• White/Preto
  • Padrão

Current Style: Padrão

Governo do Estado do Pará

Você está aqui:

Prodepa apresenta PAE em evento sobre sistemas de gestão fundiária

Prodepa - seg, 25/07/2016 - 14:13
13/07/2016 - 14:00

A Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Pará (Prodepa) apresentou nesta quarta-feira (13) o Processo Administrativo Eletrônico (PAE), em uma oficina sobre sistemas de gestão fundiária no Pará. A iniciativa faz parte do trabalho que o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) desenvolve com o Instituto de Terras do Pará (Iterpa) para a criação de um novo sistema, o Cadastro Rural Fundiário (Carf).

Durante a oficina, o gerente de Engenharia de Sistemas da Prodepa, Evandro Paes, demonstrou as funcionalidades do PAE. O sistema tem como objetivo eliminar o uso de documentos impressos pelo Estado, interligando todos os órgãos estaduais e possibilitando que os trâmites, emissões e protocolos possam ser feitos de forma totalmente digital pela internet.

O Carf deverá agilizar as análises técnicas do Iterpa. A Prodepa avalia a possibilidade de agregar a ele o trâmite eletrônico dos processos, além de integração com outros sistemas. Para a pesquisadora Brena Brito, do Imazon, o novo sistema vai fornecer o máximo de informação, na medida do possível. "Diferentes tipos de relatórios, bem customizados, em que qualquer usuário, numa interface pública, poderia emitir", exemplificou. A Prodepa  participa do processo para que o Carf possa ser integrado aos sistemas já usados pelo Iterpa.

No último dia 31 de maio o Governo do Estado publicou a Instrução Normativa nº 1, definindo que "a comunicação inter e intra-órgãos e entidades do Poder Executivo do Estado do Pará, por meio de ofícios e memorandos, dar-se-á mediante tramitação pelo Processo Administrativo Eletrônico (PAE)". A instrução diz ainda que o envio de ofícios e memorandos por meio eletrônico será adotado como padrão de comunicação, observado o cronograma a ser estabelecido pela Secretaria de Estado de Administração (Sead).

Asscom Prodepa

Tags: PAE processo eletrônico
Categorias: Notícias

Caso de sucesso da Prodepa é destaque na Alemanha

Prodepa - seg, 25/07/2016 - 09:18
15/06/2016 - 09:00

O trabalho de modernização do Data Center da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa), desenvolvido pela equipe da própria empresa, repercutiu tanto no mercado como um “caso de sucesso”, que a Prodepa foi convidada a participar da Conferência Anual dos Grupos de Usuários Internacionais 2016, que está sendo realizada na cidade de Dresden, na Alemanha, desde a última segunda-feira (13).

Nesta quarta-feira (15), Lourenço Monteiro, diretor de Desenvolvimento de Sistemas da Prodepa, realizou a conferência “Rehosting: Aplicação e Modernização - Ajustando-se ao tamanho certo”. Ele mostrou como a Prodepa investiu na modernização de sua estrutura com as mais recentes soluções em Tecnologia da Informação, destacando a modernização do Data Center. “A reestruturação do Data Center corporativo da Prodepa, com a virtualização de componentes de rede e armazenamento de dados e equipamentos servidores, foi de extrema importância para o alinhamento dos negócios e diminuição do Custo Total de Propriedade, otimizando os gastos com recursos públicos”, afirmou Lourenço Monteiro.

Segundo o diretor, a Prodepa também aproveitou a oportunidade para modernizar suas aplicações, tornando-as acessíveis na internet. “Entramos de vez nas aplicações móveis para aproximar mais a tecnologia do usuário final. Desde então, temos realizado extensa redução de custos e preservado nosso investimento. O projeto foi finalizado em tempo recorde e, ao mesmo tempo, reduziu drasticamente nossos custos operacionais”, assegurou.

Benefícios - Para o presidente da Prodepa, Theo Pires, a reestruturação do Data Center foi um dos grandes marcos no processo de modernização da empresa, com a desativação gradativa do mainframe que estava em funcionamento nos últimos 12 anos. “Nós mudamos a tecnologia que a Prodepa atendia aos sistemas corporativos de governo. A grande vantagem foi a melhoria do ambiente computacional da empresa, a melhoria dos sistemas que oferecemos ao governo do Estado e a possibilidade de melhorar ainda mais, pois a plataforma de trabalho foi atualizada. E tudo focado na sustentabilidade do projeto. O trabalho desenvolvido pela equipe da Prodepa trouxe benefícios tecnológicos, operacionais e financeiros para o Estado”, garantiu Theo Pires.

A Conferência Anual dos Grupos de Usuários Internacionais 2016 prossegue até a próxima sexta-feira (17). Os participantes estão tendo acesso a novas soluções que impulsionam a transformação digital nas organizações em todo o planeta, ajudando a melhorar a eficiência operacional, modernizar os sistemas e otimizar processos para decisões mais inteligentes e melhores serviços. Serão apresentados casos de sucesso (como o da Prodepa) de empresas de outros países. Os conferencistas terão a oportunidade de interagir com o público, discutir questões de tecnologia e compartilhar experiências e preocupações.

Lourenço Monteiro viajou a convite da organização da Conferência Anual dos Grupos de Usuários Internacionais 2016, com todas as despesas com passagens, hospedagem e alimentação pagas pela organização do evento.

Asscom Prodepa

Tags: Prodepa; destaque; Alemanha
Categorias: Notícias

Prodepa doa 3.700 fraldas para a UTI Neonatal da Santa Casa

Prodepa - seg, 25/07/2016 - 09:16
14/06/2016 - 09:00

A Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa) entregou na manhã desta terça-feira, 14, quase 3.700 fraldas descartáveis para a UTI Neonatal da Santa Casa de Misericórdia do Pará. O material foi adquirido por meio da campanha “Bebê com Fralda e Amor”, que foi lançada recentemente pela instituição. É o terceiro ano consecutivo que a Prodepa arrecada doações para a Santa Casa. Nos dois últimos anos, as doações foram de frascos de vidro para o banco de leite humano.

A entrega da doação foi realizada no auditório da Prodepa por Joelma Martins, chefe de gabinete e Ângela Pereira, gerente de Pessoas, ao Comitê de Humanização da Santa Casa, representado pelas terapeutas ocupacionais Thaís Cabral e Tais Pinheiro. “Temos muitas campanhas dentro da Santa Casa e sempre buscamos parcerias externas. Nós tínhamos a campanha e a Prodepa estava à procura de uma causa. Foi um casamento bem legal. Muitos recém-nascidos são atendidos na Santa Casa, muitos bebês prematuros, de baixo peso. E as famílias são carentes. Dependendo do tempo que o bebê nasce, eles passam até três meses na unidade. E a Santa Casa tem a tradição de doar essas fraldas para esses recém-nascidos”, afirmou Tais, agradecendo a iniciativa.

A iniciativa faz parte do Plano de Qualidade de Vida da Prodepa, e tem como objetivo incentivar a participação voluntária dos funcionários, estimulando o envolvimento em ações sociais e de responsabilidade social. “A Prodepa que lida muito com tecnologia e máquinas, que tem a visão voltada para o futuro, precisa ter um lado institucional que pense na humanização, nas pessoas. E aqui, todos os funcionários, sempre que se dispara um projeto, uma campanha dessas, eles correspondem imediatamente, as pessoas realmente se fazem presentes”, comemora Ângela Pereira.

O Comitê de Humanização da Santa Casa fez uma breve apresentação ao funcionários/doadores, mostrando os programas e campanhas que a instituição desenvolve, especialmente o programa de atenção ao recém-nascido prematuro e de baixo peso, conhecido por Método Canguru, ao qual as fraldas serão destinadas. Para o comitê é muito importante que a comunidade conheça os serviços que a Santa Casa.

Asscom Prodepa

Tags: doa; UTI Neonatal da Santa Casa
Categorias: Notícias

Portal da Transparência: cidadão tem acesso às contas do governo

Prodepa - seg, 25/07/2016 - 08:57
08/04/2016 - 08:45

Um dos princípios explícitos no Direito Administrativo garante ao cidadão a prerrogativa de acompanhar os investimentos feitos pelas diferentes esferas de governo com a utilização de recursos públicos. O que é feito com o dinheiro do contribuinte pelas administrações públicas deve ser tornado igualmente público. Pautado na Lei de Acesso à Informação, está disponível à consulta na internet desde 2011 o Portal da Transparência (www.transparencia.pa.gov.br), principal instrumento de que o cidadão dispõe para acompanhar a execução orçamentária e financeira de estados, municípios e da União..

Por meio do site é possível verificar, por exemplo, as receitas (o que é arrecadado, como impostos e tributos) e as despesas (o que é gasto ou investido) pelo governo do Pará. Também é permitido acessar os relatórios que informam a situação financeira e orçamentária do Estado, conferindo se os limites, impostos por lei, para determinados setores (como saúde, educação e funcionalismo) estão sendo cumpridos. O Portal da Transparência é gerenciado tecnicamente pela Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Pará (Prodepa), mas sua gestão é de responsabilidade da Auditoria Geral do Estado (AGE), que tem como principal missão fiscalizar o Poder Executivo.

No ano passado, o Pará apresentou a terceira melhor nota em transparência pública. Em uma escala de zero a dez, o estado alcançou 9,13 na chamada Escala Brasil Transparente. A avaliação é feita pela Controladoria Geral da União (CGU). “Os recursos públicos podem ser otimizados com a vistoria do cidadão. Ele deve ser o maior fiscalizador de todos, afinal o dinheiro vem dos tributos que são pagos por cada um de nós”, pontua Roberto Amoras, auditor geral do Estado. Caso seja visualizada alguma irregularidade, é dever do cidadão comunicar a Ouvidoria Geral do Estado ou a própria Auditoria Geral.

Medidas - O recente decreto anunciado pelo governador Simão Jatene, estabelecendo uma série de medidas para redução de despesas administrativas, teve como embasamento um documento apresentado pelos órgãos que compõem o Sistema Integrado de Governança do Estado do Pará. Criado em 2015, o Sigov atua de forma estratégica na racionalização dos gastos, dentro de entendimentos técnicos. É composto por instituições como as Secretarias de Estado da Fazenda (Sefa) e de Administração (Saed), Casa Civil, Procuradoria e Auditoria Geral, dentre outras.

Diante do atual cenário econômico do país, a redução dos repasses aos municípios e estados tem se tornado um grande entrave para o exercício da gestão financeira, na contramão das demandas por investimentos, que são crescentes. Com o desemprego em alta, os cidadãos passam a precisar mais dos serviços básicos prestados pelo governo, como educação e saúde. Mas a arrecadação para a manutenção desses setores vem registrando sucessivas quedas. “Em 2015, não sentimos tanto a crise porque o Pará vinha apresentando superávit nos anos anteriores, ou seja, as arrecadações eram maiores que as despesas, gerando um crédito nas contas. Apesar de ainda nos encontrarmos em condições razoáveis, na comparação com outros estados, não dá para manter esse desempenho por muito tempo. Estamos buscando nos precaver diante desse contexto de crise e de retração. No início do ano, já tivemos uma desaceleração da receita”, explica Roberto Amoras.

Recentemente, foi divulgado um ranking preparado por pesquisadores do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), utilizando critérios do Ministério da Fazenda, que classifica o risco dos Estados e a situação fiscal dos governos estaduais. Entre os itens avaliados está o endividamento, o gasto com pessoal e os investimentos, entre outros. De acordo com esse ranking, o Pará obteve a melhor nota do país (B+), numa escala que vai de A+ até D-.

Em 2009, oito Estados tinham obtido nota A, o que revela o impacto da crise nas contas públicas de todas as unidades da federação. Vinte e quatro estados aumentaram as alíquotas de impostos ou tributos para enfrentar a crise. O Pará está entre os poucos que não elevaram a alíquotas e ainda as reduziram para aumentar a capacidade de arrecadação. O Pará também possui o quarto menor endividamento do Brasil, com dívida consolidada líquida correspondente a 12% da receita corrente líquida, cujo percentual pode chegar a até 200%, segundo a legislação em vigor, caso o governo federal volte a autorizar.

Agência Pará

Tags: Portal da Transparência
Categorias: Notícias

Prodepa e Sead apresentam nova ferramenta de gestão de compras

Prodepa - seg, 25/07/2016 - 08:55
07/03/2016 - 08:45

Em reunião com representantes da área técnica de compras governamentais de todos os órgãos do Estado, na Secretaria de Estado de Administração (Sead) nesta quinta-feira (7), a Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Pará (Prodepa) apresentou o módulo de Intenção de Registros de Preços (IRP), dentro do Processo Administrativo Eletrônico (PAE), projetado em parceria com a Sead.

A abertura da reunião foi feita pela secretária adjunta de gestão Administrativa da Sead, Edilena Rocha, que falou sobre a importância de promover melhor eficiência no processo de compras, implementando novas funcionalidades nos sistemas corporativos em uso pelos órgãos e entidades estaduais, bem como aperfeiçoando os instrumentos de gestão e controle.

Na sequência, o diretor de Gestão da Cadeia Logística do Estado, Thiago Matos, deu início à apresentação do procedimento eletrônico de Intenção de registro de preços, destacando a facilidade e a celeridade que o sistema vai trazer para o processo. “O sistema está integrado com o Compras Pará. O pedido de adesão vai poder ser feito pelo sistema também. E no terceiro módulo vai estar integrado com o Simas para fazer o controle dos saldos do BRP (Banco Referencial de preços). O trabalho de parceria com a Prodepa foi muito produtivo”, acrescentou Thiago.

O analista de sistemas da Prodepa responsável pelo projeto, Alan Amaral, demonstrou as principais funcionalidades da nova ferramenta. “Ao enviar a informação de forma simples e rápida, com a integração dos sistemas e o reaproveitamento das informações, é possível apenas complementar e dar publicidade, agilizando todo o processo”, afirmou.

Asscom Prodepa

Tags: Prodepa e Sead
Categorias: Notícias

Prodepa desenvolve novo site da JUCEPA

Prodepa - seg, 25/07/2016 - 08:53
06/04/2016 - 08:45

A Prodepa acaba de desenvolver mais um site Governamental de acordo com os requisitos do Estado, o porta online da Junta Comercial do Estado do Pará(JUCEPA). A Junta Comercial é a porta de entrada e também a porta de saída para toda e qualquer empresa que queira iniciar ou encerrar um empreendimento, seja ela um registro de empresário ou uma sociedade empresarial. O empreendimento somente adquiri personalidade jurídica após o seu registro na Junta Comercial, sem o qual não poderá se registrar e licenciar junto aos demais órgãos na esfera Federal (CNPJ), Estadual (Inscrição Estadual) e Municipal (Alvará de Localização). Esta é mais uma demanda atendida pela Diretoria de Desenvolvimento de Sistemas, DDS, que está a frente de projetos como esse.

Gerência de Comunicação

Tags: Prodepa; novo site
Categorias: Notícias

Projeto Cidades Digitais leva internet a 24 municípios paraenses

Prodepa - seg, 25/07/2016 - 08:45
03/03/2016 - 08:30

Na manhã desta quinta-feira, 3, a Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa) e a Secretaria de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações estiveram reunidas com as prefeituras de 24 municípios do interior do Pará contempladas pelo projeto Cidades Digitais. O encontro, realizado no auditório da Prodepa, em Belém, teve o objetivo de apresentar o funcionamento do projeto nos nove municípios já atendidos, além de incentivar as outras cidades a trocar experiências e a construir futuras parcerias.

O Cidades Digitais pretende melhorar a gestão pública municipal, resultando em maior acesso das comunidades à internet e aos serviços de governo. O projeto também possibilita a modernização da gestão das cidades com a implantação de infraestrutura de conexão de rede entre os órgãos públicos, de aplicativos de gestão pública, capacitação de servidores, disponibilização de espaços de acesso gratuito à internet para a população, e ainda proporciona o acesso da comunidade aos serviços do governo, além da inclusão digital dos municípios brasileiros, levando o desenvolvimento a essas localidades.

Conceição do Araguaia, Curuçá, Goianésia do Pará, Itaituba, Marituba, Paragominas, Trairão, Tucuruí e Uruará são os nove municípios paraenses onde o projeto já foi implantado. Até 2018, o Cidades Digitais será implantado em mais 15 cidades: Água Azul do Norte, Almeirim, Augusto Correa, Baião, Chaves, Curralinho, Mãe do Rio, Muaná, Novo Progresso, Óbidos, Pacajá, Palestina do Pará, São Domingos do Araguaia, São Sebastião da Boa Vista e Soure.

De acordo com o presidente da Prodepa, Theo Pires, a proposta do governo do Estado é conseguir integrar orçamentos e necessidades da área pública, tanto da esfera estadual quanto federal, alinhando isso à perspectiva de atender mais municípios no menor prazo possível. "Acredito que tanto faz o orçamento ser da esfera estadual quanto da esfera federal, é obrigação do governo do Estado conseguir reduzir esses custos de implantação de infovias de fibra ótica, chegando a mais municípios sem ter que impactar o fluxo de caixa do governo, conjugando esforços do orçamento próprio do Estado com o de parceiros, para tentar alcançar novos municípios dentro dessa rede de fibra", declara Theo.

Para o secretário de Inclusão Digital do MC, Américo Tristão, a grande importância de um evento como esse é permitir que os municípios juntamente com a empresa de tecnologia do Estado troquem informações sobre o projeto e iniciem parcerias para compartilhamento de infraestrutura, já que uma da maiores dificuldades é a implantação de rede ótica. "Quando nós promovemos um evento como esse, permitimos que os municípios e a Prodepa possam discutir os mecanismos de compartilhamento dessa infraestrutura. O Ministério das Comunicações, enquanto responsável pela implantação dessa infraestrutura, está incentivando a construção dessa parceria entre a Prodepa e os municípios", afirma Américo.

Ainda segundo Tristão, a iniciativa só produz resultados positivos. Os municípios têm a ganhar com a manutenção que a Prodepa pode propiciar, com a possibilidade de fornecer capacidade ou o transporte até a capital. "Isso significa que o município, ao invés de contratar um link local, que às vezes é muito caro, pode contratar um link em Belém, o que permite a redução dos custos desse serviço. Por outro lado, a Prodepa, ao se valer de uma rede já implantada, tem maior facilidade de conectar órgãos públicos como delegacias de polícia, instituições de Justiça, postos de saúde”, diz o secretário.

Traírão, no sudoeste do estado, como a maioria das cidades do interior da Amazônia, tem dificuldades de acesso à internet. Mas há nove meses, o município conta com a rede do Cidade Digitais. "Como a nossa cidade é pequena, a rede consegue atender todo o município com internet gratuita", informa o prefeito Danilo Miranda. Para ele, o projeto é fundamental para que a cidade tenha uma internet melhor. "Hoje os órgãos fiscalizadores exigem essa conexão on line. Os programas são muito pesados e isso prejudica muito os municípios. O projeto é fundamental para trazer a fibra ótica e garantir que nós tenhamos facilidade na hora de acessar esses sites", acredita.

Estiveram presentes à reunião o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Pará (Sectet), Alex Fiuza de Melo; o gerente do escritório regional da Telebras em Belém, Iugorou Ohara, e Celso Eduardo Barbosa Junior, gerente de Infraestrutura da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) em Brasília. Além de prefeitos e representantes das 24 prefeituras envolvidas.

Asscom Prodepa

Tags: Projeto Cidades Digitais
Categorias: Notícias

Prodepa e MC reúnem prefeituras para tratar do 'Cidades Digitais'

Prodepa - seg, 25/07/2016 - 08:43
02/03/2016 - 08:30

Nesta quinta-feira (3), o secretário de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações (MC), Américo Tristão, e o presidente da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa), Theo Pires, estarão reunidos com as prefeituras contempladas com o projeto Cidades Digitais. O encontro será realizado no auditório da Prodepa, e servirá para apresentar e esclarecer aos representantes dos municípios como será desenvolvido o projeto Cidades Digitais, bem como seu funcionamento em cada localidade.

Os municípios que irão receber o projeto Cidades Digitais se candidataram por meio de uma chamada pública. As cidades paraenses que tiveram seus projetos aprovados foram: Água Azul do Norte, Almeirim, Augusto Correa, Baião, Chaves, Conceição do Araguaia, Curralinho, Curuçá, Goianésia do Pará, Itaituba, Mãe do Rio, Marituba, Muaná, Novo Progresso, Óbidos, Pacajá, Palestina do Pará, Paragominas, São domingos do Araguaia, São Sebastião da Boa Vista, Soure, Trairão, Tucuruí e Uruará.

O Cidades Digitais tem o objetivo de melhorar a gestão pública municipal, resultando em maior acesso das comunidades à internet e aos serviços de governo. O projeto também possibilita a modernização da gestão das cidades com a implantação de infraestrutura de conexão de rede entre os órgãos públicos, de aplicativos de gestão pública, capacitação de servidores, a disponibilização de espaços de acesso público e gratuito à internet para a população, e ainda proporciona o acesso da comunidade aos serviços de governo, além da inclusão digital dos municípios brasileiros, resultando em desenvolvimento local. Os municípios beneficiados pelo Cidades Digitais recebem uma rede de fibras ópticas que interligam órgãos públicos da cidade.

Asscom Prodepa

Tags: Prodepa e MC
Categorias: Notícias

Investidores visitam o PCT Guamá e conhecem potencial de produção científica e tecnológica do Pará

Sectet - qua, 20/07/2016 - 10:34
20/07/2016

O estimulo à pesquisa, ciência e tecnologia tem se apresentado como grande oportunidade para o desenvolvimento do Pará e melhoria das condições de vida da população. Entre os investimentos do Estado nesses setores está o Espaço Inovação. O prédio, situado no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá), em Belém, é o primeiro do tipo a entrar em operação na região Norte. Na tarde desta terça-feira (19), empresários conheceram as potencialidades do centro e mostraram interesse em investimento local. A apresentação teve a presença do governador Simão Jatene, secretários de Estado e convidados.

Entre os investidores em potencial estava o empresário da área de tecnologia Paul Bragiel, conhecido por atuar na criação de startups, entre elas o Uber, que oferece um serviço semelhante ao táxi tradicional, conhecido popularmente como serviço de "carona remunerada”. É a primeira vez que Paul vem para a Amazônia. Durante a apresentação dos projetos desenvolvidos no espaço, ele ficou impressionado com as possibilidades de atuação e investimentos.

Diante de jovens pesquisadores, que também relataram suas experiências, o empresário destacou a perseverança no desenvolvimento dos projetos na área de tecnologia e biodiversidade. “Enxerguei aqui uma série de oportunidades, e espero que esses jovens comecem a colocá-las em prática. Uma boa ideia tem que levar em consideração todo o contexto local, explorar as possibilidades. A persistência também é muito importante. O pesquisador, o investidor tem que tentar todas as possibilidades de viabilidade para se se conseguir o resultado esperado e ter sucesso na proposta”, afirmou.

O vice-presidente do Grupo Globo e presidente da Fundação Roberto Marinho, José Roberto Marinho, também participou do evento. Na oportunidade, ele destacou a necessidade de investimentos em novas formas de produção na região que tenham como base a ciência, a tecnologia e a preservação do meio ambiente. “Já trabalho há algum tempo para ajudar a Amazônia a se desenvolver de uma forma que a economia verde possa chegar e substituir as outras economias que não são tão boas assim. O Governo do Pará está muito interessado nessa vertente, e lançou o Pará 2030. Estamos ajudando nesse esforço todo”, afirmou.

Simão Jatene ressaltou os dois grandes desafios da Amazônia, de ser prestadora de serviços ambientais em escala planetária e ser base material de vida digna para as pessoas que nela vivem. “Temos um caminho a percorrer para que ela possa efetivamente exercitar essa dupla provação. E para isso temos que alcançar o que chamamos de tripla revolução, baseada no conhecimento, produção e em novas formas de gestão e governança. Isso não se pode fazer sozinho, temos que buscar parceiros, sejam nacionais ou internacionais, que globalmente têm uma visão parecida com a nossa”, afirmou o governador.

Investimento - A construção e consolidação do Espaço Inovação são de responsabilidade do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet). O prédio, que recebeu investimento de cerca de R$ 20 milhões, é composto por seis laboratórios avançados de pesquisa e desenvolvimento, quatro ligados à Universidade Federal do Pará (UFPA) e dois à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), divididos em quase oito mil metros quadrados. O parque foi construído em uma área de 73 hectares cedida pela UFPA e pela Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra).

Entre os espaços abrigados estão o Centro de Valorização Agroalimentar de Compostos Bioativos da Amazônia (Cvacba) e os laboratórios de Engenharia Biológica, de Instrumentação para Produtos Agroindustriais (Agroind), de Óleos Vegetais e Derivados, de Fitossanidade e Manejo e de Sensores e Sistemas Embarcados (Lasse). O Espaço Inovação abrigará também empresas com grande potencial de crescimento econômico e que tenham por escopo investimentos em inovação.

“O Espaço Inovação nasce de um sonho e com um sonho. Queremos que esse espaço cada vez mais se transforme em um local onde possamos dar universalidade àquilo que temos de específico na Amazônia, mas que possamos também tonar específico o conhecimento universal. É isso que nos empurra para essa construção, para essas parcerias”, finalizou o governador Simão Jatene.

Texto: Lidiane Sousa (Agência Pará)

Categorias: Notícias

Novas empresas e startups são selecionadas para se instalar no Espaço Inovação

Sectet - ter, 19/07/2016 - 08:24
19/07/2016

Biocosmético, vestuário, alimentação, saúde, Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) são os setores dos novos empreendimentos e startups que se instalarão no prédio Espaço Inovação, do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá). As empresas RVC Empreendimentos, Kalola Beachwear, Dom Cookie, MDI – Mundo Digital Interativo, a Fundação de Amparo a Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) e as startups Green Process, Oncolítica e Security Car foram selecionadas na segunda reunião do Comitê de Avaliação para Residentes do Espaço Inovação, na última sexta-feira (15).

Composto por representantes da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet), do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Pará) e da Fundação de Ciência e Tecnologia Guamá, o comitê tem o objetivo de avaliar a candidatura das empresas interessadas em se instalar no prédio. “Buscamos selecionar empreendimentos que tenham um perfil inovador e a capacidade de se complementar e gerar novos negócios. O objetivo é fortalecer o ecossistema empreendedor da região”, informou Márcio Pereira, diretor administrativo-financeiro da Fundação Guamá e presidente da comissão avaliadora.

Inaugurado em junho deste ano pelo Governo do Pará, o Espaço Inovação é um ambiente de estímulo ao empreendedorismo inovador, que aproxima pesquisadores acadêmicos e empresários de diferentes setores. Seus quase 8 mil metros quadrados concentram seis laboratórios avançados de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) voltados às áreas de biotecnologia e Tecnologia da Informação e Comunicação, módulos para empresas com perfil inovador, espaço de coworking para startups, auditório e serviços de suporte à gestão da inovação.

Edital - A ocupação dos módulos (com tamanhos que variam de 72 a 150 m²), e do espaço de coworking se dá por meio de um edital de seleção lançado em março deste ano. Podem participar pessoas jurídicas, regularmente constituídas há no mínimo dois anos, e pessoas físicas que apresentem projetos de startups. A íntegra do edital e seus anexos estão disponíveis no link http://pctguama.org.br/index.php/2016/06/29/chamada-publica-de-ocupacao-....

A atuação em rede foi o que chamou a atenção do empreendedor Raul Carvalho, idealizador da startup Green Process. “Identifiquei no PCT Guamá uma oportunidade para acelerar o desenvolvimento da minha ideia. Ao acessar a estrutura de laboratórios, como o de Engenharia Biológica e do Centro de Valorização de Compostos Bioativos da Amazônia, seremos capazes de potencializar os nossos produtos. Além disso, acredito que a troca de experiência entre os empreendimentos do espaço de coworking vai ser muito interessante e possibilitar a criação de novas ideias”, avalia o empreendedor.

Construído em Belém, em uma área de 73 ha cedida pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), o PCT Guamá é o primeiro parque tecnológico a entrar em operação na Amazônia. A construção e consolidação do espaço são de responsabilidade do Governo do Pará, por meio da Sectet. Além do Espaço Inovação, o parque tecnológico abriga outros empreendimentos em operação, como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe); o Centro de Excelência em Eficiência Energética da Amazônia (Ceamazon) e o Laboratório de Alta Tensão.

Novos residentes

RVC Empreendimentos - Empresa paulista associada ao Grupo Citróleo, que atua nos mercados de cosméticos e farmacêuticos e possui subsidiárias em Minas Gerais, Bahia e Pará. No PCT Guamá, a RVC Empreendimentos utilizará os serviços dos laboratórios de P&D, instalados para analisar a qualidade e desenvolver novos processos e produtos.

MDI – Mundo Digital Interativo – Empresa paraense que atua no ramo de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Seus produtos criam soluções para a dinamização do ensino, como os laboratórios virtuais para aprendizagem em química, física e matemática, com ênfase no Ensino Médio, e ambientes virtuais de aprendizado interativo em resistência de materiais, voltados a estudantes de engenharias Civil, Mecânica e Ambiental. Trabalha também com jogos de aventura científica em 3D e desenvolve softwares sob encomenda.

Dom Cookie – Empresa do ramo alimentício, que produz cookies, brownies, geleias, barras de proteínas e sorvetes. No Espaço Inovação, em parceria com os laboratórios instalados, vai desenvolver estudos para aumentar a durabilidade de cada produto e analisar bioativos de insumos locais que possam agregar valor nutricional aos produtos já desenvolvidos.

Kalola Beachwear – Empreendimento paraense do setor de moda praia. No PCT Guamá vai pesquisar o desenvolvimento de tecidos biológicos e tecidos confeccionados a partir de plantas encontradas na região amazônica. Os produtos serão destinados a nichos de mercado e à exportação.

Fundação de Amparo a Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) – Em parceria com a Prefeitura Municipal de Belém, por meio do Programa Projovem Urbano, implantará três Laboratórios de Desenvolvimento de Tecnologias Sociais de Apoio ao Empreendedorismo da Juventude. Todos utilizarão a estrutura do Espaço Inovação para implantar ações que permitam desenvolver a associação entre segmentos sociais de jovens oriundos de escolas públicas, metodologia inovadora de ensino e qualidade técnica dos laboratórios. A iniciativa visa possibilitar que empresas e organizações das áreas de telemática e saúde possam incluir esses jovens no mercado de trabalho.

Startups - Green Process - empreendimento voltado à pesquisa e ao desenvolvimento de suplementos naturais para o tratamento de doenças neurológicas; Oncolítica - startup que desenvolve um método inovador de baixo custo para o tratamento de câncer; e Security Car - startup que atua no desenvolvimento e aprimoramento de produtos direcionados para automóveis, com o objetivo de melhorar a segurança e criar dispositivos antifurtos.

Mais informações sobre o PCT Guamá: (91) 3321-8900 / www.pctguama.org.br

Texto: Juliane Frazão - Ascom PCT Guamá

 

Categorias: Notícias

Museu de Ciências da Amazônia promove resgate cultural e fomento ao turismo em Belterra

Sectet - seg, 18/07/2016 - 08:29
18/07/2016

O município de Belterra, no oeste paraense, terá o primeiro museu de história natural do Pará. O Museu de Ciências da Amazônia usará a educação para estimular o turismo e disseminar cultura, explorando a riqueza cultural deixada pela passagem do ciclo da borracha no município e seu patrimônio natural. Nesta quinta-feira, 14, uma solenidade realizada no centro histórico de Belterra marcou o início das obras do museu.

A cerimônia contou com a presença do secretário de estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica, Alex Fiúza de Melo, de diretores do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de Luiz Felipe, coordenador da Organização de Desenvolvimento Cultural e Preservação Ambiental (AmaBrasil), secretários municipais e outras autoridades locais.

Belterra possui vasto e rico patrimônio histórico, herdado da implantação do ‘Projeto Ford’, em 1934. O magnata Henry Ford sonhava em construir um império no coração da Amazônia, usando a riqueza oriunda da exploração do látex natural. Nascia o então chamado Ciclo da Borracha.

O projeto ambicioso de Ford, contudo, não durou por muito tempo, mas deixou uma estrutura urbana invejável à época para os padrões locais e baseada na arquitetura norte-americana, entre casas pré-fabricadas em madeira, hidrantes, caixas d’água, escolas e um até hospital.

Todo esse patrimônio será a base do projeto de criação e da política pedagógica do Museu de Ciências da Amazônia. A começar pela implantação de suas instalações, a serem erguidas no local onde funcionou o hospital construído por Henry Ford para atender os trabalhadores da vila àquela época.

“A ideia é aproveitar o patrimônio cultural histórico, legado da época da borracha, deixado e custeado por Henry Ford. Vamos resgatar parte desse patrimônio, como a caixa d’água, o antigo hospital e outros prédios históricos”, explica Alex Fiúza de Melo.

O investimento inicial será de cerca de R$ 15 milhões, sendo R$ 4,3 milhões em recursos próprios do governo do Estado e o restante proveniente do BNDES. As primeiras ações envolvem a restauração do antigo hospital Henry Ford, do alojamento da Embrapa, das duas caixas d'água, da casa construída para que Ford nela morasse, e ainda o inventário da fauna e flora da região, o projeto museológico, o abastecimento de água e o esgotamento sanitário do município.

Vizinho ao Museu está a Floresta Nacional do Tapajós (Flona) e dezenas de praias banhadas pelo Rio Tapajós. Esse patrimônio também será alvo das ações do Museu de Ciências. “O Museu vai servir de referência para formação de pessoal local no trato da biodiversidade que temos no entono e na aplicação para o turista no trato dessa biodiversidade, que inclui não só a borracha, mas diversos fármacos, cosméticos e outras matérias-primas vegetais. Será um atrativo turístico incorporado ao Polo Tapajós, que tem Alter do Chão como porta de entrada”, detalha Fiúza.

Inicialmente, segundo o secretário, a AmaBrasil e a Sectet serão as responsáveis pela gestão do Museu e sua metodologia de trabalho, que vão incorporar, de forma participativa, várias instituições, órgãos e entidades. “Ama Brasil e a Sectet vão ficar à frente da gestão no período de implantação. Mas a ideia é de que no futuro essa gestão seja feita pela própria comunidade, haja vista que o projeto já será sustentado a partir do atrativo turístico. É um modelo plural, interativo, que dialoga com escola, universidade, parte cultural e setor turístico. Várias secretarias de estado terão agenda aqui, como Seduc, Sedect, Secult e Setur. Essa é a nossa perspectiva”, informou o secretário.

A previsão é de que o Museu entre em operação em 2018. Para a diretora Departamento de Economia da Cultura do BNDES, Luciane Borbulho, o Museu possui uma dimensão que vai além do aspecto cultural. “Esse projeto é resultado de um processo de articulação e cooperação entre governo do Estado, Prefeitura de Belterra, Instituto Butantan, AmaBrasil e o BNDES. Esse trabalho tem dimensão cientifica, ambiental e cultural com potencialidades econômicas, por isso o consideramos um marco”, disse.

Por Alailson Muniz - Agência Pará

Categorias: Notícias

Sectet oferta curso em Planejamento Estratégico para Multiplicadores em Fruticultura

Sectet - qui, 14/07/2016 - 16:56
14/07/2016

Estão abertas as inscrições para o curso em “Planejamento Estratégico para Multiplicadores em Fruticultura”, promovido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet), por intermédio de sua Diretoria de Educação Técnica e Tecnológica, com o apoio do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu. O curso é gratuito e será ofertado na modalidade a distância, com vagas destinadas a lideranças comprometidas com as atividades de fruticultura, participando de arranjos produtivos locais, associações ou cooperativas voltadas para o trabalho com a fruticultura e comercialização de derivados nos municípios de Altamira, Anapú, Brasil Novo e Uruará.
 
O curso pretende instrumentalizar agentes multiplicadores da região em planejamento estratégico, visando organizar arranjos produtivos locais que contribuam para o Desenvolvimento do Xingu. Em função da abordagem, recomenda-se como pré-requisito que o participante tenha ensino médio completo ou superior, possua domínio básico em informática (editor de texto e planilhas eletrônicas) e de navegação na rede internet, tendo em vista que a oferta será a distância.
 
A capacitação  terá carga horária de 120 horas. Os inscritos terão até três meses para realizar as atividades propostas durante a capacitação por meio do “Moodle”, uma plataforma online de salas virtuais que propiciam aos participantes espaços interativos com fóruns temáticos, atividades teóricas e práticas de autoavaliação da aprendizagem.
 
As inscrições vão até o dia 05 de setembro e podem ser feitas no endereço eletrônico: http://ead.sectet.pa.gov.br/. As inscrições passarão por uma avaliação interna e a homologação final será feita até o dia 09 de setembro. Todos os concluintes receberão certificados ao término do curso.
 
Serviço
Curso a distância em “Planejamento Estratégico para Multiplicadores em Fruticultura da região do Xingu”
Inscrição: 18/07/2016 a 05/09/2016, pelo endereço: http://ead.sectet.pa.gov.br/
Execução do curso: 15/09/16 a 16/12/16.
Mais informações: sectet.ceaddett@gmail.com, ou pelo telefone (91) 4009-2540.

 

Categorias: Notícias

Sectet e UFPA realizam II Simpósio Internacional da Cadeia Produtiva do Açaí

Sectet - qui, 14/07/2016 - 13:48
14/07/2016

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet) e a Universidade Federal do Pará (UFPA) realizam, de 25 a 27 de agosto, o II Simpósio Internacional da Cadeia Produtiva do Açaí, cujo tema este ano é Segurança Alimentar e Nutricional. O evento tem por objetivo debater propostas teóricas e alternativas práticas para o desenvolvimento da cadeia produtiva do açaí.  As inscrições para participação e submissão de trabalhos estão abertas e podem ser feitas pelo site: www.doity.com.br/sinter.    

O II Sinteraçaí será no Instituto de Ciências Jurídicas (ICJ/UFPA) e contará com a participação de gestores e especialistas ligados a diferentes instituições nacionais e internacionais. A programação inclui palestras, mini cursos e mesas redondas para discutir questões sobre melhoramento da produção, nichos de mercado e tecnologias aplicadas ao açaí e derivados.  Busca-se, ainda, promover uma ampla discussão sobre o monitoramento das políticas públicas de segurança alimentar e nutricional na cadeia do açaí na América Latina, no Brasil e, em especial, no Estado do Pará.

De acordo do com o titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello, o evento é uma excelente oportunidade para que o público possa ter acesso às pesquisas e técnicas mais recentes voltadas ao açaí. “A ocasião oportunizará a criação de um ambiente para trocas de experiências e estabelecimento de novas parcerias entre os atores institucionais dos diferentes estados e países envolvidos”, ressalta o secretário. 

O evento conta com o apoio do CNPq , Embrapa Amazônia Oriental, Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisa (Fapespa), Universidade Estadual Paulista (Unesp), Ministério das Comunicações, Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Associação dos Vendedores Artesanal de Açaí de Belém (Avabel).

II Simpósio Internacional da Cadeia Produtiva do Açaí
Data: 25 a 27 de agosto

Local: Auditório do Instituto de Ciências Jurídicas da UFPA. Rua Augusto Corrêa s/n próximo ao terminal de ônibus (3° portão da UFPA), Bairro Guamá.

Inscrições: Estudante     - R$ 70,00 e profissionais - R$ 150,00

Informações: (91) 3201-8861 sinter_acai@yahoo.com

Texto: Ana Carolina Pimenta - Ascom Sectet

 

Categorias: Notícias

Governo do Estado apoia implantação do Museu de Ciências da Amazônia em Belterra

Sectet - qua, 13/07/2016 - 09:41
13/07/2016

Em 1934, a Companhia Ford fundou a cidade de Belterra, inaugurando um ambicioso projeto de tornar a região um pólo produtor de borracha. Os planos do empresário Henry Ford fracassaram, mas a cidade preservou boa parte de seu patrimônio arquitetônico. Mais de oitenta anos depois, o Governo do Estado, o BNDES, a Prefeitura de Belterra e a Organização de Desenvolvimento Cultural e Preservação Ambiental (AmaBrasil) darão um novo uso à antiga vila americana, por meio da implantação do Museu de Ciências da Amazônia. Uma solenidade a ser realizada no dia 14 de julho, no centro histórico de Belterra, marcará o início das obras.

O projeto envolve a restauração do antigo hospital Henry Ford, do antigo alojamento da Embrapa, das duas caixas d'água históricas, da casa construída para Ford morar, o inventário da fauna e da flora da região, o projeto museológico, o abastecimento de água e o esgotamento sanitário do município. O investimento será de cerca de R$15 milhões, sendo R$4,3 milhões advindos do Governo do Estado.  

A implantação do Museu de Ciências resulta de articulações anteriores da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet), responsável por coordenar o projeto em nome do governo estadual. "Esta iniciativa é uma demonstração de que, por meio da ciência e da tecnologia, tendo como âncora boas parcerias, os povos amazônicos, sua história e seu patrimônio cultural, podem ser resgatados em todo o seu potencial, bem como induzidas novas formas de desenvolvimento local, por meio da geração de oportunidades inéditas de promoção social e da participação direta das comunidades envolvidas", destaca o titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello.

O Museu está idealizado para ser um espaço interativo, tecnológico e dinâmico focado nas riquezas naturais da Floresta Amazônica, com destaque para a Floresta Nacional do Tapajós, importante área de preservação localizada nos limites dos municípios de Belterra, Aveiro, Placas e Ruropólis. Entre os eixos de ação prioritários estão a educação ambiental, à economia verde e a pesquisa em torno da biodiversidade local. 

Sediado no antigo Hospital, o Museu de Ciências contará com exposições interativas, tour virtual, laboratórios para pesquisa básica, coleção zoológica e locais apropriados para exibição de vídeos e oficinas culturais. O patrimônio histórico restaurado servirá de base, também, para hospedagem de pesquisadores e turistas interessados em conhecer as riquezas culturais e naturais desta parte da Amazônia.  A previsão é de que o Museu entre em operação em 2018. 

Texto: Ana Carolina Pimenta - Ascom Sectet

Categorias: Notícias

Nota de falecimento

Prodepa - dom, 10/07/2016 - 18:45
Categorias: Notícias

Páginas