• White/Preto
  • Padrão

Current Style: Padrão

Governo do Estado do Pará

Você está aqui:
Subscrever feed Prodepa
Atualizado: 1 hora 10 minutos atrás

Prodepa lidera o ranking de registros de Propriedade Industrial no Pará

4 horas 13 minutos atrás
13/12/2018 - 15:45

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), de 2000 a 2017 o Pará realizou 117 depósitos relativos a Programas de Computador, sendo que nos últimos três anos 2015-2017 foram 47. A Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa), só este ano registrou 39, o que equivale a aproximadamente 83% do total realizado nos últimos três anos.

Em 2018, a Prodepa iniciou um processo de resgate dos registros de softwares desenvolvidos ao longo dos últimos anos. Apesar dos 65 anos de existência, a Empresa nunca havia feito o registro de nenhum software. “Registramos a inteligência dos softwares da Prodepa, garantindo a continuidade dos serviços”, disse o presidente, Theo Pires.

Com o registro do software, é criada a informação dentro do INPI, indicando que o software foi desenvolvido com tecnologia interna. É uma maneira de reconhecimento do trabalho dos autores, que foram responsáveis: analistas, programadores, stakeholders, as pessoas que deram as informações para a criação dos sistemas. “E se cria o hábito muito saudável do registro. Primeiro porque esse registro vai para um banco nacional de softwares registrados. Segundo, que passa a ter a identificação legal de que aquele software, aquele sistema foi uma ideia desenvolvida dentro de uma empresa estadual de tecnologia”, explica Lourenço Monteiro, diretor de Desenvolvimento de Sistemas da Prodepa.

No Brasil não existe a cultura do registro, principalmente na região Norte. Desde que a Prodepa passou a fazer os registros, de Abril pra cá, já são 39 sistemas registrados e 19 em processo de registro. “Temos a expectativa de alcançar um número bastante significativo registrando todos os sistemas que foram desenvolvidos nos últimos anos. Registramos todos dos últimos oito anos e alguns mais antigos, conseguimos recuperar as informações, inclusive das pessoas que desenvolveram, para efetivar esse registro”, comemora Lourenço.

Dentre os sistemas que foram registrados cabe destacar alguns, como o Pae (Processo Administrativo Eletrônico), que é um dos sistemas que está transformando a realidade da gestão digital de processos no Estado, utilizado por todos os órgãos do Estado. O Sisp (Sistema Integrado de Segurança Pública) é outro bom exemplo. Ele roda nas delegacias de polícia e dá para a Polícia Civil condições de fazer desde o registro do boletim de ocorrência até a investigação; e transformar isso num documento eletrônio a ser enviado ao Ministério Público e consequentemente ao Tribunal de Justiça, que é a integração da tecnologia.

Já o ‘Tá na Mão’ é um aplicativo mobile que representa a inovação, ou seja, para onde a tecnologia do governo do Estado está se encaminhando, que é a mobilidade. São três tipos diferentes de sistemas que foram registrados. O primeiro, um sistema corporativo que roda no estado todo; o segundo, um sistema específico, mas de extrema importância; e o último, um sistema que é para o cidadão.

Tags: Registros de softwares ranking INPI
Categorias: Notícias

Prodepa RA já está disponível

7 horas 46 minutos atrás
12/12/2018 - 12:15

Se você achava que objetos pulando para fora da tela era coisa de filme de ficção científica, está na hora de rever seus conceitos. Aliás, o que acontece com a Realidade Aumentada é o contrário: você pula para dentro do mundo virtual para interagir com uma nova dimensão no modo como executamos tarefas. Essa tecnologia já está disponível no Prodepa RA, o software de Realidade Aumentada desenvolvido pela Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa).

Hitoshi Seki, assessor da Prodepa, explica que Realidade Aumentada é uma tecnologia que permite que o mundo virtual seja misturado ao real, possibilitando maior interação. “O aplicativo lembra muito cenas do filme Harry Potter, quando mostrava um jornal e a imagem do jornal era animada, como se ela estivesse viva. O Prodepa RA faz isso também, só que através da tela do celular. Aponta-se o celular para uma imagem e essa imagem vai virar um vídeo, uma imagem em alta resolução ou até um áudio”.

O software de Realidade Aumentada é programado com imagens, sinais ou ações pré-definidas e as respostas que deverão ser dadas a elas. Quando o programa recebe essas informações, ele as interpreta e exibe a resposta, que pode ser desde uma simples forma geométrica até vídeos mais elaborados. O app está disponível para os sistemas IOS e Android e já pode ser testado no livro “Memórias da Prodepa”, lançado na terça-feira, 11. Nele é possível visualizar documentos antigos em alta resolução, áudios com entrevistas e vídeos, como se a foto estivesse ganhando vida.

Para o presidente da Prodepa, Theo Pires, o Prodepa RA pode ajudar o Estado a integrar mais informação ao cidadão paraense. “Vamos disponibilizá-lo a todas as secretarias de Estado para que elas possam colocar informações adicionais dentro de qualquer tipo de mídia. Qualquer coisa, qualquer cartaz, que o cidadão possa levar seu dispositivo móvel e receber informações adicionais sobre aquilo”.

Por Nátia Machado

Tags: ProdepaRA app Realidade Aumentada
Categorias: Notícias

Livro "Memórias da Prodepa" traz a trajetória de 65 anos da Empresa

ter, 11/12/2018 - 16:00
11/12/2018 - 16:00

O trabalho desenvolvido ao longo de 65 anos de existência pela Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa) foi reunido no livro “Memórias da Prodepa”, lançado nesta terça-feira (11) no auditório da Prodepa, com as presenças de servidores do órgão, do presidente Theo Pires e dos diretores.

A obra documenta a atuação da Prodepa, resgatando sua história de seis décadas e meia, por meio de uma trajetória alinhada à evolução das TIC, em prol da modernização dos serviços públicos e em benefício da sociedade paraense. “Nós precisávamos contar esta história, e antes de contá-la, resgatá-la. E na pesquisa, nós achamos relíquias no nosso acervo, como a primeira prestação de contas da Empresa. Foi um trabalho difícil, mas muito prazeroso”, conta Ana Valéria Prata, diretora de Relações Institucionais, funcionária há 32 anos, responsável pela concepção do projeto.

O livro também aborda importantes marcos e ciclos que assinalaram a evolução tecnológica nos serviços públicos do Estado. Na linha do tempo, a trajetória da Empresa associada à história da tecnologia e associada à história da administração pública. A Prodepa prestou e presta seus serviços em prol da administração pública. Todos os sistemas, equipamentos, a transformação da tecnologia antiga de mainframe para a microinformática, em todas as etapas da evolução da história da tecnologia do estado do Pará, a Empresa esteve sempre presente.

Os textos foram elaborados por Ana Valéria Prata de Almeida; Fernando José Bentes da Costa Nunes, Leila Riodades Daher Santos; Roberto Lopes Valente e Timara Souza Miranda.

Realidade Aumentada – Além das memórias, o livro apresenta a tecnologia Prodepa RA, que utiliza a realidade aumentada em suas várias formas midiáticas e interativas remetendo o leitor a um universo de realidade virtual aplicada ao mundo real. Por meio do aplicativo é possível visualizar documentos antigos em alta resolução, áudios com entrevistas de personalidades importantes na história da Prodepa e também visualizar vídeos, como se a imagem estática fosse criando vida, se tornando uma imagem em movimento.

Depois de apresentar o Prodepa RA, o presidente agradeceu a todos os envolvidos no projeto. “Agradeço a equipe que se dedicou exaustivamente ao longo do último ano e meio na elaboração do livro, para que as pessoas saibam a história da Prodepa, a importância de cada um nessa construção coletiva”, concluiu Theo.

Foram encaminhados à biblioteca da Empresa cinco exemplares do livro “Memórias da Prodepa” para constar do acervo bibliográfico institucional e ser fonte de pesquisa e leitura para o corpo funcional.

Tags: Prodepa 65 anos Livro Memórias
Categorias: Notícias

Coral é o destaque no hotsite do Prodepa Cultural

qui, 29/11/2018 - 14:05
29/11/2018 - 14:00

O destaque deste mês no hotsite Prodepa Cultural é o coral da empresa. O projeto surgiu em 2012, como ação do Programa de Valorização do Servidor Público da Prodepa e contou com a parceria da Fundação Carlos Gomes.

A primeira apresentação ocorreu em 08 de março de 2013, no evento em homenagem ao "Dia Internacional da Mulher". O local de sua primeira apresentação foi o Auditório da Prodepa.

Visite o hotsite Prodepa Cultural

Tags: prodepa culturalcoralprodepa
Categorias: Notícias

Novo Conselho de Administração toma posse

qua, 14/11/2018 - 15:49
14/11/2018 - 15:30

Em reunião na manhã desta quarta-feira, 14, tomaram posse os novos conselheiros do Conselho de Administração da Prodepa. O novo presidente é Carlos Alberto Monteiro. Fábio Braga Cavalcante. Thiago Freitas Matos. Theo Carlos Flexa Ribeiro Pires e Alzira Lanhellas Lima são os novos menbros. Na ocasião também foram aprovados o Código de Ética e o Regulamento Interno de Licitações e Contratos da Prodepa.

Tags: Conselho administração Prodepa
Categorias: Notícias

Prodepa lança o projeto Prodepa Cultural

qui, 04/10/2018 - 11:52
04/10/2018 - 11:45

O PRODEPA CULTURAL é um projeto voltado para demonstração das possibilidades de integração das tecnologias de informação com as expressões artísticas e culturais do nosso Estado.

O hotsite objetiva valorizar e promover o trabalho dos parceiros que, com suas artes, contribuíram com produtos e serviços de interesse público de forma não onerosa.

Categorias: Notícias

Acordo interliga sistemas da dívida ativa

qua, 03/10/2018 - 15:26
03/10/2018 - 15:15

A interligação dos sistemas informatizados da dívida ativa tributária e não tributária nas três Varas de Execução Fiscal de Belém foi o objeto de Acordo de Cooperação Técnica assinado, na manhã desta terça-feira, 2, entre o Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), o Governo do Estado e a Prefeitura Municipal de Belém. Com a interligação dos sistemas será possível o compartilhamento de informações com os juízes da Execução Fiscal acerca dos contribuintes, como pessoas física e jurídica ou grupo econômico.

A medida vai possibilitar celeridade das ações e reduzir a morosidade processual, pois facilita negociações fiscais, subsidia os magistrados com dados atualizados de débitos fiscais inscritos em dívida ativa e viabiliza a recuperação eficiente do crédito público nos processos de execução fiscal. Atualmente, as três Varas de Execução Fisca dispõem de 195 mil ações.

O acordo foi assinado pelo presidente do TJPA, desembargador Ricardo Ferreira Nunes. O Poder Executivo Estadual foi representado pelo procurador geral do Estado (PGE), Ophir Cavalcante, e pelo secretário de Fazenda do Estado do Pará (Sefa), Nilo Noronha;  o Poder Executivo Municipal, pelo secretário municipal de Finanças (Sefin), José Batista Capeloni Jr., e pelo procurador geral do Município de Belém (PGM), Daniel Coutinho.

Também assinaram o acordo o diretor-presidente da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa), Théo Pires, e o diretor-presidente da Companhia de Tecnologia da Informação de Belém (Cinbesa), João Bosco Vasconcelos. Participaram da assinatura ainda a corregedora de Justiça das Comarcas do Interior, desembargadora Vania Fortes Bitar, o desembargador José Roberto Bezerra Jr. e a subsecretária de Administração Tributária da Sefa, auditora fiscal de receitas estaduais Rute Tostes, além de procuradores do Estado e do Município.

A juíza Kédima Lyra, titular da 1ª Vara de Execução Fiscal e coordenadora do Macrodesafio Impulso às Execuções Fiscais no Plano de Gestão da Presidência do TJPA, explicou que a interligação do sistema informatizado da dívida ativa tributária e não tributária possibilita ao magistrado utilizar com mais rapidez e segurança ferramentas, como, por exemplo, Bacenjud, permitindo a penhora de dinheiro em instituições financeiras em nome do executado, para satisfação do crédito tributário objeto da cobrança judicial.

A magistrada explicou que, além do bloqueio de valores, o compartilhamento de dados possibilitará a utilização de outras ferramentas pelos juízes das Varas Fiscais, com ordens judiciais de restrições a veículos (Renajud), de inclusão de devedores no cadastro do Serasa (Serasajud), de indisponibilidade de bens imóveis por meio da CNIB, e de consultas sobre a situação de empresas através do Registro Mercantil Integrado (Regin), evidenciando a importância da tecnologia a serviço da justiça, pois todas as ferramentas citadas são utilizadas de forma on-line, evitando a burocracia das correspondências entre os órgãos, o que implica na redução de custos e da morosidade processual.

A interligação de sistemas permitirá o peticionamento eletrônico em lote de petições iniciais e intermediárias, por meio do modelo nacional de interoperacionalidade (MNI) definido pelo Conselho Nacional de Justiça, a citação eletrônica postal pelos Correios (E-Carta), a informação do número do processo e vinculação da Certidão de Dívida Ativa (CDA), a consulta de movimentação processual a partir do número do processo, além de serviços de consulta de cadastro de contribuintes, de valor atualizado e consolidado de débitos executados, de valores recuperados e de vinculação de processo judicial à CDA.

A juíza Kédima Lyra ressaltou que o desenvolvimento da interligação dos sistemas ocorrerá mediante divisão de tarefas a serem executadas pelas equipes de tecnólogos da informação (TI’s) de cada participante, a fim de padronizar parâmetros dos dados a serem interligados.

“A interligação do sistema possibilitará às Varas de Execução Fiscal e às Procuradorias do Estado e do Município de Belém, o compartilhamento de dados sobre o débito fiscal do executado/contribuinte, de forma mais rápida e segura, bem como facilitará a consulta cadastral e de débitos inscritos em dívida ativa do mesmo devedor, imprimindo maior celeridade processual na prestação jurisdicional”, esclareceu a coordenadora do macrodesafio.

O procurador geral do Estado, Ophir Cavalcante, disse que a integração dos sistemas vai possibilitar agilidade nas cobranças dos devedores. “A agilização das cobranças tende a mudar culturas. A cultura da inadimplência é muito elevada em nossa sociedade, pois o Estado não tem um instrumento eficaz de cobrança. Hoje, com a integração dos sistemas, tem possibilidade de mudar. O devedor sabe que se ficar devendo terá que pagar o quanto antes. O Estado avança para a modernidade, com instrumentos tecnológicos a favor da sociedade”, afirmou.

O município de Belém é o maior litigante de ações nas três Varas de Execução Fiscal. A Procuradora do Município contabiliza cerca de 190 mil ações. O procurador geral do município, Daniel Coutinho, ressaltou que a parceria contribuirá para que o Poder Judiciário não fique sobrecarregado com a quantidade de ações. “Estamos atentos a todos os movimentos que têm sido feitos em relação às cobranças e também quero reafirmar o compromisso de, cada vez mais, desjudicilizar as cobranças”, disse.

Sistemas

A secretária de Informática do TJPA, Nilce Râmoa, explicou que a interligação foi baseada em uma forma de comunicação entre os sistemas do Poder Judiciário (Libra e Processo Judicial Eletrônico), da Sefa, da Sefin e da PGE em um repositório, no qual as informações estão disponíveis para consumo dos órgãos integrantes do acordo de cooperação.

A juíza Kédima Lyra disse ainda que a ação demandou a execução de serviços na área de tecnologia da informação de cada órgão, inclusive da Secretaria de Informática do TJPA, que atuou de forma decisiva, principalmente na fase de testes e homologação dos serviços desenvolvidos, e será responsável pelo monitoramento do sistema informatizado de dados. O acordo incluiu cláusulas sobre responsabilidades dos cooperados, operacionalização, sigilo e segurança das informações.

A integração de dados, mediante cooperação e parceria entre os Poderes Executivo e Judiciário, está inserida nas ações de governança do Programa Nacional de Governança Diferenciada das Execuções Fiscais, instituído pelo Provimento nº 57, de 22 de julho de 2016, do CNJ.

De acordo com dados atualizados da Gestão Judiciária do TJPA, a 1ª Vara de Execução Fiscal, com competência municipal, contabiliza um acervo de 84.241 ações; a 2ª Vara de Execução Fiscal, também com competência municipal, contabiliza um acervo de 90.371 ações; e a 3ª Vara de Execução Fiscal, com competência estadual, contabiliza um acervo de 20.521 ações.

 

Fonte: Coordenadoria de Imprensa
Texto: João Vital e Will Montenegro
Foto: TJPA / Érika M Nunes Tags: TJ ACT
Categorias: Notícias

Postagens Suspensas

qui, 26/07/2018 - 15:01
26/07/2018 - 15:00

Postagens Suspensas

Categorias: Notícias

Deficientes terão carteira com QR Code para assegurar direito ao transporte intermunicipal

ter, 12/06/2018 - 15:12
12/06/2018 - 15:00

A Agência de Regulação e Controle dos Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon) inicia, na próxima segunda-feira, 11 de junho, o recadastramento para emissão gratuita da nova carteira para portadores de deficiência. O documento terá a utilização de QR Code, diminuindo o número de falsificações e garantindo o acesso gratuito dos cerca de 40 mil usuários ao transporte intermunicipal de forma moderna e segura. 

O novo modelo de carteira é uma iniciativa pioneira nos estados brasileiros. As empresas poderão utilizar o QR Code para identificar os usuários cadastrados. “Se as informações desse cadastro aparecerem na leitura do QR Code é porque a carteira é válida. Dá essa segurança para a empresa e para a pessoa com deficiência, porque ela vai deixar de disputar a vaga com uma pessoa que não tem deficiência, o que muitas vezes ocorre por conta da falsificação”, pontua o diretor geral da Arcon, Bruno Guedes. 

A Empresa de Tecnologia, Informação e Comunicação do Estado (Prodepa) foi responsável pela criação do aplicativo e será responsável pela sistematização das informações recolhidas pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa). Além desses dois órgãos parceiros, a Arcon conta com o apoio do Plano Existir, do Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC), que fará a mobilização das pessoas com deficiência para que busquem o recadastramento.

“O direito já existe, a gratuidade. O que vai mudar é o documento, que essa pessoa com deficiência vai ter a obrigação de portar. Primeiro, uma junta médica da Sespa faz a perícia desse usuário, identifica que ele é um portador de deficiência. Depois, as informações são encaminhadas para a Prodepa, que nos repassa. Por fim, o documento é entregue pela Sespa”, explica.

Tecnologia acessível

O aplicativo que reúne as informações dos usuários é o Siga, e já está disponível nas plataformas para download. Não será preciso internet para acessar o aplicativo. “É importante frisar isso, porque sabemos que em algumas posições do Estado temos dificuldade de acesso à internet. Então a pessoa pode embarcar em qualquer lugar do Estado que o app vai funcionar”, informa. 

“O aplicativo vai ler o QR Code e descriptografar os dados, e a partir daí, reproduzir na tela as informações. Um processo que garante toda a segurança, porque todas as informações que estarão no QR Code terão que bater com as que, de fato, estarão na carteira. E isso dificulta uma fraude”, explica Alan Amaral, responsável pelo projeto.

“O grande diferencial desse aplicativo é que ele não traz a necessidade de estar on-line. Nem todos os municípios possuem internet. Mas, a Arcon, em qualquer município, mesmo distante, vai poder saber se o usuário, de fato, tem direito àquela gratuidade. E o aplicativo Siga vai possibilitar também à Arcon maior controle do número de usuários deficientes que utilizam o transporte intermunicipal. Vamos possibilitar uma gestão de todos os números”, destaca Evandro Paes, gerente de Engenharia de Sistemas da Prodepa.

O serviço é 100% custeado pela Arcon. Bruno Guedes conta que essa ação se deu a partir das reivindicações das associações e movimentos de pessoas com deficiência, que apontaram o alto índice de falsificação. Segundo essas organizações, muitos portadores de deficiência chegavam para embarcar e eram informados que já havia atingido o número destinado a estes usuários no transporte. “Chegamos à conclusão que precisávamos dar mais segurança. Identificamos que a segurança da informação era um dos principais motivos, então procuramos a Prodepa”, concluiu.  

Benefício ampliado

A carteirinha poderá ser usada tanto no transporte terrestre, quando no hidroviário, em todos os 144 municípios do Estado do Pará. Se for identificado, durante a avaliação da junta médica da Sespa, que o usuário precisa de auxílio para locomoção, essa informação irá para a carteirinha e a gratuidade se estenderá também ao acompanhante da pessoa portadora de deficiência.

O documento irá trazer, além do QR Code, a foto do beneficiário. Uma empresa terceirizada já foi contratada e está providenciando o software para a instalação do programa. O aplicativo será instalado nos celulares dos fiscais, cobradores e operadores.

O recadastramento dos deficientes que utilizam o transporte público começa em Barcarena, nesta segunda-feira. O calendário segue por outras cidades polo, entre elas Santarém, Marabá e Altamira. As novas carteiras devem ser entregues já no segundo semestre de 2018.

Por Syanne Neno

Categorias: Notícias

Tá na Mão: novo aplicativo da Prodepa facilita o acesso do cidadão aos órgãos do Governo

ter, 27/03/2018 - 16:52
27/03/2018 - 16:45

Um aplicativo através do qual se consegue acessar todos os serviços informatizados do Governo do Estado, de uma forma prática e interativa. Esse é o “Tá na Mão”, app lançado pela Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa). O objetivo é aproximar o cidadão das soluções apresentadas pelo governo, além de permitir que os órgãos conheçam as demandas apresentadas pela sociedade de forma efetiva, e assim possam dar soluções rápidas. Com a interação com a população, o gestor irá poder fazer o mapeamento do que está sendo demandado pela sociedade em determinado momento e região geográfica do estado, e assim, tomar as medidas necessárias.

Usabilidade- A primeira versão do “Tá na Mão” foi lançada em fase de testes, mas agora virá de uma forma definitiva e arrojada. O app traz uma interface totalmente diferente em termos de usabilidade. O usuário irá encontrar mais simplicidade em um aplicativo que segue as novas tendências dos que são utilizados hoje, tanto na versão Android, quanto na versão IOS.

Através do app, o usuário poderá ver toda a lista de reclamações que ele fez em sua linha do tempo. A interação será otimizada através do “Push”, serviço de comunicação automática.

Se autorizado pelo usuário, o aplicativo enviará notificações a medida em que seu pedido/ reclamação for sendo atendido ou mudar de status. Basta o cidadão baixar, instalar e manter o aplicativo, para quando precisar, estar com o canal de comunicação na mão. A pessoa irá fazer uma solicitação, e poucas horas depois, chegará uma notificação indicando que vai haver um tratamento ou solução.

O atendimento será individualizado. Cada órgão participante da solução terá uma tela de monitoramento individual, na qual serão apresentadas, ao vivo, no momento durante o qual são cadastradas as demandas, onde o status que estará sendo apresentado informará quem registrou, assim como a hora, data e local, incluindo as fotografias e o texto que a pessoa enviou.

Entre os serviços que estarão disponíveis através do aplicativo, estarão: Procon ( denúncias);Cosanpa ( notificação de vazamento); Ponto Cidadão ( problema na emissão de boletim de ocorrência, boletim de mal atendimento, assalto a ônibus, assalto em posto de saúde e notificação sobre violência em ambiente escolar); Semas ( notificação sobre desmatamentos); Corpo de Bombeiros ( notificação sobre incêndios); e Prodepa ( notificação sobre hotzone sem sinal de internet)

“Em vez de o cidadão ir a um site, requisitar algum serviço do estado, agora ele tem consolidado todas as funcionalidades que o estado oferece, já informatizadas, em um único lugar. Todos os serviços disponibilizados pelo governo estarão ao alcance da população, de uma forma prática e interativa nesse aplicativo”, pontua o presidente da Prodepa, Theo Pires.

Texto: Agência Pará

Categorias: Notícias

“Alerta Celular”: aplicativo ajuda cidadãos e polícia a recuperar aparelhos furtados

sex, 23/03/2018 - 10:29
23/03/2018 - 10:30

O Governo do Pará já colocou à disposição do cidadão uma nova ferramenta para auxiliar no combate e redução dos índices de furtos e roubos de telefones celulares no Estado. Por meio do site "alertacelular.pa.gov.br", qualquer pessoa poderá cadastrar seus telefones celulares em um banco de dados virtual.

As informações sobre a nova ferramenta foram apresentadas a jornalistas, nesta quinta-feira (22), pelo delegado-geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, e pelo presidente da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa), Théo Pires, na Delegacia Geral, em Belém. O objetivo é reduzir e inibir os números de furtos e roubos de celulares e a comercialização ilegal dos aparelhos.

O delegado geral destaca que o telefone celular desponta em primeiro lugar entre os objetos mais cobiçados por ladrões atualmente. Firmino ressalta que sempre é importante que as pessoas registrem boletim de ocorrência em caso de roubo ou furto, ou até perda do telefone celular, pois o aparelho pode ser usado depois por bandidos em crimes.

 O boletim de ocorrência é importante também para a Polícia Militar, pois é, a partir das informações registradas nos BOs, que as operações policiais são planejadas para prevenção de crimes. "É importante para as equipes policiais nas ruas saberem quais as áreas que estão tendo mais registros de roubos", detalha.

Theo Pires explica que a ideia de lançar a ferramenta virtual surgiu no ano passado, após parceria firmada entre a Prodepa e o Governo de Pernambuco para colocar em prática no Pará o mesmo projeto já utilizado no Estado nordestino e que vem gerando resultados positivos.

Segundo ele, no Pará, existem muitos telefones celulares apreendidos em Delegacias de Polícia, sem ter como identificar o proprietário. Dessa forma, com os dados do celular cadastrados no site, haverá possibilidade de saber a quem pertence o aparelho em caso de recuperação do objeto por meio de pesquisa no banco de dados cadastrados no site. O dono poderá receber de volta o aparelho apresentando a nota fiscal de compra.

Por meio das novas ferramentas digitais, explica o delegado geral, será possível saber se um aparelho é ilegal. O Alerta Celular estará integrado ao sistema de registros de boletins de ocorrência usado nas Delegacias do Pará - Sistema SISP 2 - que é acessado pela Internet. Dessa forma, qualquer policial civil poderá usar o banco de dados do Alerta Celular para consultar informações sobre um determinado aparelho.

Para Rilmar Firmino, a parceria firmada entre a Prodepa e o Governo de Pernambuco no lançamento do programa de redução de roubos e furtos de celulares é fundamental para o Pará. "Em Pernambuco, o projeto despontou e foi um sucesso. Houve uma redução do número de furtos e roubos de celulares em quase 30% no ano passado e aumentou em 80% o índice de recuperação de aparelhos telefônicos", ressalta. Segundo ele, além de Pernambuco, o Alerta Celular existe em outros Estados, como Minas Gerais e São Paulo.

Como é feito o cadastro e funciona o sistema

Para cadastrar telefones celulares é simples. Primeiro, basta acessar na Internet o site alertacelular.pa.gov.br. Em seguida, o cidadão vai informar os dados pessoais, como números de CPF, Registro Geral de Identidade e e-mail. Após criar uma senha, será a vez de fazer o cadastro dos dados do telefone celular ou dos telefones celulares que estiverem em seu nome, informando dados dos aparelhos, como IMEI (International Mobile Equipment Identity) e número de série. Para saber qual o número do IMEI, explica Theo Pires, basta anotar o número que está descrito na caixa do telefone celular ou digitar no telefone o código *#06#. O número do IMEI é um registro oficial do telefone celular, um código único de identificação existente em todo aparelho.

Caso o telefone celular seja perdido, furtado ou roubado, o dono do aparelho deverá acessar o site, por meio de sua senha, e ativar o item "Modo de Alerta". Dessa forma, em caso de recuperação do aparelho, a autoridade policial terá como confirmar, por meio do site, que o aparelho foi furtado, perdido ou roubado, e a quem pertence o objeto. Ele ressalta que, no próximo mês será lançado um aplicativo do Governo do Estado para telefones celulares denominado Tá Na Mão, no qual irão constar diversos serviços digitais oferecidos pelo Estado, dentro de um único aplicativo.

De acordo com Hitoshi Seki, assessor da Prodepa e responsável pelo sistema, mesmo recuperando uma série de celulares roubados, a polícia não tem como identificar o dono, pois não tem como chegar pelo IMEI em quem é o proprietário daquele aparelho. "Através do Alerta Celular vamos fazer com que isso se torne realidade. A polícia captura um dispositivo roubado e pelo IMEI ela identifica quem são os possíveis donos daquele aparelho, pois as informações estarão no sistema", afirma. 

Uma segunda versão já está sendo pensada, e terá uma integração maior com o SISP 2.0 (Sistema Integrado de Informações de Segurança Pública - um conjunto de módulos integrados que permitem registrar, organizar e distribuir informações). A solução é integrada entre Polícia Civil, Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Superintendência do Sistema Penal (Susipe) e Departamento Estadual de Trânsito (Detran), além do Ministério Público e Tribunal de Justiça do Estado (TJE/PA).

Hitoshi explica como vai funcionar. "O cidadão chega à delegacia, o responsável vai pesquisar se aquele dispositivo pertence mesmo a esse dono. E no momento em que for aberto o B.O., automaticamente vai abrir uma comunicação com o Alerta Celular para se tomar uma providência, como colocar o celular em estado de alerta ou alimentar a base de dados do SISP 2.0", diz. 

* Colaborou: Nátia Machado - Ascom Prodepa

Por Walrimar Santos

Categorias: Notícias

Tecnologia que auxiliará deficientes físicos

seg, 12/03/2018 - 15:49
12/03/2018 - 15:45

Com um projeto inovador, a equipe de Engenharia de Sistemas da PRODEPA cria carteirinha de identificação do usuário criptografada.

A inclusão de portadores com necessidades especiais ao transporte interestadual motivou a Agência de Regulamentação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (ARCON), a buscar opções que darão maior segurança e cidadania a essas pessoas, e para que o projeto fosse elaborado e executado, a Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (PRODEPA) entra com a sua equipe de Engenharia de Sistemas para mais esse desafio.

No Brasil cerca de 6,2% da população tem algum tipo de deficiência. A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) considerou quatro tipos de deficiências: auditiva, visual, física e intelectual. No estado do Pará esse número é considerável, segundo dados do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 23,61% dos paraenses possuem algum tipo de deficiência. A população que possui alguma limitação visual, auditiva, motora, intelectual ou mental ultrapassa o número de um milhão, significa que um a cada cinco paraenses é portador de alguma necessidade especial e grande parte dessas pessoas moram nos diversos municípios do estado e muitas das vezes sofrem pela má vontade e desrespeitos das outras pessoas que falsificam os seus documentos para usufruir do benefício que é do deficiente físico, como o da gratuidade no transporte interestadual.

Para que a pessoa tenha mais segurança, dignidade e respeito, a equipe de Engenharia de Sistemas da Prodepa desenvolveu uma carteirinha, mas não é uma carteirinha qualquer, pois ela possui um sistema integrado de tecnologia: PCDcard, Cryptor e Harpia. Vamos entender melhor como funciona!

PCDcard: significa Cartão de Pessoas Com Deficiência, essa é a carteirinha que contém foto, nome, e dados de identificação, atrás da carteirinha existe um Qr Code, que foi gerado pelo Cryptor.

Cryptor: trata-se de um sistema seguro desenvolvido para criptografar as informações de cada usuário, esse sistema é anti-hacker, ou seja, dificulta o roubo de dados ou a falsificação de terceiros para benefício próprio. Para tudo isso tem que existir o leitor, que é o Harpia.

Harpia: é um aplicativo para celular desenvolvido para ler apenas as informações do Cryptor, ou seja, esse sistema decifra o código que está atrás da carteirinha com as informações sobre o suário. Esse aplicativo pode ser baixado nas lojas virtuais e de graça, será usado principalmente por cobradores e motoristas de transporte interestadual para a identificação do deficiente físico que possui o PCDcard.

Não precisa de internet para utilizar o aplicativo!

Sabemos que em algumas regiões o acesso à internet é ruim, não tem sinal de telefonia, pensando nessa problemática, a equipe de Engenharia de Sistemas da Prodepa, criou o aplicativo para ser usado mesmo sem conexão a internet, ou seja, ele consegue ter a mesma precisão e dará a informação sobre o usuário em qualquer localidade de nosso estado.

Segundo o gerente de Engenharia de Sistemas da PRODEPA, Evandro Paes, o sistema tem grandes objetivos. "Para o futuro a gente pretende acabar com a falsificação de documentos. e depois poder ser utilizando em qualquer lugar, tendo ou não internet. O primeiro e principal foco seria nesses dois pontos. Tudo isso foi criado com o intuito de acabar com a falsificação de documentos, e a ideia é que isso sirva para todo e qualquer documento em um futuro próximo e que possa atingir o estado do Pará como um todo. É um desafio muito grande colocar pra rodar um sistema em um lugar onde não tem internet, e isso torna o nosso sistema em um sistema inovador!", conclui Evandro.

Mas como tudo isso funcionará?

Primeiro a pessoa entra em contato com a ARCON, verifica o local de cadastramento e seguida vai até o local onde será cadastrada pelo sistema PCDcard com todos os dados pessoais do deficiente físico. Após tudo isso o Cryptor gerará o código na carteirinha e assim o usuário já poderá usufruir de seus benefícios que é a gratuidade assegurada para utilizar o transporte interestadual com mais segurança e dignidade. Esse sistema já está em fase de testes pela equipe da PRODEPA e espera apenas o aval da ARCON para que seja utilizado.

Texto: Welington Barata

Gerência de Comunicação Prodepa

 

Categorias: Notícias

Página não encontrada

seg, 05/03/2018 - 16:27
Esta página não pode ser encontrada.
Categorias: Notícias

Acesso negado

seg, 05/03/2018 - 16:26
Esta página não pode ser exibida
Categorias: Notícias

'Programa Internet Para Todos' deve democratizar o acesso a web no oeste do Pará, em 2018

seg, 26/02/2018 - 08:54
26/02/2018 - 08:30

 "Programa Internet Para Todos" do governo federal deve chegar aos municípios do oeste do Pará ainda em 2018. O anúncio foi feito pelo ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, durante o evento de lançamento do programa na região realizado na tarde deste sábado (24), no Centro Municipal de Informação e Educação Ambiental (CIAM), em Santarém.

O programa visa levar internet gratuita a todos os municípios brasileiros. E para participar do programa, a gestão do município interessado deve habilitar e assinar um convênio com o governo federal. A partir disso, antenas serão instaladas gratuitamente na região, de modo a distribuir banda larga em um raio de até 2 quilômetros.

Para o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, não é um sonho, pois para que o programa saísse do papel foi preciso de planejamento e um investimento de três bilhões de reais. O projeto foi acelerado, e está sendo tratado com celeridade. "Se o município mostrar interesse ainda na próxima semana, com certeza a antena será instalada em maio. E olha que para um ministro dar a certeza, é um compromisso muito grande" garantiu o ministro.

Segundo Gilberto, a primeira levada de instalação tem equipes preparadas para implantar 200 antenas por dia.

A demanda dentro do oeste do Pará já vinha de tempos, segundo o prefeito de Santarém, Nélio Aguiar. "Há comunidades dentro do município de Santarém que precisa viajar por 12 horas de barco. É distante. A dificuldade também se reflete na conexão de internet" disse.

Além disso, o gestor mencionou o caso das inscrições do Processo Seletivo Simplificado de professores, realizado no início de fevereiro, onde muitos candidatos estiveram dificuldades ao realizar a inscrição, por conta da conexão. Ele ainda lembrou que foi preciso a gestão adotar procedimentos especiais para sanar o problema.

Dentro dos investimentos, em março de 2017 teve o lançamento de um satélite ao espaço - o primeiro sendo administrado inteiramente pelo governo brasileiro. Com seis toneladas e sete metros de comprimento, o aparelho, além de prometer cobertura de internet em 100% no país, ainda pretende alavancar a segurança comunicacional no territórionacional.

A importância do programa pode ser percebida pela presença de autoridades de diversões municípios, como de Terra Santa, Doca Albuquerque; de Porto de Moz, Berg Campos; de Placas, Raquel Brandão; de Mojuí dos Campos, Jailson Alves; e os deputados Coronel Neil, Júnior Ferrari, Joaquim Passarinho. Além desses, o presidente da Câmara dos Vereadores de Santarém, Antônio Rocha também compôs a mesa.

Acesso

Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2016, a internet está presente em 63,6% dos lares. O acesso de 94% desses é por meio de aparelho celular.

Isso é resultado das políticas públicas que tratam da democratização do acesso às tecnologias da informação, a chamada 'Inclusão Digital'.

Porém, um incluído digitalmente não é aquele que apenas utiliza essa nova linguagem, que é o mundo digital, para trocar e-mails, mas aquele que usufrui desse suporte para melhorar as suas condições de vida a fim de buscar novas oportunidades de emprego, meios de comunicação, formas de obter aprendizado entre outras. Assim, trazer mais benefícios para a vida pessoal e profissional do cidadão.

A inclusão digital, para acontecer, precisa de três instrumentos básicos, que são: dispositivo para conexão, acesso à rede e o domínio dessas ferramentas, pois não basta apenas o cidadão possuir um simples computador conectado à internet para que ele seja considerado um incluído digital. Ele precisa saber o que fazer.

Navegapará

"Navega Pará" é um programa do governo do Pará, que tem o objetivo parecido com o "Programa Internet Para Todos" com a diferença de incorpora ações estruturantes que interligam redes dentro do estado do Pará por diversas tecnologias de telecomunicações, como rádio e fibra óptica, possibilitando o acesso e a disponibilização de serviços públicos digitais, por meios de sistemas e outras soluções web, em diversas regiões do Estado.

Fonte: G1 Santarém

Tags: Internet para Todos Santarém Oeste
Categorias: Notícias

Microfilmagem e Digitalização

qui, 22/02/2018 - 11:27
banner: tipo: Notícia
Categorias: Notícias

Comunicação de Dados

qui, 22/02/2018 - 11:14
banner: tipo: Notícia
Categorias: Notícias

Soluções em Data Center

qui, 22/02/2018 - 10:47
banner: tipo: Notícia
Categorias: Notícias

Nova carteira de gratuidade dá mais segurança às pessoas com deficiência

qua, 07/02/2018 - 13:37
06/02/2018 - 13:00

 

Dirigentes da Associação dos Deficientes do Município de Abaetetuba (Adema) estiveram, na manhã desta segunda-feira (5), na Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon-PA) para reunir informações sobre o processo de emissão das novas carteiras, que vão garantir o direito à gratuidade às pessoas com deficiência e dar mais segurança ao documento. O período de emissão da carteira pela Agência está previsto para o primeiro semestre deste ano.

O diretor de controle financeiro e tarifário da Agência, José Croelhas, recebeu os membros da Adema e apresentou todos os dados acerca dos procedimentos já iniciados para emissão das carteiras. José Rodrigues, Odival Tenório e Odineia Magno, presidente, tesoureiro e conselheira da Associação, respectivamente, externaram o contentamento da entidade ao saberem do estágio avançado da parceria entre a Arcon-PA, a Secretaria de Saúde do Estado (Sespa) e a Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado (Prodepa), que garantirão a realização do benefício.

"Os 1.361 associados da nossa entidade veem com enorme entusiasmo o interesse da Arcon-PA em solucionar, definitivamente, um problema crônico que entristece as pessoas com deficiência no Estado. Agora sim, de fato, com essa carteira, nós teremos resguardados os nossos direitos de ir e vir", avaliou o presidente José Rodrigues.

A conselheira Odineia Magno, por sua vez, frisou que "a sensibilidade e a decisão da atual diretoria da Agência em buscar soluções para os diversos percalços que foram surgindo e varridos, ao longo dessa caminhada, foram decisivos às boas notícias que agora chegam".

José Croelhas esclareceu que as melhorias que serão adotadas para a garantia a universalização da gratuidade no transporte intermunicipal à pessoa com deficiência, conforme estabelece a lei, "cumprem um cronograma bem afinado entre a Arcon-PA e a Sespa, a quem caberá, através de suas juntas médicas, emitir os laudos dos interessados e reunir toda documentação para envio à Prodepa, que emitirá o documento final".

"Valeu muito a pena ouvir, por quase duas horas, dois anos atrás, lá no Conselho Estadual, todos os relatos de verdadeiras atrocidades que vinham sendo cometidas por alguns operadores no trato aos deficientes, porque naquela ocasião percebemos que a causa não cabia mais nenhum tipo de adiamento ou desculpa para ser resolvida. Finalmente, essas pessoas terão a resposta que sempre mereceram", complementou Croelhas.

Vanessa Pinheiro

Tags: Arcon gratuidade carteira
Categorias: Notícias

Novo sistema da Prodepa integra dados e agiliza cobrança da Dívida Ativa

seg, 05/02/2018 - 10:30
03/02/2018 - 10:30

Certidão de Dívida Ativa Web Service (CDA-WS). Esse é o novo sistema desenvolvido pela Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa) para auxiliar na automação de envio de Certidões de Dívida Ativa (CDAs) entre a Secretaria da Fazenda (Sefa) e Procuradoria Geral do Estado (PGE). O sistema está preparado para receber as informações de lotes de CDAs e enviar o próprio arquivo em PDF do documento. A PGE recebe os dados em lotes, as informações da empresa, o valor e o PDF em anexo. Com essas informações reunidas, o processo é criado de forma automática.

Antes, as informações eram recebidas em CDs ou pen-drives e o sistema era alimentado manualmente, dado por dado. Agora, com a automatização do sistema, se economiza tempo, além de recursos financeiro e humano. Em cada ponta – Sefa e PGE – haverá um sistema, para integração dos dados. O próximo passo será incluir o Tribunal de Justiça do Estado (TJE). “É um desafio muito grande esse, de integrar três órgãos. Tivemos que entender o cenário, definir a melhor plataforma, a melhor tecnologia a ser utilizada e desenvolver a solução”, explica Evandro Paes, gerente de Engenharia de Sistemas da Prodepa.

Para Adriana Bessa, procuradora da Dívida Ativa do Interior e Cobranças Não Tributárias, o novo sistema e outras ações de integração que estão sendo desenvolvidas estão mudando a forma de cobrança dessa dívida, trazendo mais benefício para o Estado. “Antes, as CDAs eram encaminhadas via ofício e era preciso digitar todas as informações no sistema. Considerando a quantidade de certidões, era uma missão bem complicada. Começamos a trabalhar nessa nova etapa e já sentimos uma diferença considerável na execução do trabalho. Teve uma remessa do que eles chamam de legado, com mais de 5.900 CDAs, das quais apenas 10% apresentaram algum problema e foram devolvidas à Sefa”, diz.

Quanto mais tempo se demora para cobrar uma dívida, menor é a probabilidade de recebê-la. Hoje, apenas 1% do montante é pago. Sem contar que a mesma força de trabalho empregada para a cobrança de mil créditos, por exemplo, o que demorava um mês, agora pode cobrar até dez mil créditos. “Quando o projeto estiver completo acredito que será uma revolução. Aumentando a eficiência na cobrança, poderemos obter um resultado melhor, com um percentual maior de pagamento e também de arrecadação”, comemora a procuradora.

“Estávamos com atraso de mais de um ano com o processo manual. Às vezes, quando finalmente se fazia a cobrança, a empresa nem existia mais. Íamos fazer a citação e descobríamos que ela não estava mais funcionando no local informado, nem conseguíamos encontrar os sócios. Mas reduzindo esse lapso temporal, a probabilidade de evitarmos essas situações é muito maior”, conta.

Segundo o cronograma oficial do Tribunal de Justiça do Estado, até maio de 2019 todas as comarcas dos 144 municípios paraenses estarão utilizando o Processo Judicial Eletrônico, ou seja, não precisarão mais de papel. Todas as ações serão ajuizadas por computador. “Hoje, o mais importante é essa integração, essa transmissão dos dados, que a Sefa nos envia diretamente e automaticamente já são processados pelo nosso sistema. Com alguns cliques conseguimos reproduzir a CDA. Isso nos deu um boom de produtividade. O que fazíamos em uma semana agora é feito em um único dia”, informa Michel Ribeiro, assistente da PGE.

Toda a cadeia de recuperação da dívida do Estado estará digitalizada e integrada, tanto no âmbito da gestão estadual, entre Sefa e PGE, quanto externamente, com relação ao TJE, otimizando tempo e economizando trabalho humano e recursos materiais. “Já sentimos isso hoje, pois já conseguimos fazer a revisão em tela e imprimir o material condensado, específico para cada comarca”, revela Michel.

O CDA-WS vai permitir acelerar a produção e, consequentemente, melhorar a efetividade das cobranças do Estado. Além de melhorar a qualidade do trabalho, o sistema reduz a possibilidade de falhas. “Como a nossa participação se resume mais à revisão dos processos, com a nova metodologia a possibilidade de inserirmos um dígito errado, por exemplo, é muito menor. O sistema vai mandar a petição eletronicamente para o Judiciário. No caso das comarcas do interior que ainda não utilizam o Processo Judicial Eletrônico, nós enviaremos a petição para o procurador, que a assinará e nos devolverá, para que a despachemos via Correios, por protocolo postal”, explica Sérgio Marinho, assessor da Procuradoria.

Tags: Certidão de Dívida Ativa Web Service (CDA-WS) PGE
Categorias: Notícias

Páginas