixos estruturantes da política de incentivo à disseminação e à popularização da Ciência, Tecnologia e Inovação no Pará. A publicação traz informações a respeito de ações, projetos e eventos realizados entre os meses de janeiro a junho de 2018.

A entrevista, dessa vez, foi realizada com o diretor de educação profissional e tecnológica da Secretaria, Luís Blasques. Ao longo da seção, ele mostra os avanços e resultados do Programa Pará Profissional, além de explicar o que ainda será desenvolvido neste ano.

A matéria de capa aborda a inauguração do Espaço Empreendedor, um ambiente de 3.500 m² criado para estimular um ambiente avançado de inovação em Belém, na medida em que destinado à instalação e ao desenvolvimento de empresas e startups dentro do complexo arquitetônico do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá), somando-se a outros ambientes ali já construídos e em funcionamento.

Outra matéria desta edição destaca as ações e metas da Organização Social BioTec Amazônia, contratada pela Sectet, por meio de chamada pública, para gerir o programa paraense BioPará, o qual incentiva o uso econômico sustentável e inovador da biodiversidade amazônica. A BioTec Amazônia corresponde a mais uma inovação na forma de gestão e governança dos recursos públicos dentro do estado, visando a eficiência e os resultados dos investimentos.

Mais uma pauta da revista é o Desafio InovaTur, ação realizada de forma conjunta entre Setur e Sectet, em parceria com a Agência de Inovação Tecnológica da UFPA (Universitec) e o PCT Guamá. O Desafio teve o objetivo de encontrar soluções tecnológicas inovadoras para o desenvolvimento de projetos direcionados à promoção do estado do Pará enquanto destino turístico. As três propostas vencedoras foram conhecidas no dia 18 de maio dentro da programação da Feira do Empreendedor, organizada pelo SEBRAE.

Já, na seção “Caso de Sucesso”, pode-se perceber como a Emater-Pará otimiza as atividades produtivas dos agricultores e suas famílias, além de estimular as iniciativas de agro-industrialização, na busca de processos tecnológicos adequados, melhoria de qualidade do alimento e expansão das oportunidades de geração de ocupação e renda e emprego, por meio do projeto “Frutificando Saberes e Sabores”.

A Revista ainda apresenta matérias sobre: o projeto “Sexta com Ciência”, que promove debates atuais e pertinentes sobre como a ciência, a tecnologia, a inovação e a qualificação profissional podem contribuir para o desenvolvimento do Pará, em especial das cadeias produtivas priorizadas pelo Plano Estratégico “Pará 2030”; o curso de especialização em Gestão em CT&I e EPT, ofertado a servidores públicos da área; a execução das atividades do projeto “Fortalecimento das cadeias produtivas da biodiversidade no município do Acará”, fruto de convênio entre SECTET e IFPA-Castanhal.

Por fim, a seção “Memória” homenageia o geólogo, professor, diretor e membro da Academia Brasileira de Ciências, Roberto Dall’agnol, gaúcho que trabalha no Pará há 45 anos em favor do desenvolvimento da região amazônica.

Serviço: Esta e as outras edições da Revista Ver-a-Ciência estão disponíveis AQUI.

Texto: Fernanda Graim – Ascom/Sectet

Categorias: Notícias

Secretário do Ministério da Ciência e Tecnologia visita o PCT Guamá em Belém

Sectet - qui, 07/06/2018 - 14:39
07/06/2018

O secretário Nacional de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Álvaro Prata, visitou o Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá nesta quarta-feira (6). Durante o encontro, Álvaro Prata passou pelo Laboratório de Engenharia Biológica (Engebio), pelo Centro de Valorização de Compostos Bioativos da Amazônia e pelo Laboratório de Óleos da Amazônia e conheceu as atividades propostas e realizadas por essas unidades de pesquisa.

No auditório do Espaço Inovação, o secretário ministrou a palestra “Possibilidades de Apoio do MCTIC às Instituições de Educação Superior e de Pesquisa no Estado do Pará”, na qual destacou a importância da relação entre educação, inovação e ciência.

“Não podemos nunca descuidar da importância do investimento na educação, pois isso sempre gera grandes frutos. É preciso avançar constantemente na produção do conhecimento com inovação e oferecer condições para que a sociedade evolua. Não há ciência sem educação e não há tecnologia sem ciência, bem como não existe inovação sem tecnologia. Essa relação é uma cadeia, um processo constante”, destacou Prata.

Durante a manhã, no Espaço Empreendedor do PCT Guamá, Álvaro Prata teve reunião técnica com a equipe da BioTec Amazônia e da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). Na ocasião, o titular do órgão, Alex Fiúza de Mello, fez a apresentação do trabalho que o Governo do Pará vem desenvolvendo na área de ciência, tecnologia, inovação e qualificação profissional no estado, no sentido de criar bases legais e estruturais para a consolidação das políticas públicas paraenses na área.

O secretário enfatizou a importância de saber usar os aparatos científicos e tecnológicos, no intuito de potencializar as cadeias produtivas paraenses, enfatizando o uso sustentável dos recursos naturais. “Na Amazônia, o uso da biodiversidade tem uma perspectiva estratégica, temos que ter total atenção com o uso inteligente, gerando uma economia sustentável”, explicou.

Durante a reunião, o consultor da BioTec Amazônia, Israel Ferfeman, apresentou o planejamento estratégico da organização social, suas estratégias, desafios e perspectivas. A BioTec-Amazônia foi selecionada, no final de 2017, por meio de edital de chamamento público, para gerir o programa paraense de incentivo ao uso sustentável da biodiversidade amazônica, o BioPará.

Considera-se “gestão do BioPará” um sistema inteligente de governança, voltado ao estímulo e apoio ao planejamento e desenvolvimento de uma economia dinâmica, fundada no uso sustentável da biodiversidade, com a devida e adequada base científica e tecnológica.

Estiveram presentes na reunião: Seixas Lourenço (diretor presidente), Sibele Caetano (diretora Administrativo-Financeira), Manoel Tourinho (assessor técnico), Luiz Antônio Barreto de Castro (consultor), Israel Ferfeman (consultor), Hélio Gomes (Inteligência Competitiva) e Sérgio Alves (assessor técnico) pela BioTec. Além de Alex Fiúza de Mello (secretário de Estado), Maria Amélia Enriquez (secretária adjunta), Marco Antonio Silva Lima (diretor de Ciência e Tecnologia) e Luiz Carlos Macedo Blasques (diretor de Educação Profissional e Tecnológica) pela Sectet.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet) com informações da Ascom/PCT Guamá

Categorias: Notícias

Sectet realiza Encontros de Educação Profissional em maio e programa os de junho

Sectet - ter, 22/05/2018 - 10:07
18/05/2018

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), realizou, em maio, mais três edições do “1º Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica”. O objetivo da Sectet ao realizar o evento em cada uma das 12 Regiões de Integração do estado é discutir, de forma conjunta, a execução do Programa Pará Profissional como experiência de política pública para o desenvolvimento inter-regional, por meio da qualificação profissional.

No dia 3 de maio, a equipe da Secretaria realizou o Encontro na Região Rio Caeté, tendo Bragança como sede. Em seguida, no dia 15, foi a vez da Região de Carajás receber o evento, sendo Canaã dos Carajás o município sede. Já, em 17 de maio, o debate se deu na Região Araguaia, onde a sede foi Xinguara.

Uma das principais abordagens do Encontro é disseminar a conscientização da importância em agregar conhecimento, destacando os benefícios de uma boa qualificação profissional e de como é determinante estar atualizado no que diz respeito às possibilidades de ser capacitado para o mercado de trabalho.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (Pnad) Contínua, e os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Pará atingiu de janeiro a março de 2018, a taxa de 458 mil pessoas desempregadas.

Com base nisso, vale ressaltar que a qualificação é a válvula propulsora para alcançar um emprego. O Programa Pará Profissional busca influenciar positivamente os jovens e adultos que residem nas regiões de integração do estado, dando a eles a chance de receber por meio do conhecimento, qualificação para que possam ser contratados por empresas sérias ou mesmo adquiram conhecimento e experiência para desenvolverem o próprio negócio.

O ciclo de Encontros iniciou em abril, e abrangeu duas regiões de integração. O primeiro foi realizado na Região Lago de Tucuruí, tendo como sede o município de Tucuruí, e o segundo na região Rio Capim, sendo o município de Ulianópolis a sede do evento.

Em junho, ocorrem os Encontros referentes às demais Regiões de Integração. No dia 8 de junho, será realizado o do Baixo Amazonas e Tapajós, tendo Santarém como sede. Já, no dia 13, é a vez do Marajó, onde a sede será Breves e do Xingu, que ocorrerá em Brasil Novo. Por fim, no dia 26, serão contempladas as Regiões do Guajará, Guamá e Tocantins, tendo sede em Belém.

Pará Profissional - O programa Pará Profissional foi instituído pela Lei no 8.427, de 16 de novembro de 2016, descrito como um dos principais instrumentos de superação das desigualdades inter-regionais, com a finalidade de ofertar educação profissional e tecnológica nas diversas modalidades a fim de consolidar, ampliar e verticalizar as cadeias produtivas aos eixos prioritários de desenvolvimento no Estado. A coordenação do programa foi determinada à Sectet.

Texto: Maryane Brito (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Desafio InovaTur premia propostas para alavancar o turismo no Pará

Sectet - seg, 21/05/2018 - 09:22
21/05/2018

Aplicativos, plataformas e jogos digitais que façam paraenses e turistas passear pelo Pará em suas mais diversas roupagens, seja o Pará de história e rica cultura, o de aventuras, o de belezas naturais ou de eventos profissionais e sociais. No total, nove propostas para alavancar o turismo no estado foram conhecidas durante a última etapa do Desafio InovaTur, ocorrida na noite desta sexta-feira (18), dentro da programação da Feira do Empreendedor, organizada pelo Sebrae, no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.

O Desafio InovaTur é uma ação conjunta das Secretarias de Estado de Turismo (Setur) e de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), em parceria com a Agência de Inovação Tecnológica da UFPA (Universitec) e o Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá.

O secretário adjunto de turismo, Joy Colares enfatizou a necessidade de se valorizar o turismo como atividade geradora de renda para a população, além de divulgar o estado do Pará de uma forma mais atual. “A divulgação do turismo de forma tradicional, por meio de exposições em eventos da área, por exemplo, é muito dispendiosa, precisamos de soluções digitais, modernas. Iniciamos esta história na divulgação do turismo no Pará e é por isso que estamos aqui, precisamos que várias atividades e setores ganhem com o turismo”, explicou.

O Desafio, lançado em dezembro de 2017, foi aberto a estudantes, profissionais, entusiastas ou qualquer pessoa com interesse nos temas empreendedorismo e inovação com talento para o desenvolvimento de soluções inovadoras para alavancar o alcance promocional dos produtos e regiões turísticas do estado aos níveis regional, nacional e internacional; buscar novos modelos e soluções para a gestão do turismo no Pará; e promover o empreendedorismo na área.

Ao todo, 59 propostas foram recebidas, das quais 14 foram selecionadas para a fase de capacitações, sendo que apenas nove atenderam às regras para se apresentarem no dia da premiação,quando as equipes tiveram cinco minutos para expor oralmente suas propostas – o chamado pitch – a uma comissão formada por cinco jurados, representando as instituições organizadoras e parceiras.

A proposta intitulada “Bem-te-vi Pará” foi a grande campeã da noite. “A ideia é trabalhar como turismo de forma segmentada, o turismo está ainda muito disperso, algumas pessoas vêm ao Pará para um turismo ecológico, outras para um turismo de aventura, turismo de negócios, então pensamos em como fazer com que essas pessoas sejam bem atendidas. O objetivo do projeto é termos um aplicativo com um serviço personalizado de forma que sejam apresentados a cada pessoa pacotes turísticos de acordo como o perfil”, explicou um dos autores do projeto, Arley Pinheiro.

A comissão julgadora ainda elegeu em segundo lugar a proposta do “Zarpar Pará”, aplicativo para facilitar as informações a respeito do transporte hidroviário, gastronomia, pontos turísticos do Estado. Já, em terceiro lugar, ficou a proposta do aplicativo “Quero Saber”, que vai oferecer, por meio de QR Code, rotas personalizadas para o turista.

Os vencedores receberam uma premiação em dinheiro no valor de R$ 10.000, 00 (dez mil reais) para o primeiro colocado; R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para o segundo; e R$ 3.000,00 (três mil reais) para o terceiro lugar. Além disso, os premiados ainda receberão três meses de hospedagem no Espaço de Coworking do PCT Guamá, com apoio e orientações para amadurecer as ideias.

Ao todo os proponentes selecionados passaram por três capacitações no processo de nivelamento. A primeira delas ocorreu no dia 26 de abril, na Setur, quando se abordou o Plano Estratégico de Turismo do Estado do Pará. A segunda ocorreu no dia 27 de abril, na sede da Sectet, e abordou o tema “Empreendedorismo e inovação”. Por fim, a última ocorreu nos dias 3 e 10 de maio, na sede da Universitec. Nessa última, os candidatos selecionados passaram por uma simulação do pitch.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet) 

Categorias: Notícias

Pecuária sustentável é tema da quarta edição do “Sexta com Ciência”

Sectet - sex, 18/05/2018 - 13:26
18/05/2018

Promover uma discussão a respeito de assuntos concernentes à pecuária sustentável no Pará, e como as ferramentas tecnológicas podem contribuir para otimizar os recursos pecuaristas e dar suporte a quem trabalha no setor. Esse foi o principal objetivo do debate ocorrido, na manhã desta sexta-feira (18), na sede da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), em Belém, que configurou a realização da quarta edição do projeto “Sexta com Ciência”, organizado pelo órgão.

O “Sexta com Ciência” se caracteriza como uma série de debates sobre temas importantes que visam o desenvolvimento do Pará a partir do espírito inovador, da prática científica e do uso da tecnologia em favor da redução das desigualdades sociais.

A quarta edição do evento reuniu servidores públicos, instituições parceiras, pesquisadores da área, empresários, representantes da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), da Universidade Federal do Pará (UFPA), da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), do Sindicato de Produtores de Carne e Derivados e outras entidades ligadas ao setor pecuarista.

A pecuária sustentável destaca-se como uma das cadeias estratégicas dentro do plano de desenvolvimento do Estado, denominado Pará 2030. Durante o evento, a adjunta da Sectet, Maria Amélia Enríquez, mostrou os números relacionados à pecuária no Pará. De acordo com dados da Adepará, o rebanho paraense já supera os 22 milhões, sendo o 3º maior efetivo do país.

Além disso, a cadeia da pecuária está presente em todos os municípios paraenses, sendo que em 52 deles se destaca como uma das atividades econômicas predominantes. Em 2014, o estado do Pará conquistou a Certificação Internacional de Área Livre de Aftosa por meio da vacinação e, com isso, os produtores paraenses passaram a ter acesso a novos mercados nacionais e internacionais.

Entretanto, é necessário pensar em formas de melhorar a qualidade do rebanho paraense e aumentar a produtividade, acima de tudo de forma sustentável. Nesse ponto, o foco da discussão foi observar quais são os aparatos tecnológicos e inovadores que podem contribuir para que o Pará alcance esse objetivo.

Para a pesquisadora da Embrapa, Luciana Brito, o momento atual, no Brasil e no mundo, exige uma pecuária sustentável. “Essa sustentabilidade é tanto econômica, quanto ambiental e social, então precisamos de todo o suporte tecnológico para o setor pecuário para que tenha um bom alicerce e que, cada vez mais, ganhe mercado, mas mercado de qualidade, não de quantidade, esses mercados, que estão em um patamar superior, exigem que estejamos totalmente alinhados ambientalmente e socialmente para termos os ganhos econômicos vindos da atividade”, enfatizou.

A construção de uma atividade pecuarista sustentável no Estado perpassa pelo planejamento do uso do solo e restauração florestal de áreas desmatadas ilegalmente ou que não têm aptidão agropecuária. O desenvolvimento da cadeia traz sinergias ambientais e socioeconômicas e é a chave para o crescimento econômico do Pará.

Nesse sentido, a professora da UFRA e coordenadora do grupo Grupo de Estudos em Pecuária Sustentável na Amazônia, Natália Barbosa, observou que há uma demanda cada vez mais urgente pela melhoria da pecuária paraense. Ela apontou alguns desafios, em termos de ciência, tecnologia e inovação (CT&I), para esse avanço, entre eles a necessidade do fomento à manutenção de equipamentos; da aproximação entre a academia e o setor produtivo; de estimular a inovação e registros de patentes e softwares; além de estabelecer o Pará como centro inovador na Pecuária.

Para a professora, debates como os organizados pela Sectet “são fundamentais para haver o alinhamento das ideias e uma atuação de forma conjunta para solucionar os problemas, em vez de ter várias ações pulverizadas, concentramos os esforços e realizamos uma ação realmente impactante, é fundamental a Secretaria promover isso”.

O representante do Sindicato de Produtores de Carne e Derivados, Daniel Freire, concordou e enfatizou a necessidade de se buscar sempre o melhoramento do rebanho. “O pecuarista evoluiu e melhorou muito geneticamente em peso, porém em qualidade ainda precisa atingir um nível melhor, por isso a sinergia desses debates é muito importante”, pontuou. 

Aparato Tecnológico

No que diz respeito à contribuição da Ciência, Tecnologia e Inovação para a melhoria da qualidade do rebanho, destaca-se que o estado do Pará já dispõe de instituições e equipamentos necessários para apoiar a cadeia da pecuária a dar este salto tecnológico e qualitativo tão necessário. Além das Universidades públicas – Ufra, Uepa UFPA e IFPA – e Centros de Pesquisa, como a Embrapa, o Estado tem um arcabouço legal e espaços de inovações, como o Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá.

O PCT é o primeiro parque tecnológico da Amazônia, com laboratórios qualificados, tanto para auxiliar no melhoramento genético da produção animal, na melhoria dos insumos para aprimoramento da qualidade da carne, como no aperfeiçoamento e qualificação da produção leiteira, devido à instalação, em 2017, do laboratório da qualidade do leite, preparado para certificar o leite produzido na Região Norte, além de realizar outros serviços importantes para a criação de estratégias de agregação de valor ao leite, com a diversificação e adensamento de valor na produção.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Nova Lei da Biodiversidade é discutida em Seminário na Feira do Empreendedor 2018

Sectet - qui, 17/05/2018 - 16:02
17/05/2018

A manhã desta quarta-feira, 16, reservou um grande debate acerca do novo marco legal da biodiversidade, o qual é amparado pela Lei nº Lei nº 13.123, de 2015, e pelo Decreto nº 8.772, de maio de 2016. Diversos produtores e empresários paraenses e representantes de sindicatos e cooperativas regionais compareceram ao seminário “Nova Lei da Biodiversidade e acesso ao patrimônio genético: implicações para quem usa recursos florestais do Pará”, com o objetivo de conhecer a Lei e esclarecer as dúvidas sobre as implicações que ela traz a todos que estudam, usam ou extraem recursos naturais ligados à cadeia da Biodiversidade.

O evento ocorreu no Hangar, durante a programação da Feira do Empreendedor 2018, e surgiu a partir de uma iniciativa da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) e do Sebrae no Pará. A realização do Seminário contou com diversos parceiros, entre eles o Sindicato das Indústrias de Produtos Químicos, Petroquímicos, Farmacêuticos e de Perfumaria e Artigos de Toucador do Estado do Pará (Sinquifarma) e a Agência de Inovação Tecnológica da UFPA (Universitec).

“A cadeia da Biodiversidade é tão especial que criamos, no âmbito governamental, um programa específico voltado para trabalhar a agregação de valor às cadeias produtivas da biodiversidade estadual e regional, por meio de pesquisa e desenvolvimento e de prospecção de negócios inovadores no setor. O programa se chama BioPará e o nosso anseio é que ele transforme o Pará em uma referencia internacional no setor da Biodiversidade, e, para isso, é fundamental conhecer o aparato legal que o rege” explicou a secretária adjunta da Sectet, Maria Amélia Enriquez, que abriu a programação do seminário.

Em seguida o analista do Sebrae, José Augusto Cantuária, apresentou os resultados do Projeto Estruturante Cosmético de Base Florestal da Amazônia, o qual finalizou em 2017 e teve como objetivo estudar os  aspectos limitantes da cadeia de cosmético na Amazônia para possibilitar melhorias e uma atuação de forma mais eficiente das micro e pequenas empresas do setor. Um dos resultados do projeto foi a elaboração de um vídeo e uma cartilha, com linguagem facilitada, acerca dos conceitos trabalhados na Lei da Biodiversidade e sobre o sistema digital disponibilizado pelo Ministério do Meio Ambiente, o SisGen.

A Lei – O marco legal da Biodiversidade dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético (entendido como a pesquisa ou desenvolvimento tecnológico realizado sobre amostra de patrimônio genético), sobre a proteção e ao acesso ao conhecimento tradicional associado e sobre a repartição de benefícios para conservação e o uso sustentável da biodiversidade. No Seminário, os detalhes da Lei foram apresentados pelo professor e advogado, Luiz Marinello.

Dentre os assuntos, Marinello falou sobre o sistema digital SisGen, destacando a importância dele aos que trabalham com a cadeia da biodiversidade. “O cadastro na plataforma é obrigatório e deve ocorrer antes do processo de comercialização dos produtos oriundos da biodiversidade. Há sanções de até 10 milhões de reais para aqueles que não se cadastrarem”, alerta o advogado. 

O produtor Raimundo Abreu, ligado à Cooperativa de Fruticultores de Abaetetuba (COFRUTA), compareceu ao Seminário e destacou a importância dele para seu trabalho. “É um evento para buscar mais conhecimentos, principalmente no que diz respeito à repartição de benefícios com as comunidades, prevista em Lei. Fiquei sabendo aqui, por exemplo, que existe modalidade de repartição de benefícios e, quando monetária, o pagamento será feito à União, por meio do Fundo Nacional de Repartição de Benefícios (FNRB)”, afirmou o produtor.

Os participantes do Seminário puderam, também, se inscrever previamente em um curso de capacitação que está sendo preparado pela Sectet para o uso do SisGen, o qual deve ocorrer em agosto deste ano no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá). 

Texto: Igor de Souza – Ascom Sectet

 

Categorias: Notícias

Desafio InovaTur premia propostas inovadoras para o turismo no Pará

Sectet - sex, 11/05/2018 - 11:21
11/05/2018

Na próxima sexta-feira (18), serão conhecidas as propostas vencedoras do Desafio InovaTur, ação conjunta das Secretarias de Estado de Turismo (Setur) e de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), em parceria com a Agência de Inovação Tecnológica da UFPA (Universitec) e o Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, para buscar soluções inovadoras à promoção do estado do Pará enquanto destino turístico.

O Desafio foi aberto a estudantes, profissionais, entusiastas ou qualquer pessoa com interesse nos temas empreendedorismo e inovação com talento para o desenvolvimento de soluções inovadoras para alavancar o alcance promocional dos produtos e regiões turísticas do estado aos níveis regional, nacional e internacional; buscar novos modelos e soluções para a gestão do turismo no Pará; e promover o empreendedorismo na área.

Ao todo, 59 propostas foram recebidas, das quais 14 foram selecionadas para a fase de capacitações, sendo que 11 atenderam às regras para se apresentarem no dia da premiação, quando as equipes vão expor oralmente suas propostas à Comissão Julgadora. Os três melhores projetos serão premiados com o valor de R$ 10.000, 00 (dez mil reais) para o primeiro colocado; R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para o segundo; e R$ 3.000,00 (três mil reais) para o terceiro lugar. Os candidatos premiados ainda receberão três meses de hospedagem no Espaço de Coworking do PCT Guamá, com apoio e orientações para amadurecer as ideias.

Ao todo os proponentes selecionados passaram por três capacitações no processo de nivelamento. A primeira delas ocorreu no dia 26 de abril, na Setur, quando se abordou o Plano Estratégico de Turismo do Estado do Pará. A segunda ocorreu no dia 27 de abril, na sede da Sectet, e abordou o tema “Empreendedorismo e inovação”. Por fim, a última ocorreu nos dias 3 e 10 de maio, na sede da Universitec. Nessa última, os candidatos selecionados passaram por uma simulação do pitch.

Serviço: O pitch e a premiação ocorrerão no dia 18 de maio, às 17 horas, na sala multiuso 10 do Hangar, durante a programação da Feira do Empreendedor 2018, realizada pelo Sebrae.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Seminário abordará a nova Lei da Biodiversidade e o acesso ao patrimônio genético

Sectet - sex, 11/05/2018 - 08:44
11/05/2018

O novo marco legal da biodiversidade, amparado pela Lei nº 13.123, de 2015, e pelo Decreto nº 8.772, de maio de 2016, trouxe sérias implicações a todos que estudam, usam ou extraem recursos naturais ligados à cadeia da Biodiversidade, especialmente que tenham relação ao acesso ao patrimônio genético. Para contextualizar e debater sobre o tema, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) realizará na próxima quinta-feira, 17, das 9h às 13h, o Seminário “Nova Lei da Biodiversidade e acesso ao patrimônio genético: implicações para quem usa recursos florestais do Pará”.

O evento é destinado a produtores, empresários e representantes sindicais que lidam com empresas de fármacos, de alimentos, de extração madeireira, por exemplo, além de pesquisadores e demais interessados na temática sobre o acesso ao patrimônio genético. A realização do Seminário conta com diversos parceiros, entre eles o Sebrae no Pará, o Sindicato das Indústrias de Produtos Químicos, Petroquímicos, Farmacêuticos e de Perfumaria e Artigos de Toucador do Estado do Pará (Sinquifarma) e a Agência de Inovação Tecnológica da UFPA (Universitec).

A Lei – O marco legal da Biodiversidade dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético (entendido como a pesquisa ou desenvolvimento tecnológico realizado sobre amostra de patrimônio genético), sobre a proteção e ao acesso ao conhecimento tradicional associado e sobre a repartição de benefícios para conservação e o uso sustentável da biodiversidade. De acordo com a Lei, a remessa e o envio de amostra que contenha patrimônio genético para prestação de serviços no exterior deverão ser cadastradas em um sistema digital disponibilizado pelo Ministério do Meio Ambiente, o SisGen.

O seminário se dará a partir de um grande debate sobre o tema e sobre a plataforma criada, com consultores locais e nacionais de diversas instituições, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Museu Paraense Emílio Goeldi.  

“Com a criação do Programa BioPará, passamos a fazer mapeamentos tecnológicos da cadeia produtiva da Biodiversidade no Pará. Observamos, então, lacunas no que diz respeito ao entendimento do novo marco legal da Biodiversidade. Muitos, por exemplo, podem cometer infrações e estarem sujeitos a multas caras por terem dificuldades em lidar com a plataforma de cadastro criada. Por isso que, a partir deste Seminário que estamos realizando, iremos elaborar um curso de capacitação para usar a plataforma criada, o qual deve ocorrer ainda este semestre no Espaço Inovação do PCT Guamá”, complementa a secretária adjunta da Sectet, Maria Amélia Enriquez.  

Serviço: O evento é gratuito e compõe a programação da Feira do Empreendedor 2018, que ocorrerá do dia 16 a 19 deste mês, no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia.

Texto: Igor de Souza (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

PCT Guamá

Sectet - qui, 10/05/2018 - 13:21
10/05/2018

Empresários da área de tecnologia da informação visitam o PCT Guamá

Empresários paraenses do setor da Tecnologia da Informação (TI) conheceram as instalações do Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, nesta quarta-feira (9). A visita foi mediada pela secretária adjunta da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), Maria Amélia Enríquez.

De acordo com a secretária, a proposta da visita foi apresentar aos empresários do ramo de TI, o potencial do PCT enquanto espaço ideal para pequenos e grandes negócios e parceiro em pesquisa e desenvolvimentos para aqueles empreendimentos que desejam inovar no setor. “Queremos, cada vez mais, fazer a articulação entre o Parque e os empresários, e uma visita como essa, com os empreendedores conhecendo as instalações do espaço presencialmente, fortalece esse objetivo”, destacou a secretária.

 Durante o encontro, os participantes visitaram o Laboratório Maker Fab Lab Belém, o Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, Automação e Eletrônica (Lasse), algumas startups residentes no parque e a organização social Bio Tec-Amazônia.

Um dos empresários presentes foi Emanuel Estumano, sócio da empresa Vibe Desenvolvimento, empreendimento que atua no setor de softwares. De acordo com ele, a apresentação das instalações da Fundação Guamá é uma oportunidade para se pensar em outras possibilidades para o desenvolvimento da sua empresa.

“Conhecendo essas instalações, percebe-se como a relação entre pesquisas e o setor empresarial pode beneficiar o estado. As empresas locais podem se beneficiar conhecendo os serviços do PCT Guamá, até mesmo, se instalando nele”, considerou o empresário.

Categorias: Notícias

Rio Caeté recebe Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica

Sectet - seg, 07/05/2018 - 10:00
07/05/2018

Na manhã da última quinta-feira (3), a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) realizou mais um “Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica”. Desta vez, o evento ocorreu na Região Rio Caeté, tendo o município de Bragança como sede.

A região é a terceira a receber o ciclo de encontros que iniciou no dia 24 de abril na região Lago de Tucuruí, município de Tucuruí, e dia 26 de abril na região Rio Capim, no município de Ulianópolis.

Os encontros têm como principal intuito a discussão sobre a execução do Programa Pará Profissional como exercício e experiência de política pública de Educação Profissional e Tecnológica, bem como disseminar, nas 12 regiões de integração que agregam o estado, os benefícios de uma boa qualificação profissional e como é determinante estar sempre buscando novas oportunidades de capacitação para quem almeja uma vaga de emprego ou mesmo empreender.

O evento, que ocorreu no auditório do Senai, contou com a presença do diretor de Educação Profissional e Tecnológica da Sectet, Luís Blasques;  da coordenadora do Programa na Secretaria, Sônia Mendes; de representantes  da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL); do Sindicato dos Armadores de Pesca; do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar); do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac); do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai); das Associações locais; bem como de representantes dos municípios de Bragança, Augusto Corrêa, Capanema e Salinópolis.

O próximo encontro ocorrerá na região de Carajás no dia 15 de maio, e terá como sede o município de Canaã dos Carajás.

Certificações

 Certificação em Augusto Corrêa

Na visita à região Rio Caeté, foram realizadas certificações dos concluintes dos cursos do Programa Pará Profissional já realizados na região. No total, foram certificados 56 concluintes no município de Bragança, distribuídos nas turmas dos respectivos cursos: 19 egressos do curso de Design de Mechas, 23 do curso de Camareira - Técnicas de Limpeza e Arrumação e 14 do curso de Mecânico Manutenção de Motores Marítimos. A certificação ocorreu ainda na quinta-feira (3).

Dando continuidade à entrega dos certificados, na manhã de sexta-feira (4), no município de Augusto Corrêa, foram certificados 25 concluintes, sendo 10 da turma de Garçom e Garçonete e 15 da turma de Camareira - Técnicas de Limpeza e Arrumação.

As certificações contaram com as presenças de representantes da Sectet, das prefeituras de Bragança e Augusto Corrêa, do Senac, do Senai, da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), da Associação Comercial e do Sindicato de Armadores de Pesca da região.

Texto: Maryane Brito (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Ulianópolis sedia Encontro de Educação Profissional e Tecnológica

Sectet - sex, 27/04/2018 - 08:59
27/04/2018

A Região de Integração do Rio Capim foi a segunda a receber, nesta quinta-feira (26), o “I Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica”, organizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). Realizado no Centro de Convenções de Ulianópolis, o evento tem o objetivo de discutir, de forma conjunta, a execução do Programa Pará Profissional como experiência de política pública para o desenvolvimento inter-regional, por meio da qualificação profissional.

A cidade de Ulianópolis foi escolhida estrategicamente para sediar o evento devido à grande participação no Pará Profissional. O município foi um dos primeiros a aderir ao Programa, quando a Prefeitura instalou, em 2016, o 1º Comitê Gestor Intersetorial de Apoio à Educação Profissional e Tecnológica de Ulianópolis (CGIU).

Até março de 2018 mais de 600 pessoas foram certificadas, em 32 cursos ofertados na Região do Capim. Dentre os cursos destacam-se os dos setores da agricultura, da pecuária, do turismo, da gastronomia e de açúcar e álcool. 

Expansão - “O papel do Estado no âmbito do Pará Profissional foi o de transformá-lo em lei e construir o seu modelo de execução. Agora, ele deve ser abraçado pela sociedade por meio de parcerias, expandindo a sua forma de governança. Por isso a importância dos comitês regionais, como o daqui de Ulianópolis, pois eles são os principais responsáveis por coletar as reais demandas de qualificação profissional da região”, destacou o titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello, durante a cerimônia de abertura do Encontro, que contribuirá, também, para o levantamento de demandas de vagas para as ofertas de cursos profissionalizantes na Região do Rio Capim.

Na primeira parte do evento, representantes de instituições públicas e privadas, entidades de classe, associações, professores e estudantes tiveram acesso a um panorama do cenário de qualificação profissional e empregabilidade na região. Na ocasião, a prefeita de Ulianópolis, Neusa Pinheiro, destacou que “só a educação pode mudar o mundo, por isso o nosso município abraça este evento e o Programa Pará Profissional, pois observamos que é uma política pública transformadora para a sociedade paraense”

A segunda parte do encontro abordou a metodologia “SWOT”, de domínio público, que auxilia a mensurar as influências internas e externas, sejam elas favoráveis ou desfavoráveis, ao processo de qualificação profissional no município. O resultado da dinâmica ajudará a criar um plano de ação integrado e mais eficaz à execução do Programa na região. A previsão é que mais de 300 vagas, distribuídas em 17 cursos de qualificação profissional, sejam abertas na Região do Capim ainda este ano.

Certificação - O evento foi encerrado com a certificação de mais de 110 egressos de sete cursos do Pará Profissional, dentre os quais Pedreiro refratário, Pintor industrial, Vendedor, Assistente administrativo e Corte masculino com máquina. Os cursos foram ofertados por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), duas das unidades executoras do “Pará Profissional”.

“O mercado de trabalho está competitivo ao extremo, por isso capacitação profissional é fundamental para alcançarmos melhores resultados na vida. No âmbito social, por exemplo, o curso me proporcionou aprender, principalmente, a como tratar bem as pessoas com as quais convivemos no cotidiano. Espero seguir a profissão”, declarou Sirley dos Santos, concluinte do curso de Porteiro e vigia.

Os encontros continuarão nas demais regiões de Integração do Estado nos próximos meses. No dia 3 de maio, a equipe do Pará Profissional estará na Região Rio Caeté, em Bragança, nordeste do Pará.

Texto: Igor de Souza (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Tecnolago

Sectet - qui, 26/04/2018 - 14:24
26/04/2018

Sectet apoia implantação do ambiente de inovação do Lago de Tucuruí

Na noite da última terça-feira (24), a secretária adjunta e mais quatro servidores da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) se reuniram, em Tucuruí, com pesquisadores, professores, estudantes, representantes da iniciativa privada, do Sistema S, do Banco da Amazônia, de secretarias municipais e estaduais no intuito de balizar a política de implantação de um ambiente de inovação na Região, que seria o Parque Tecnológico do Lago de Tucuruí (Tecnolago), o qual surgiu como uma subunidade do Núcleo de Desenvolvimento Amazônico em Engenharia (Ndae) da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Para o diretor geral do Ndae, Aarão Ferreira Lima Neto, a debate sobre o assunto é de extrema importância. “Esse tipo de evento é que vai facilitar com que o Tecnolago aconteça, nós precisamos de todas as iniciativas, a participação de toda a sociedade porque o Parque é uma ferramenta para gerar emprego, implementar renda e trazer inovação e empreendedorismo para a região, então sem essas pessoas nós não teríamos como levar a frente. Estamos mais próximos de tirar o Tecnolago do papel”, comemora o diretor que explicou que o estatuto do Parque só aguarda a aprovação do Conselho Superior da Universidade.

Na oportunidade, a adjunta da Sectet, Maria Amélia Enríquez, apresentou os detalhes do Programa Inova Pará, amparado pela Lei no 8.426, de 16 de novembro de 2016, a qual dispõe sobre incentivos à inovação, à pesquisa científica e tecnológica e à engenharia não rotineira, além da política estadual de incentivos fiscais. O Inova Pará parte da premissa que, para romper com o modelo extrativista, presente na economia paraense, é indispensável que o Estado apoie a criação de Sistemas Regionais de Inovação (SRI) a fim de que propiciem suporte necessário à agregação de valor das cadeias produtivas estratégicas. Em sua concepção, o Programa acredita no potencial produtivo e inovador das distintas regiões do estado.

A Secretária destacou que os ambientes de inovação são um dos principais pilares da competitividade e de desenvolvimento socioeconômico regional. “É um grande desafio alavancar as cadeias produtivas tradicionais em um estado com dimensões continentais, não há outro caminho senão inovar no próprio território. A ideia da Secretaria é criar condições para a instalação de ambientes de inovação em cada uma das regiões de integração”, revelou.

Maria Amélia Enríquez explicou ainda que execução do Inova Pará se divide em cinco etapas: Identificação qualificada de demandas regionais; Concepção do Sistema a ser implantado; Implantação de fato; Gestão dos Sistemas Regionais de Inovação; e Acompanhamento e Avaliação de Resultados. Para a adjunta, a Região Lago de Tucuruí possui grandes potenciais na área de turismo e agronegócio, por exemplo, ainda pouco explorados.

Para o coordenador de apoio ao empreendedorismo e à inovação da Sectet, Wander de Oliveira, é importante trabalhar no sentido de levar o saber da academia para o setor produtivo e empresas, gerando emprego e renda para a região e, principalmente, melhorando a qualidade de vida das pessoas. “O papel da Sectet é justamente fazer essa aproximação”, esclareceu.

O representante de uma grande empresa instalada na região, Vinícius de Almeida revelou que, muitas vezes, simples inovações podem fazer toda a diferença na produção. “Gostei muito do que ouvi. A indústria é muito carente de conhecimento, às vezes um conhecimento básico, um funcionário bem qualificado, bom suporte de prestadores de serviços, podem contribuir bastante no processo”, enfatizou.

Implementação - Dentre as iniciativas já implementadas pelo Programa Inova Pará, a secretária adjunta destacou o Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, instalado em Belém, apontado como o locus de inovação no estado; o Centro de Pesca e Piscicultura do estado do Pará, localizado em Bragança; o Polo Científico-Tecnológico do Mar e Petróleo em Salinópolis; e a implantação de uma incubadora com atuação na região do Xingu.

O espaço em que o Tecnolago será instalado foi visitado pelos representantes da Secretaria na tarde do dia 24. Eles ficaram admirados com a área do lugar que está destinado à iniciativa e o potencial gerador de pesquisas e negócios que ele tem a desenvolver.

Encontro – Durante a manhã e tarde do dia 24, a equipe da Sectet também realizou, em Tucuruí, o “I Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica”, que teve o objetivo de discutir, de forma conjunta e articulada, a execução do Programa Pará Profissional, também coordenado pela Sectet, como experiência de política pública para o desenvolvimento inter-regional, inclusão produtiva e oportunidades de trabalho. O formato do Encontro será replicado nas demais regiões de integração do estado. Na Região Lago de Tucuruí, a Secretaria contou com a parceria da Prefeitura Municipal e do Comitê Gestor Intersetorial de Educação Profissional e Tecnológica de Tucuruí.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Encontro do Pará Profissional aponta avanços na qualificação para o mercado de trabalho

Sectet - qui, 26/04/2018 - 13:43
26/04/2018

Percorrer as 12 regiões de Integração do Estado para discutir, de forma conjunta e articulada, a execução do Programa Pará Profissional como experiência de política pública para o desenvolvimento inter-regional, inclusão produtiva e oportunidades de trabalho. Esse é o principal objetivo do I Encontro Estadual de Educação Profissional e Tecnológica, organizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). A primeira região a receber o evento foi Lago de Tucuruí, que teve o município de Tucuruí como sede, nesta terça-feira (24), com parceria da Prefeitura Municipal e do Comitê Gestor Intersetorial de Educação Profissional e Tecnológica de Tucuruí.

A presidente do Comitê e secretária de Governo, Enilda Santos, considerou o evento uma grande oportunidade de diálogo entre os diversos setores dos municípios da região. “O Pará Profissional veio para Tucuruí e foi abraçado por várias instituições, e aqui é um polo institucional, em que as instituições presentes podem contribuir com sua experiência e tecnologia e, com o Programa, acredito que agora vamos avançar diante de todo o apoio que está chegando”, ressaltou.

O Encontro foi dividido em quatro momentos. No início, o público – composto majoritariamente por representantes de instituições públicas e privadas, entidades de classe, associações, professores e estudantes – teve acesso a um panorama do cenário de qualificação profissional e empregabilidade na região, por meio de quatro exposições.

Na primeira, a representante do Fórum Paraense de Aprendizagem Profissional e auditora fiscal do Ministério do Trabalho, Deise Mácola, abordou a aprendizagem profissional como formação de valores para o mercado de trabalho na região. Em seguida, Eduardo Rodrigues, gerente de Projetos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), destacou os avanços do plano estratégico do governo Pará 2030 e a importância da Região Lago de Tucuruí para o cenário exposto.

Os indicadores de empregabilidade na região foram abordados por Everson Costa, adjunto da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster). Ele mostrou que, em 2016, o Pará perdeu mais de 38 mil postos de trabalho, e mais de 7 mil em 2017. Destes postos perdidos, 85% estão no interior do Estado, segundo dados sistematizados pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) no Pará.

O secretário adjunto frisou a importância da realização de demanda qualificada dos cursos para cada lugar. “Vocês precisam elaborar as demandas de acordo com os indicadores”, aconselhou.

Histórico - A secretária adjunta da Sectet, Maria Amélia Enríquez, apresentou um histórico do Programa Pará Profissional. Instituído pela Lei 8.427, de 16 de novembro de 2016, o Programa está inserido no Pará 2030 e envolve diversos órgãos do Estado, tendo a Sectet como coordenadora. A secretária mostrou que, desde sua criação legal até meados de 2018, já são calculados mais de 200 cursos, em mais de 50 municípios de todas as regiões de Integração do Estado, gerando mais de 5 mil vagas em cursos. E tudo foi realizado a partir da qualificação das demandas, por meio de oficinas, debates, reuniões, convênios e parcerias com os municípios, setor privado e Sistema S, que inclui, entre outras instituições, o Serviço Nacional da Indústria (Senai) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Para Maria Amélia Enríquez, o papel da educação profissional é fundamental no processo de desenvolvimento do Estado a partir da verticalização das cadeias produtivas estratégicas. “Se a nossa mão de obra local não estiver preparada, vai perder oportunidades, pois, no momento em que vem o investimento, vêm empresas de fora, que acabam importando mão de obra, e nossa população fica marginalizada. Isso é um modelo de crescimento que não gera desenvolvimento, por isso a política do Governo do Pará busca uma tríplice revolução: pela produção, pelo conhecimento e por novas formas de gestão. O Pará Profissional junta tudo isso”, afirmou.

Encerradas as apresentações, a segunda parte da dinâmica do Encontro dividiu o público em grupos, os quais avaliaram, pela metodologia conhecida como Análise Swot, forças, fraquezas, oportunidades e ameaças para o avanço da qualificação profissional e geração de emprego e renda na Região Lago de Tucuruí.

Em seguida, estudantes do Programa Jovem Aprediz puderam expor a realidade em que vivem. O terceiro momento foi de definição do plano de ação, a partir do que foi observado na Análise Swot. O quarto e último momento foi de conclusão dos trabalhos do dia.

Na hora certa - Professor da rede pública estadual, Flávio Caridade participou das dinâmicas e disse acreditar que o evento chegou na hora certa. Para ele, há grande dificuldade de qualificação dos jovens na região. “Este Encontro ocorreu em um momento muito oportuno, para discutirmos as dificuldades a respeito da qualificação e encontrarmos uma solução para isso, e podermos investir para o enfrentamento dos problemas”, disse Flávio Caridade.

A próxima região a receber o Encontro será Rio Capim, que terá Ulianópolis como sede, na próxima quinta-feira (26). No dia 3 de maio, a equipe do Pará Profissional estará na Região Rio Caeté, em Bragança. As demais datas e regiões a serem atendidas estarão disponíveis no site da Sectet, nos próximos dias.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Desafio InovaTur: cronograma de capacitações da última fase sofre alterações

Sectet - seg, 23/04/2018 - 15:09
23/04/2018

O cronograma de capacitações previsto no processo de nivelamento do Desafio InovaTur foi alterado devido a greve dos rodoviários da região metropolitana de Belém. As novas datas são: 26 de abril, das 14h às 16, na sede da Secretaria de Turismo (Setur), com o tema “Plano Estratégico de Turismo do Estado do Pará”; 27 de abril, das 9h às 11h, na sede da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), com o tema “Empreendedorismo e Inovação”; e 03 e 10 de maio, das 14h às 18, no Auditório da Agência de Inovação Tecnológica da UFPA (Universitec), com o tema “Preparação de Pitch I e II”.

Todos os representantes dos projetos selecionados que assinaram o termo de compromisso deverão comparecer ao processo de nivelamento, o qual representa uma preparação para a realização da última fase, a do pitch, que consiste na apresentação oral dos projetos à Comissão Julgadora. Essa apresentação ocorrerá no dia 18 de maio, durante a programação da Feira do Empreendedor 2018, realizada pelo Sebrae no Hangar.

O Desafio foi aberto a estudantes, profissionais, entusiastas ou qualquer pessoa com interesse nos temas empreendedorismo e inovação com talento para o desenvolvimento de soluções inovadoras para alavancar o alcance promocional dos produtos e regiões turísticas do Estado aos níveis regional, nacional e internacional; buscar novos modelos e soluções para a gestão do turismo no Estado; e promover o empreendedorismo na área. A ação é uma iniciativa da Setur e da Sectet, e conta com a parceria do Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá e da Universitec.
Para mais informações sobre o cronograma de capacitações, clique aqui.

Texto: Igor de Souza (Ascom Sectet)

 

Categorias: Notícias

AVISO - DESAFIO INOVATUR

Sectet - seg, 23/04/2018 - 10:12
23/04/2018

2ª capacitação referente a última fase sofre adiamento

A comissão organizadora do Desafio InovaTur informa que a 2ª capacitação referente a sua última fase, a qual ocorreria hoje (23), às 10h, na sede de Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), foi cancelada devido a greve dos rodoviários da região metropolitana de Belém.

Uma nova data para a capacitação será agendada e todos os responsáveis dos projetos selecionados no Desafio serão informados.

Categorias: Notícias

Encontros

Sectet - sex, 20/04/2018 - 12:51
20/04/2018

Sectet percorre o estado para debater sobre qualificação profissional

Na próxima semana, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) começa a realização dos Encontros Estaduais de Educação Profissional e Tecnológica, previstos para ocorrer em cada uma das 12 Regiões de Integração do estado do Pará.

O objetivo é promover, de forma conjunta e articulada, uma discussão sobre a execução do Programa Pará Profissional como exercício e experiência de política pública de Educação Profissional e Tecnológica para o desenvolvimento inter-regional, inclusão produtiva e oportunidades para o mundo do trabalho.

O primeiro evento ocorrerá no dia 24 de abril, na Região Lago de Tucuruí, tendo como sede o município de Tucuruí. Logo em seguida, no dia 26, é a vez da região Rio Capim, que terá Ulianópolis como município sede. No dia 3 de maio, Bragança recebe o Encontro pela região Rio Caeté. No dia 15 de maio, a região de Carajás terá como sede o município de Canaã dos Carajás. Já no Araguaia, dia 17 de maio, a sede será Xinguara. As datas dos Encontros nas outras regiões serão divulgadas nos próximos dias.

Programa - O Pará Profissional, instituído pela Lei no 8.427, de 16 de novembro de 2016, é descrito como um dos principais instrumentos de superação das desigualdades inter-regionais, com a finalidade de ofertar educação profissional e tecnológica nas diversas modalidades a fim de consolidar, ampliar e verticalizar as cadeias produtivas aos eixos prioritários de desenvolvimento no Estado.

Durante pouco mais de um ano de existência, o Programa ampliou e flexibilizou a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica em todo o estado, levando em consideração as demandas sociais existentes, as vocações produtivas regionais e a necessidade de se criar maiores oportunidades de emprego e renda.

Inscreva-se:

Para se inscrever, clique AQUI.

 

Para se inscrever, clique AQUI.

 

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Pesquisadores e empresários avaliam a cadeia produtiva do cacau

Sectet - seg, 16/04/2018 - 07:57
16/04/2018

Valorizar a inovação como finalidade do desenvolvimento científico-tecnológico e elemento inspirador do empreendedorismo é o principal objetivo da “Sexta com Ciência”, na definição de Alex Fiúza de Mello, titular da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). Os debates são realizados pela Secretaria em uma sexta-feira, a cada mês, e reúnem servidores públicos, empresários, pesquisadores e especialistas em cada tema debatido. A edição do mês de abril ocorreu nesta sexta-feira (13) e destacou a “Inovação tecnológica na cadeia produtiva do cacau”.

O palestrante convidado foi o pesquisador e professor Jesus Souza. Doutor em Ciência de Alimentos, ele é atuante na Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Universidade Federal do Pará (UFPA) e no Centro de Valorização Agroalimentar de Compostos Bioativos da Amazônia (CVACBA), localizado no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá. Raul Guimarães, superintendente da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) no Pará também participou da discussão, como debatedor.

O tema ganha relevância devido à alta demanda e grande crescimento da produção do cacau em o todo o Estado nos últimos anos. Segundo dados recentes da Ceplac, a safra no Pará, em 2017, ocupou 132.720 hectares, com produção de mais de 120 mil toneladas de amêndoas secas. Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontam que o Estado chegou ao total de 125.104 toneladas na safra do ano passado, o que representa 54% da produção brasileira, superando o Estado da Bahia, referência nacional na produção cacaueira.

Verticalização - Para o pesquisador Jesus Souza, conhecer detalhadamente a cadeia produtiva, principalmente seus gargalos, e saber onde inovar faz toda a diferença para a agregação de valor e verticalização da produção. “Desde a semente e sua replicação para o plantio, pode-se inovar em todo o processo, pois não haverá planta boa se não houver semente boa, e consequentemente não haverá chocolate bom. Precisamos ter todo um conhecimento, para que dentro de cada foco possamos inovar e agregar valor à cadeia”, explicou. Para ele, a criação de um centro de inovação, o qual já vem sendo articulado com a Ceplac, Sectet e Sedap (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca) pode consolidar essas questões.

O professor ainda destacou as pesquisas em relação à pós-colheita, desenvolvidas no CVACBA, onde se faz o acompanhamento da evolução dos compostos bioativos, principalmente os fenólicos, componentes que podem trazer benefício à saúde humana. Segundo ele, é fundamental estudar como esses compostos se comportam no decorrer do processamento, nas etapas de fermentação, secagem e torração, sendo que cada uma delas pode degradar ou produzir novos compostos. “É importante conhecer isso para saber o quanto podemos agregar de valor ao produto final, fazendo com que os compostos se conservem o máximo possível, o que, no futuro, pode gerar um cacau com maior funcionalidade para a saúde do consumidor”, acrescentou.

Prioridade - Raul Guimarães lembrou que a cadeia produtiva do cacau está priorizada na linha de investimento do planejamento estratégico do Governo do Pará, denominado Pará 2030. De forma adicional, a Ceplac tem seu planejamento estratégico com metas até 2022. Para o superintendente, os indicadores da produção de cacau, no Pará, estão servindo de atrativos para investimentos do governo (federal e estadual) e da iniciativa privada na área. “Um debate como esse, organizado pela Sectet, só vem ao encontro da dinâmica de discussões centradas no fortalecimento da cadeia produtiva do cacau no Estado do Pará”, afirmou.

O chocolatier e chefe de cozinha Fábio Sícilia acredita ser necessário que cada um (produtor, indústria, comércio, governo) faça sua parte no processo. “Mas precisamos criar a cultura de nos reunir, debater, precisamos nos integrar”, ressaltou.

“Sexta com Ciência” é uma série de debates sobre temas importantes que visam ao desenvolvimento do Pará a partir do espírito inovador, da prática científica e do uso da tecnologia em favor da redução das desigualdades sociais. A ação está inserida no projeto da Sectet intitulado “Ciência em Pauta”, o qual busca expandir a divulgação de temas relacionados à ciência, tecnologia e inovação.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Conselho Estadual aprova proposta para impulsionar as políticas públicas de CT&I no Estado

Sectet - qua, 11/04/2018 - 15:01
11/04/2018

Na manhã desta quarta-feira (11), o Conselho Estadual de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Consectet), o qual presta assessoramento superior à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), realizou sua 6ª reunião ordinária. A principal pauta discutida no encontro foi a moção de apoio do Conselho à destinação de, pelo menos, 20% da parcela da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) às ações e políticas públicas de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) no Estado.

A proposta foi redigida pela Sectet e discutida junto com os representantes dos órgãos e instituições participantes do Consectet, os quais deliberaram a favor da redação e do encaminhamento do documento ao Governador do Estado, Simão Jatene. A ideia é a de que os investimentos sejam voltados à estruturação de ambientes e sistemas regionais de inovação, tendo-se em vista a verticalização e dinamização das cadeias produtivas estratégicas previstas no Plano “Pará 2030”.

“A Lei de nº 13.540, de 18 de dezembro de 2017, que dispõe sobre a CFEM, já prevê percentual da distribuição da compensação financeira para o Estado e municípios onde ocorrem as atividades de mineração. Destinar uma parte desse percentual à CT&I é assegurar um avanço inédito na história do Pará, pois teríamos garantia de recursos específicos e estáveis para dar seguimento às políticas de inovação, com base científica e tecnológica, que estão sendo desenvolvidas até então”, argumentou o titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello. 

Dentre as ações em curso mencionadas pelo titular da Sectet, destaca-se o Programa BioPará, política integrante do Programa InovaPará, que trabalha a elaboração de políticas públicas que possibilitem a agregação de valor às cadeias produtivas da biodiversidade estadual e regional, por meio de pesquisa e desenvolvimento e de prospecção de negócios inovadores no setor. As ações do BioPará são executadas pela Organização Social BioTec-Amazônia, cujos objetivos e ações foram apresentados na reunião pelo seu presidente, José Seixas Lourenço.

Na ocasião, o presidente realizou assinaturas de termos de cooperação técnica com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e com o Centro Universitário do Estado Pará (Cesupa). A intenção é que as instituições trabalhem juntas para viabilizar o desenvolvimento de atividades de interesse comum e a execução de projetos, estudos e pesquisas, com foco nas áreas de biodiversidade, biotecnologia e bionegócios. No próximo mês, durante a Feira do Empreendedor 2018, a BioTec-Amazônia assinará, também, acordos de cooperação com o Sebrae e com a Secretária de Turismo (Setur).

A reunião do Consectet ocorreu no Espaço Empreendedor, prédio recentemente inaugurado no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá) que objetiva apoiar a instalação de empresas de base tecnológica e startups no Pará. O local foi escolhido para que os membros do Conselho pudessem conhecer o novo espaço e o seu potencial para incrementar o desenvolvimento socioeconômico do Estado.

Texto: Igor de Souza – Ascom Sectet

 

Categorias: Notícias

Páginas