• White/Preto
  • Padrão

Current Style: Padrão

Governo do Estado do Pará

Você está aqui:
Subscrever feed Sectet
Atualizado: 28 minutos 25 segundos atrás

StartUp Pará

seg, 24/08/2020 - 10:45
24/08/2020

StartUp Pará encerra primeira etapa com 75 projetos pré-aprovados

A lista dos selecionados será divulgada pelo governo do Estado na próxima semana

Será divulgada na próxima semana, no Diário Oficial do Estado, a lista com os 75 primeiros selecionados do Edital StartUp Pará, estratégia do governo estadual para fomentar o empreendedorismo de base tecnológica, por meio da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisa (Fapespa) e Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet).

Foram 106 inscritos nas modalidades "Novos Negócios" e "Aceleração". Tão logo a lista seja publicada, os selecionados serão convocados a enviar uma nova documentação, no prazo de três dias, para as novas etapas do certame. As propostas escolhidas na fase inicial são, principalmente, das áreas de Tecnologia da Informação (TI), Agrotecnologia, Biotecnologia e Saúde.

Paralelamente, Fapespa e Sectet estão fazendo o Mapeamento do Ecossistema de Inovação, que criará oportunidades para que todos os interessados se apresentem e mostrem suas demandas. Essa reunião de informações deve ser a base da elaboração de novas políticas públicas, editais e outras iniciativas de apoio e fomento.

"Com isso, queremos saber o grau de maturidade que temos no campo da inovação, como o Estado exerce essa dita 'nova economia'. A partir desses dados, poderemos ter uma maior confiabilidade para propor novas ações que venham a fortalecer e unificar esse ecossistema", explica a coordenadora do StartUp Pará, Maria Trindade.

Cenário - Para fazer parte do Mapeamento basta acessar o site startuppara.fapespa.pa.gov.br, no link "Mapeamento do Ecossistema de Inovação", que fica na aba Iniciativas. Será preciso informar localização, área e tempo de atuação do empreendimento, se é público ou privado, e outros dados. "Assim, nós saberemos quantas startups temos, quantos produtos chegaram ao mercado, de que forma esses serviços estão chegando à população, e são essas informações que ajudarão para que tenhamos uma política pública mais consolidada e popularizada em todo o Estado", reforça a coordenadora.

Toda e qualquer atividade que envolva inovação é alvo do Mapeamento. "Não serve necessariamente só para o pessoal de TI. Às vezes é sobre um processo de extração, às vezes é algo desenvolvido pelas universidades, que são o nosso local de capital intelectual. É todo esse cenário dos empreendedores, empresas juniores e espaços de coworking", exemplifica Maria Trindade.

Inicialmente, o Mapeamento estava previsto para terminar no final de agosto, mas deve ser prorrogado até setembro, para que a Sectet possa propor uma comunicação mais interativa com o público e estimular o cadastramento. 

Nova etapa - StartUp Pará recebeu 76 inscrições na categoria "Novos Negócios", das quais 60 preencheram os pré-requisitos - que neste momento são apenas de conformidade e legalidade. Na modalidade "Aceleração" foram 30 inscritos e 15 selecionados. Somente nas próximas fases ocorrerão as análises qualitativas.

Serão destinados à iniciativa R$ 3,5 milhões, sendo investidos até R$ 2,8 milhões diretamente nos projetos. Para a modalidade Aceleração, as propostas devem ser de até R$ 200 mil, e para a modalidade Novos Negócios, de até R$ 80 mil. Os demais recursos financeiros serão usados no desenvolvimento do programa.

O Edital StartUp Pará foi lançado pelo governo do Estado no início de fevereiro deste ano. Dúvidas podem ser encaminhadas para o e-mail startuppara@fapespa.pa.gov.br. A lista dos selecionados pode ser conferida AQUI.

Texto: Carol Menezes (Agência Pará)

Foto: Agência Pará

Categorias: Notícias

Programa Forma Pará chega na segunda fase com 955 novas vagas em cursos de ensino superior

sex, 21/08/2020 - 09:51
21/08/2020

O governo do Pará, através da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Educação Superior Profissional e Tecnológica (Sectet), dá continuidade a segunda fase do programa Forma Pará. O lançamento oficial será no próximo dia 25 de agosto em uma live com o governador do estado, Helder Barbalho. Serão oferecidos cursos em convênios com a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), a Universidade do Estado do Pará (Uepa), a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e o Instituto Federal do Pará (Ifpa). Nesta etapa, 955 vagas serão ofertadas por todo o Pará.

O processo seletivo será realizado via Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa, Fadesp, por conta da pandemia. Os editais serão publicados em setembro e as provas devem ser realizadas em dezembro. O calendário pode sofrer alterações, de acordo com o cenário da Covid-19 no Pará, para garantir a segurança de todos os candidatos.

O programa Forma Pará foi lançado em 2019 e tem o objetivo de oferecer capacitação, através do acesso ao ensino superior. Foram contemplados, inicialmente, 14 municípios em convênios firmados com a Ufpa, Uepa, Unifesspa e Uepa. Nesta segunda etapa, a Sectet firmou convênio com a UFRA e IFPA.  “Com a segunda fase, vamos alcançar 21 novas turmas. E a previsão é que tenham novas chamadas a cada ano, com o objetivo de interiorizar vários cursos para que as pessoas tenham acesso. E cada região tem sua peculiaridade e encaixamos com os cursos correspondentes para a formação de mão de obra especializada para cada município”, explica a secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes.

Nesta fase serão ofertados os seguintes cursos e municípios: gastronomia, em Icoaraci e Salinas; Agronomia, em Goianésia do Pará, Mocajuba, Ourém, Ulianópolis e Cachoeira do Piriá; licenciatura da computação em Mosqueiro; licenciatura em física em Muaná, licenciatura em História em Marituba; rede de computadores em Dom Eliseu; licenciatura em ciências biológicas em Novo Repartimento; ciências contábeis em Bom Jesus do Tocantins; engenharia florestal em Tailândia; administração em Abel Figueiredo; pedagogia em Itupiranga; medicina veterinária em Piçarra; psicologia em Jacundá e zootecnia em Ourilândia do Norte.

Para o acadêmico de administração na UFPA em Bagre, a oportunidade do Forma Pará veio transformar a realidade da sua região, possibilitando acesso à universidade pública e contribuindo para a formação de mão de obra qualificada no município. "Vejo o programa como uma oportunidade de mudar de vida, atribuindo melhorias para o município e visando o bem estar da população. Para nós conterrâneos foi uma oportunidade de mudar de vida, estudar em faculdade pública, nos possibilitando conhecimento, para juntos mudarmos futuramente a gestão do nosso município", disse Jesus Malato.

Serviço: Lançamento dos novos cursos do Forma Pará dia 25/08, às 11h, nas redes sociais e agência oficial do Governo do Pará.

Texto: Larissa Noguchi (Secom)
Foto: Ascom/Sectet

Categorias: Notícias

Governo do Pará entrega escola técnica de Santana do Araguaia

seg, 17/08/2020 - 08:50
17/08/2020

“Essa escola representa para mim a realização de um sonho que eu nunca pensei que um dia fosse se tornar realidade. Hoje entrar nesse espaço e ver o tamanho dessa estrutura dentro do nosso município é para se emocionar”, disse o jovem Gabriel Oliveira, durante o ato de entrega da Escola de Ensino Técnico (Eetepa) de Santana do Araguaia, no sul do Pará.

Com a presença do governador do Estado, Helder Barbalho, a escola, que teve suas obras retomadas no ano passado, foi entregue à população da cidade na tarde desta quinta-feira (13).

“Hoje estou realizando um desejo de muito tempo, entregando essa escola fantástica para o povo de Santana do Araguaia. Acompanhei esta obra parada, abandonada, e hoje, passado um ano e meio de governo, estou aqui para dizer que a escola Tecnológica está pronta e entregue ao município. Acima de tudo, estamos renovando o compromisso com Santana do Araguaia, que possamos trabalhar cada vez mais para que esse município possa crescer e se desenvolver, e olhar pela educação é resgatar compromissos. Fazer obras de infraestrutura faz com que Santana viva um novo momento” - governador do Estado, Helder Barbalho.

A unidade de ensino vai oferecer cursos profissionalizantes voltados para a vocação socioeconômica da região. O espaço é composto por 12 salas de aula, auditório, laboratórios de informática, laboratórios especiais, biblioteca, anfiteatro, quadra esportiva coberta, bicicletário e motário.

No bloco de vivência, os alunos vão dispor de área de recreio coberta, cozinha, despensa, despensa fria, vestiários, cantina, dentre outros espaços.

Além do governador, também estiveram presentes na cerimônia de entrega a secretária de Estado de Educação, Elieth Braga; o secretário de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica, Carlos Maneschy; o presidente do Banpará, Braselino Assunção; o presidente da Companhia de Habitação do Estado do Pará, Adler Silveira; e o deputado estadual, Alex Santiago.

“A conclusão desta obra significa a renovação da vida das pessoas. Uma escola como essa tem que ser abraçada pela comunidade, peço para que a população cuide deste espaço, pois ele significa transformação, educação e novas oportunidades. Essa escola tem toda estrutura, é um local diferenciado. Quero dizer que o governador Helder me deu como missão a conclusão desta obra, ele tem um carinho muito especial por este município. A educação é prioridade nesta gestão, por isso, parabenizo o governo do Estado por concluir o que estava esquecido” - Elieth Braga, secretária de Educação do Pará.

A estrutura física do prédio também conta com um bloco administrativo, que possui sala dos professores, sala de multimídia dos professores, diretoria, coordenação pedagógica, coordenação de estágio, sala de reprografia, almoxarifado, secretaria, auditório e banheiros.

A princípio, quando as aulas presenciais retomarem, o prédio será utilizado para atender os alunos da Escola Estadual Jorceli Sillva Sestari, que está passando por obras e tem previsão de ser entregue nos próximos meses. Nesse tempo, será elaborado o projeto pedagógico da escola tecnológica, inclusive ouvindo o município.

“Para mim foi muito gratificante acompanhar a conclusão dessa obra, foi uma responsabilidade muito boa, é algo que acrescentou na minha vida dentro da educação. Já trabalho há mais de 40 anos na área em Santana do Araguaia. Esta escola apareceu como uma benção, pois agora teremos um local maravilhoso para os alunos, eles vão ficar bem acomodados até a entrega da nossa Escola Jorceli e será muito melhor para o aprendizado deles. Eu agradeço imensamente ao nosso governador por ter permitido estarmos aqui. Os jovens de Santana do Araguaia há tempos lutam por outros cursos e mais opções, eles estão muito gratos e ansiosos pelas novas oportunidades que chegam juntamente com essa escola”, contou a diretora da Escola Estadual Jorceli Sillva Sestari, Aldenora de Carvalho.

A unidade possui capacidade para atender 1.440 alunos, que terão a oportunidade de se prepararem para o mercado de trabalho de acordo com a demanda da sua localidade.

“Esse é o um momento singular na história do município. Como professor, estou honrado por estar inaugurando uma escola. Para mim, é a cerimônia mais importante que acontece em qualquer cidade, pois é na escola que cultuamos o que é mais valoroso para o ser humano: o saber. Construir aqui uma escola profissional significa um novo tempo para esse município, pois precisamos capacitar e dar oportunidade aos jovens que aqui residem, eles precisam de opções para trabalhar e ter renda e emprego” - Carlos Maneschy, secretário de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica.

“Este é o cenário, nessa escola vamos olhar com importância e cuidado para o interesse do município. Queremos saber da população quais as necessidades, quais cursos eles querem, vamos em busca de alcançar o interesse da comunidade. Esse é o tempo de novas oportunidades no município. O compromisso do governador com a educação é claro e o nosso trabalho é para alcançar os melhores indicadores na educação do Estado”, completou o titular da Sectet.

O prefeito explicou que a região é muito próspera e essa oportunidade de profissionalizar os jovens acrescenta no potencial de Santana do Araguaia. “A entrega dessa escola é muito importante para nossa cidade, para o nosso jovem. Hoje, recebemos uma das maiores escolas estaduais do Pará. Isso nos orgulha muito, só engrandece o nosso município e garante oportunidade para todos, aos nossos alunos e aos pais deles. Agradeço ao governador, pois tenho 40 anos de Santana do Araguaia e nunca um Governo investiu tanto em nosso município”, pontuou o prefeito do município, Zé do Quinca.

Movimento Educa Pará

No início do ano passado, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) criou o movimento Educa Pará: todos juntos pela garantia de aprender. O programa busca a construção de laços colaborativos entre estado, municípios, gestores públicos e educadores, para implementar no Pará a Agenda da Aprendizagem.

O Educa Pará tem se materializado de três formas e uma delas é na infraestrutura. Essa é 37° escola que o governo do Estado entregou. São unidades de ensino reformadas, ampliadas ou reconstruídas.

“Eu não consigo descrever com palavras a importância dessa obra para nossa cidade. Andar nesses corredores, entrar nas salas, me fez ter vontade de voltar a estudar. Espero que logo eu possa voltar como aluno, para desfrutar de tudo que estará disponível e aprender bastante dentro desse espaço que foi construído para a população de Santana. Assim que essa escola foi anunciada, foi algo que nos deu uma esperança de tempos melhores para nós, jovens, mas logo depois a obra foi paralisada e nós passávamos aqui na frente e só dava tristeza, tudo ficou abandonado. Ano passado, a obra foi retomada, e hoje estou aqui para aplaudir de pé. O governo do Estado está de parabéns e estou muito grato”, acrescentou Gabriel Oliveira.

Auxílio Habitacional

Durante a agenda em Santana do Araguaia, o governo do Estado entregou para auxílio habitacional para 50 famílias, por meio do programa Sua Casa. Gerenciado pela Cohab, o benefício assegurou mais de R$ 405 mil para a construção e reforma de casas.

"Criado na gestão do governador Helder, o Sua Casa garante dois auxílios importantes: o primeiro voltado para compra de material de construção civil e o segundo para o pagamento da mão-de-obra. Desta forma, garantimos o cumprimento da promessa de campanha de levar melhoria aos lares paraenses, principalmente, de quem não conseguia construir tendo apenas o material" - Adler Silveira, presidente da Cohab.

Asfalto por Todo Pará

Outro investimento do Governo do Estado no município de Santana do Araguaia é o programa “Asfalto Por Todo Pará”. Cerca de 3 km de pavimentação asfáltica e drenagem superficial estão sendo executados na cidade.

 

Texto: Bianca Buenaño (COSANPA)

Foto: Agência Pará

 

 

Categorias: Notícias

Parceria entre Estado e Hydro garante conclusão da escola técnica em Barcarena

qui, 13/08/2020 - 09:18
13/08/2020

O governo do Estado deu mais um passo importante para garantir formação profissionalizante de qualidade em todo o Pará. Em parceria com a empresa Hydro, foi firmado na noite desta quarta-feira (12) um termo de compromisso para a construção da Escola de Trabalho e Produção de Barcarena, no nordeste paraense, que representa um investimento de R$ 25 milhões. A previsão é de que a obra seja entregue à população em 2021.

O acordo foi a solução encontrada pelo governador Helder Barbalho para a conclusão de um projeto iniciado há quase 12 anos, com milhares de reais em recursos públicos investidos, mas que não foi concluído. O projeto executivo passará por aprovação da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), mas todos os custos serão arcados integralmente pela empresa, que mantém no município a refinaria Alunorte e a fábrica de alumínio Albras. O documento foi assinado por Helder Barbalho e pelo vice-governador, Lúcio Vale. Outras autoridades também testemunharam o ato de assinatura.

"Não é uma nova contratação, não envolve dinheiro público, não é o imposto do paraense. Amanhã, eu e Lúcio vamos a Santana do Araguaia, na divisa do Estado com o Mato Grosso e o Tocantins, entregar uma escola técnica. Mês que vem, entregamos a de Breves. E até o fim deste ano, a de Xinguara. Ano que vem teremos, além da de Barcarena, a de Novo Progresso, e daremos início às de Parauapebas e Tomé-Açu. Esta é uma pauta que não pode ficar em segundo plano. Um povo só se desenvolve pelo conhecimento", enfatizou o governador.

Estrutura - Pelo projeto idealizado pelo Governo do Pará, a escola contempla estruturas comuns de auditório, biblioteca, laboratórios, áreas de vivência, teatro de arena para ações culturais, quadra poliesportiva e refeitórios, em uma estrutura inclusiva e acessível, desenvolvida com padrão arquitetônico de alto nível.

Ainda de acordo com o governador, os investimentos em uma cidade como Barcarena, que tem o porto mais importante do Norte do País, precisam ter efeito duradouro. "Até 2022 começam as obras da ferrovia que fará ligação com a ferrovia Norte Sul, com o Brasil. Precisamos preparar esse lugar para um novo tempo. Para paraenses, barcarenenses e brasileiros. Para o hoje e para o amanhã", reiterou Helder Barbalho.

A construção da escola deve gerar cerca de 250 vagas de empregos temporários, e serão priorizadas as contratações de fornecedores e mão de obra no próprio município.

Justiça social - "A Hydro está empenhada em contribuir de forma relevante para uma sociedade mais justa e viável, e para o desenvolvimento sustentável dos territórios nos quais está inserida. Essa iniciativa está alinhada a nossa estratégia de Responsabilidade Social Corporativa, que é orientada pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ONU)", ressaltou Anderson Baranov, vice-presidente de Relações Governamentais da multinacional norueguesa. 

Para o vice-governador, é fundamental priorizar ações que resultem em maior qualidade da educação oferecida pelo Estado. "Em uma ação firme, o governador Helder Barbalho destravou algo parado há mais de uma década, e pelo qual a população tanto espera", frisou Lúcio Vale.

Emprego e renda - Titular da Sectet, o secretário Carlos Maneschy afirmou que a escola técnica em Barcarena sinaliza uma mudança na vocação da própria Secretaria. "É investir em educação, e de maneira mais especial, em educação profissional. Estamos falando de um município vocacionado para o sucesso, e que precisa formar sua gente para a oportunidade de emprego e renda. É um compromisso do governador oportunizar pela experiência na escola a formação profissional que transforma suas vidas pra melhor", reforçou.

O prefeito de Barcarena Paulo Alcântara (MDB), confirmou a inabilidade das gestões anteriores em entregar um instrumento de formação tão necessário. "O que foi feito acabou depredado, e muitos não puderam se formar, entrar no mercado de trabalho", acrescentou.

Deputado estadual com atuação na região de Barcarena, Renato Ogawa (PL) destacou a importância da Escola de Trabalho para a juventude do município. "E também para as famílias barcarenenses, pela possibilidade de formação e ingresso profissional em um município que tem possibilidades empresariais e de indústria", acrescentou.

Moradia – Na ocasião também foi entregue o benefício do Programa Sua Casa para 60 famílias de Barcarena. O programa habitacional gerenciado pela Companhia de Habitação do Pará (Cohab) investiu mais de R$ 357 mil na construção e reforça das casas dos beneficiários.

"O recurso que foi repassado será utilizado pelas famílias na conclusão da obra. Desta forma, o governo está cumprindo com a promessa feita diretamente para a melhoria das habitações. O nosso programa já chegou aos quatro cantos do Estado", frisou o presidente da Cohab, Adler Silveira.

Texto: Carol Menezes (Agência Pará)

Fotos: Ana Carla Lima (Parápaz-Agência Pará)

 

Categorias: Notícias

A produção e a disseminação de notícias falsas são discutidas em live promovida pela Sectet

qua, 12/08/2020 - 11:44
12/08/2020

Nesta terça-feira (11), servidores da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) debateram sobre os prejuízos causados pelas chamadas fake news, notícias falsas ou retiradas de contexto, principalmente neste período de pandemia. A live, iniciada às 9h30, teve como mediadora a coordenadora da Assessoria de Comunicação (Ascom) da Sectet, a jornalista Fernanda Graim, e como expositores o coordenador de jornalismo da rádio CBN, Danilo Pires, e o tecnólogo em Processamento de Dados, Augusto Motta, da equipe de Tecnologia da Informação (TI), da Sectet.

A realização de lives quinzenais faz parte das atividades do Programa Amplo de Valorização do Servidor, iniciativa do Núcleo de Acolhimento Psicossocial da Coordenação de Gestão de Pessoas (CGepes), ligada à Diretoria de Administração e Finanças (DAF) da Secretaria. A servidora Cristina Quirino, da CGepes, deu as boas vindas aos participantes e ressaltou que as reuniões virtuais são uma forma de aproximar os servidores dos diversos setores da secretaria e falar sobre temas atuais, assuntos referentes à rotina de trabalho ou ainda questões que atingem a todos, mesmo em suas vidas privadas.

Fernanda Graim iniciou as discussões falando sobre como as informações falsas colocam em descrédito o jornalismo e propagam discursos de ódio por meio das redes sociais. “Sabemos que há iniciativas que estão pressionando os responsáveis pelas plataformas de redes sociais a combaterem as fake news, como empresas que deixam de fazer anúncios nesses sites. Mas como nós podemos identificar e agir diante delas?”, questionou a coordenadora da Ascom Sectet, chamando ao debate o jornalista Danilo Pires.

Características - O coordenador de jornalismo da rádio CBN explicou como funciona a rotina para checar informações numa redação e quais são as características de uma notícia falsa, dando dicas de como identificá-las. “Verificar a fonte, procurar o link original, identificar o período em que a informação foi divulgada e procurar ver se a informação tem base científica ou é apenas baseada em uma opinião”, destacou Danilo Pires. Ele deu como exemplos casos de informações sobre receitas caseiras que levariam à cura da Covid-19, baseadas em crendices e não em informações cientificamente comprovadas.

O debate também destacou os prejuízos que uma informação falsa pode causar a quem é levado a usar receitas erradas para combater uma doença e as consequências à vida das pessoas vítimas de fake news, como casos extremos de agressões físicas a indivíduos acusados injustamente de terem cometido crimes. Augusto Motta falou sobre a dificuldade de se retirar da internet as notícias falsas. “A disseminação de uma fake news é muito rápida. Mas, mesmo por determinação da Justiça, a eliminação dessas mensagens em milhões de servidores é muito lenta. E se alguém, que baixou a mensagem ou fez print, republicar, ela volta a viralizar”, lembrou Augusto.

Conscientização - Dessa forma, tanto Augusto como Danilo e Fernanda chamaram atenção para a conscientização das pessoas em não repassar mensagens das quais não tenham certeza da veracidade. Adriana Nascimento, psicóloga da Sectet, falou sobre a empatia, a capacidade de se preocupar com o outro. “É preciso se preocupar se a mensagem que se pretende compartilhar não vai prejudicar alguém, caso não seja verdadeira”, disse.

Depois de duas horas de debate, a live foi encerrada com os agradecimentos a todos que participaram. “Nossos agradecimentos a todos, especialmente ao Danilo, à Fernanda e ao Augusto e aos demais que fazem parte do desenvolvimento do programa de valorização do servidor da Sectet. Este é um espaço de diálogo aberto a todos”, frisou Rita Matini coordenadora da CGepes”.

A próxima live será no dia 25 de agosto, com a participação do fisioterapeuta Thiago Rodrigues, mestre em saúde coletiva, que irá falar sobre “Como aliviar tensões durante a crise: o papel das terapias corporais”. Adriana Nascimento ressalta que os servidores podem enviar sugestões de temas que podem ser debatidos durante as lives. “Todos que queiram sugerir temas e participar como expositores podem e devem nos procurar. Inclusive a participação é extensiva aos familiares dos servidores. Todos são muito bem vindos”, destaca Adriana.

 

Categorias: Notícias

Matrículas do curso técnico em saúde bucal serão realizadas de 17 a 21/08

seg, 10/08/2020 - 10:30
10/08/2020

Os candidatos selecionados para fazer o curso Técnico em Saúde Bucal devem fazer a matrícula no período de 17 a 21 deste mês. O curso é ofertado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), em parceria com a Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Pará (UFPA), com a interveniência da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp).

Os 40 aprovados na seleção foram divididos em cinco grupos de oito pessoas para fazer a matrícula em cada dia da próxima semana, evitando aglomerações, como orienta o protocolo de prevenção contra a pandemia da Covid-19.

Os candidatos devem comparecer nas respectivas datas, no Serviço Integrado de Diagnóstico Oral e Atendimento Odontológico para Paciente Especial - Sidope, localizado na faculdade de Odontologia, Campus da UFPA, no horário de 8h às 14h, portando documento de identificação original com foto e usando máscara, obrigatoriamente. 
A não efetivação da matrícula implica em reconhecimento de desistência do aluno, que fica automaticamente eliminado. Mais informações podem ser obtidas pelo 3201-8366. Confira AQUI nomes e datas de matrícula.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Programa Meu Endereço completa um ano de atuação nos bairros do TerPaz

sex, 07/08/2020 - 09:01
07/08/2020

Iniciativa assiste famílias com cursos, capacitações e quer entregar 6.400 kits Meu Endereço, conjunto de peças técnicas que inclui a planta do imóvel, localização e parecer de condições de moradia

O programa “Meu Endereço – lugar de paz e segurança social”, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) em parceria com Universidade Federal do Pará (UFPA), completou um ano de atuação nos sete bairros atendidos pelo programa Territórios pela Paz (TerPaz), do Governo do Pará. Ao todo, 1.300 famílias já foram ouvidas e participaram de ações propostas pelo programa.

Titular da Sectet, Carlos Maneschy explica que, em geral, as pessoas em vulnerabilidade social não têm informações sobre várias situações de direitos de cidadania, como o próprio endereço. “Muitas vezes, a sua moradia não tem registro, não há informações sobre limitações do seu próprio terreno e o programa tem a ideia de mapear tudo isso, dando o suporte de informações sobre direitos das condições de cidadania e convivência urbana".

As equipes do programa têm formação diversa, a exemplo de historiadores, engenheiros, advogados, geógrafos, sanitaristas, entre outros profissionais. Todos foram selecionados nos bairros atendidos pelo projeto, o que facilita a interação social e a confiança no relacionamento durante a coleta de dados na comunidade. As informações são sobre as demandas relacionadas com a assistência técnica, resolução de conflitos socioambientais, suporte tecnológico ao endereço certo, regularização fundiária e os encaminhamentos aos programas sociais do governo.

Segundo Myrian Cardoso, coordenadora do projeto e professora da Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFPA, foi debatido com as comunidades a importância do direito à cidade, assim como, a importância do levantamento de informações para cumprimento de normas de ordem pública. 

"Nós fizemos um trabalho de orientação à comunidade, de acolhimento de demandas, rodas de conversa, de vistorias técnicas e temos uma lista de espera por atendimento na comunidade. Então, neste montante de procedimentos, alcançamos 1.300 famílias", observou a coordenadora.

 A expectativa é de que em quatro anos, o programa atenda 16 mil famílias com orientações, cursos e capacitações e 6.400 kits Meu Endereço, que é o conjunto de peças técnicas (planta do imóvel, localização e parecer de condições de habitabilidade de moradia e estrutural).

Texto: Larissa Noriguchi (Secom)
Fotos: Bruno Cecim e Marcelo Seabra (Agência Pará)

Categorias: Notícias

Fapespa e Sectet iniciam o levantamento do Ecossistema Pará

ter, 04/08/2020 - 14:19
04/08/2020

Teve início nesta segunda-feira (3) o levantamento de informações para a base de dados do Ecossistema de Empreendedorismo e Inovação do Estado do Pará - Ecossistema Pará, que faz parte do Programa Startup Pará, desenvolvido pelo governo do estado por meio da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisa (Fapespa) e da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet). A coordenadora do Startup Pará, Maria Trindade, explica que o Ecossistema Pará irá concentrar informações sobre o ecossistema de inovação do estado que irá nortear as políticas públicas do governo para o setor.

“Ciência, tecnologia e informação são fundamentais para o desenvolvimento e crescimento econômico, além de gerar renda e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Nós não temos uma base de dados para mapear ações concretas de políticas públicas voltadas para isto, então, é nessa perspectiva que esse mapeamento vem trabalhar para servir de direcionamento para novas políticas públicas”, salienta a coordenadora.

Mapeamento - O projeto tem o objetivo de mapear as instituições de base tecnológica, ICTs (Instituições de Ciência e Tecnologia), instituições de ensino, parques de ciência e tecnologia, incubadoras, startups, aceleradoras, empresas iniciantes, investidores e hubs de inovação e demais empreendimentos que formam o ecossistema de inovação do estado.

Para fazer esse levantamento, o programa disponibiliza em seu site um questionário que precisa ser preenchido por empreendedores e representantes de startups e demais instituições que compõem o ecossistema de inovação do Pará.

“O Ecossistema Pará é parte das ações que buscam tornar o Pará um ambiente amigável para empreendedores, sendo estratégico para apoiar nossas decisões, tão necessárias para as políticas públicas”, destaca o Secretário Carlos Maneschy.

Iniciativa - Para Fábio Mendes, que trabalha com tecnologia e informação há 10 anos, todos os programas que incentivam o crescimento das iniciativas tecnológicas são fundamentais para a aceleração e crescimento de empresas da área tecnológica.

“Quando você vai a um banco, por exemplo, é difícil conseguir empréstimo, pois não tem crédito para startup. Então, todos esses programas são muito importantes para a gente. O governo precisa estar integrado com esse tipo de novas empresas. Se isso acontece, há o senso de integralidade”, ponderou o empreendedor.

Recentemente, a empresa de Fábio Mendes lançou um aplicativo chamado Pimpo, que tem o objetivo de guardar dados sobre a saúde das crianças. A plataforma permite que pais e médicos possam deixar registradas informações sobre consultas, medicamentos, calendário de vacina e detalhes sobre os filhos. Tudo isso para deixar as informações arquivadas de maneira mais prática e à mão no celular, informou o empreendedor.

Contribua com o Ecossistema Pará preenchendo o formulário aqui

Texto: Compilado pela Ascom Sectet a partir de publicações da Secom (Larissa Noguchi) e da Fapespa.
Foto: Agência Pará (Marcelo Seabra)

Categorias: Notícias

Chamamento CDR

sex, 31/07/2020 - 10:52
31/07/2020

Chamamento para propostas de projetos

A BioTec-Amazônia passou a conduzir no estado do Pará a implantação do Centro de Desenvolvimento Regional – CDR/PARÁ, que será realizado em etapas, por cada região do Estado.

O CDR tem por objetivo mobilizar as competências disponíveis nas instituições de ciência e tecnologia, nos órgãos das esferas federal, estadual e municipal e nas entidades do setor produtivo para colocar em prática projetos que ficaram apenas no papel ou nas prateleiras dos laboratórios e que podem, se colocados em prática, impactar positivamente no desenvolvimento local.

Diante dessa constatação, a BioTec-Amazônia está mobilizando os  pesquisadores, grupos de pesquisa, empreendedores, profissionais e demais entidades interessadas, atuantes na área da bioeconomia, para, até o dia 14 de agosto de 2020, apresentarem propostas para a composição de uma carteira de projetos, conforme critérios e diretrizes que foram elaborados,  para que seus resultados sejam aplicados em favor da sociedade.

Abaixo, os links para o Chamamento e Formulário.

CHAMAMENTO PARA PROPOSTAS DE PROJETOS

Anexo – Formulário

Fonte: http://biotecamazonia.com.br/

Categorias: Notícias

'Pesquise na Quarentena' incentiva troca de conhecimento durante a pandemia

qua, 29/07/2020 - 09:27
29/07/2020

Uma forma de fazer os pesquisadores continuarem a compartilhar os resultados de seus estudos motivou a criação da campanha "Pesquise na Quarentena", iniciativa da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa). A primeira etapa, envolvendo a adesão de bolsistas de cursos de graduação ao projeto, já foi encerrada, e uma nova deve se abrir em agosto para mestrandos e doutorandos.

De acordo com o coordenador de bolsas da Fapespa, Alexandre Diniz, a campanha surgiu da discussão sobre como disponibilizar o conteúdo produzido pelos profissionais de pesquisa. "Em vez de conteúdo por meio de artigo, que é mais demorado, exige criação de comissão, pensamos em fazer depoimentos por podcast, ainda mais agora em quarentena. Veio a ideia de algo voltado a esse momento", informou. Atualmente, cerca de 500 pesquisadores integram a iniciativa.

Com o apoio de pró-reitorias da Universidade do Estado do Pará (Uepa), Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), que têm convênios com a Fundação pelo período 2019-2020, bolsistas de diferentes áreas do conhecimento foram contatados. Layane Sena, estudante do 8º semestre de Terapia Ocupacional na UFPA, foi uma das participantes da primeira etapa do "Pesquise na Quarentena", com um projeto voltado ao ensino de repertório de leitura, construção e escrita à mão para crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA).

"Recebi um convite por e-mail, falando que estavam realizando essa campanha, e quis participar para mostrar o trabalho que tem sido desenvolvido, que não parou por causa da pandemia. Até porque eu conto com o apoio dos pais, que receberam treinamento antes da crise sanitária e desenvolvem as atividades em casa com os filhos, e me passam os resultados", contou a estudante.

Troca de conhecimento - O ponto alto da campanha é que na plataforma criada para o compartilhamento todos os pesquisadores têm acesso aos conteúdos dos demais bolsistas - inclusive por meio dos podcasts de um minuto, que resumem os resultados obtidos. "Isso foi muito importante. A troca é muito válida, porque a Universidade é muito grande, há vários projetos sendo desenvolvidos, e assim podemos conhecer um pouco melhor sobre", disse Layane Sena. "A gente parou o presencial, mas a pesquisa não para", reforçou a estudante.

"É muito legal criar a oportunidade de os estudantes se ouvirem. Nesta segunda etapa, a abordagem é diferente, porque são trabalhos que variam entre 24 e 48 meses de duração, e a ideia é mostrar o que já temos de resultados obtidos. A atuação em campo pode ter parado, mas todos os outros processos não: conferências, reuniões e defesas seguem no remoto. O ganho é circular a informação. Não é uma campanha desenvolvida para apresentar relatório, mas de estimular a disseminação da pesquisa", enfatizou Alexandre Diniz.

Estímulo – A estudante Flávia Alcântara Coutinho, do 8º semestre de Biomedicina do Centro Universitário Metropolitano da Amazônia (Unifamaz), desenvolve uma pesquisa sobre doença hemolítica do recém-nascido, pela Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa). Ela também integrou o grupo de estudantes de graduação que fez parte da primeira etapa do "Pesquise na Quarentena". "Achei muito importante, porque me incentivou a continuar pesquisando, buscando eventos on-line para submeter resultados que eu já tinha. Pelos podcasts deu para conhecer outros laboratórios, setores de outros bolsistas", contou Flávia, que desenvolve a pesquisa há um ano.

"O ganho, além da contribuição para minha formação pessoal e profissional, é divulgar a respeito de uma doença tão importante para a comunidade científica, não só para a hematologia, mas para a comunidade obstétrica e médica em geral", ressaltou.

Texto: Carol Menezes (Secom)

Fotos: Divulgação

Categorias: Notícias

Sectet divulga nomes dos 40 selecionados para a turma de Técnico em Saúde Bucal

ter, 28/07/2020 - 16:21
28/07/2020

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) divulgou, na tarde desta terça-feira (28), os nomes dos 40 candidatos selecionados para o curso Técnico em Saúde Bucal, oferecido pelo órgão em parceria com a Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Pará (UFPA), que será executora do curso, e com interveniência da Fundação de Amparo ao Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp).

O curso, de caráter teórico-prático, tem o objetivo de proporcionar a educação profissional em saúde bucal, no nível habilitação profissional de Técnico de Saúde Bucal. São 1.200 horas de carga horária, das quais 150 serão destinadas a estágios de aprendizagem, orientados e supervisionados pela Universidade.

No total foram realizadas 1.513 inscrições, no período de 4 a 6 de março, para as 40 vagas ofertadas. Desses candidatos, primeiramente 60 foram selecionados para a etapa de entrevista com os professores da Faculdade de Odontologia da UFPA. Entretanto, devido ao isolamento social exigido para a contenção da pandemia de Covid 19, o processo seletivo ficou suspenso até meados do mês de julho quando mais 14 pessoas foram chamadas para participar da segunda etapa do processo de seleção.

Os nomes dos candidatos selecionados para integrarem a turma de técnico em saúde bucal pode ser encontrado AQUI. A Sectet divulgará na próxima semana as datas para matrículas e início das aulas.

 

Texto: Fernanda Graim – (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Casa da Cultura de Salinópolis: Governo valoriza patrimônio histórico e incentiva pesquisa

seg, 27/07/2020 - 09:21
27/07/2020

O governador Helder Barbalho visitou, na manhã desta sexta-feira (24), as obras de construção da Casa da Cultura de Salinópolis. O espaço, que terá capacidade para promover eventos para mais de 500 pessoas, conta com auditório, sala de informática, biblioteca e salas de pesquisa. O projeto da Casa da Cultura é todo financiado pelo Estado e deve ser entregue ainda no segundo semestre deste ano.

“Salinas irá ganhar um rico espaço, a Casa da Cultura será um equipamento que trará para o município uma estrutura que fortalece a cultura, o acesso à informação e também amplia os ambientes de lazer e turismo para cidade”, comentou Helder Barbalho.

Durante a visita, o chefe do executivo destacou a dimensão da obra que além de valorizar a cultura, proporciona a geração de emprego e renda na região. “Neste espaço teremos ambiente de leitura, bibliotecas multifuncionais, teremos também espécies da fauna da nossa região, mostrando também a riqueza dos nossos peixes. Além disso, teremos um local adequado para estimular turismo de eventos, convenções, gerando emprego e desenvolvimento para região, além de embelezar ainda mais o município”, disse o governador.

A Casa da Cultura Fonte do Caranã vai funcionar no Espaço Fonte do Caranã, um local que vai incentivar, administrar e organizar atividades culturais no município, além de conservar o patrimônio histórico, artístico e cultural da cidade. 

Pesquisa - Também participaram da visita, o Secretário de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica, Carlos Maneschy, e o presidente da Companhia de Habitação do Estado do Pará, Adler Silveira.

“Teremos três grandes espaços para reuniões públicas, com capacidade para 500, 300 e 100 pessoas. Uma biblioteca para atender toda população e espaços de internet para que alunos possam fazer suas pesquisas. E é também um lugar para receber pesquisadores de várias áreas, que vão trabalhar em pesquisas voltadas ao interesse local. Aqui será um ambiente que completa o que é feito na academia, na experiência universitária”, explicou o secretário Carlos Maneschy.

“Essa obra é um exemplo que o governo do Pará investe na criação de espaços de cidadania, e busca fazer com que a população compreenda a importância do que representa a ciência, a tecnologia e a inovação para todos nós”, acrescentou Maneschy.

O arquiteto do projeto, João Castro Filho, contou que o prédio de quatro andares, instalado em uma área de 1.800 m², terá formato de peixe. “Vamos aproveitar a água da fonte do Caranã para fazer um lago aquário com peixes da região. Dentro desse lago irá emergir o prédio, no térreo terá um espaço para apresentações, no segundo andar terá um auditório multimídia e as salas para pesquisa, no terceiro andar será uma grande biblioteca e no quarto andar teremos o mirante que será parte da vista para cidade e outra para o mar”, detalhou o arquiteto.

O local será gerenciado pela Universidade Federal do Pará, por meio de convênio entre a instituição e o governo.

Fonte: Agência Pará

Categorias: Notícias

Governo firma parcerias com municípios para garantir acesso ao EnemPará

seg, 27/07/2020 - 09:11
27/07/2020

A plataforma EnemPará já faz parte da rotina de diversos alunos da rede pública de ensino que concorrem a uma vaga no ensino superior por meio do Exame Nacional do Ensino Médio. Lançada no último dia 29 de junho, a plataforma digital foi desenvolvida pelo Governo do Pará, por intermédio das secretarias de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) e de Educação (Seduc), com apoio do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá).

A equipe que coordena a iniciativa trabalha para garantir a participação dos estudantes que têm dificuldades de acesso a equipamentos (notebooks, tablets e celulares) e a uma boa conexão de internet. Por isso, desde a concepção da plataforma, o Governo do Pará vem buscando soluções, em parceria com as secretarias de Educação dos municípios.

“Nós procuramos todas as prefeituras do Estado, pois sabemos que a realidade do estudante não é 100% com acesso aos equipamentos adequados ou a uma boa internet. Pesquisas mostram que, na rede pública, é algo em torno de 30%. Este contato com as prefeituras foi feito em duas frentes. Primeiro, para que elas pudessem ajudar com a divulgação da plataforma, e depois que viabilizassem nos municípios o que chamamos de polos, que seriam, na verdade, uma sala de informática com computadores e acesso à internet, para que esses alunos pudessem participar, ampliando o público atendido”, informou o coordenador do EnemPará, Yuri Santiago.

Um dos municípios que está atendendo à proposta do Estado é Canaã dos Carajás. A secretária Municipal de Educação, Roselma Milano, disse que não foi necessário fazer nenhum investimento significativo para disponibilizar quatro polos de atendimento aos estudantes, sendo três na área rural e um na área urbana. Foram utilizadas as estruturas das escolas já existentes, com computador e internet, para que os alunos pudessem ter acesso à plataforma do EnemPará.

Ela informou que uma equipe da Secretaria está responsável por organizar o acesso dos alunos aos polos, a fim de que sejam obedecidos todos os protocolos de segurança exigidos neste momento de pandemia, com disponibilização de álcool em gel, máscaras e luvas. Além disso, após cada atendimento, é feita uma pausa de 30 minutos para que os equipamentos sejam higienizados. “Em meio a este cenário de tantas incertezas em razão do que estamos vivendo, para nós participar do projeto EnemPará é uma honra. Essa estratégia, que é muito significativa no processo de ensino-aprendizagem, incentiva os nossos jovens a continuarem buscando uma alternativa para prosseguir com os estudos”, avaliou a secretária.

Alternativas - O coordenador do EnemPará contou que outros municípios planejam oferecer as aulas de outras formas, como transmiti-las em espaços amplos e arejados, por exemplo ginásios municipais, contando inclusive com aulas presenciais dos professores da rede local de ensino. Outra ideia seria a criação de parceria com empresas dos municípios, para que liberem seus sinais de wi-fi quando encerrarem o expediente, garantindo aos estudantes do entorno acesso à internet.

“Dessa forma, estamos tentando ampliar o acesso na tentativa de reduzir a ausência de equipamentos e internet. Além disso, as próprias secretarias têm sugerido alternativas de forma criativa e independente. Temos muita disposição em ampliar essas parcerias”, afirmou Yuri Santiago, destacando que o governo do Estado também está buscando maneiras de viabilizar franquias que possibilitem que os dados móveis dos alunos não sejam consumidos durante a navegação na plataforma EnemPará.

Integração – A plataforma EnemPará busca diminuir as distâncias e garantir a integração por meio do acesso à informação, garantindo que os estudantes da rede pública estadual de ensino não sejam prejudicados na preparação ao exame nacional, e que a necessidade do distanciamento social não se torne obstáculo no acesso ao conhecimento.

Durante a primeira quinzena de funcionamento, a plataforma recebeu quase 10 mil visitas, com duração média de 11 minutos cada, feitas de 3.900 dispositivos diferentes. São 5.468 estudantes cadastrados, com 1.458 realizando as atividades constantemente, assistindo às videoaulas, fazendo os exercícios e participando de simulados. Dos acessos às videoaulas, 66% foram feitos por meio de celulares. A maioria dos estudantes ativos, cerca de 40%, é da Região Metropolitana de Belém. O acesso é feito das 8 às 20 h, com uma média de 150 alunos por hora na plataforma.

Serviço: Os estudantes interessados na plataforma devem se inscrever AQUI.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Foto: Divulgação

Categorias: Notícias

Servidores participam de live sobre saúde emocional durante a pandemia

qua, 22/07/2020 - 10:47
22/07/2020

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) deu início nesta terça-feira (21) ao Programa Amplo de Valorização do Servidor, iniciativa do Núcleo de Acolhimento Psicossocial da Coordenação de Gestão de Pessoas (CGepes), ligada à Diretoria de Administração e Finanças (DAF) do órgão.  Uma live com o tema “Saúde Emocional em Tempos de Pandemia: Como Estamos?”, realizada de 9h30 às 11h30, marcou o início das atividades do Programa.

“Tenho certeza de que esta iniciativa será um sucesso, pois proporciona e incentiva a aproximação cada vez maior entre nós, o que nos levará a nos conhecer e nos compreender melhor, nos fortalecendo no ambiente de trabalho e nos ajudando a cumprir nosso objetivo enquanto servidores públicos que é servir sempre e cada vez melhor a sociedade”, disse o titular da Sectet, Carlos Maneschy, na abertura da reunião virtual.

O diretor da DAF, Adejard Gaia Cruz, agradeceu a participação de todos e o empenho da equipe em realizar “esse momento de acolhimento e aproximação, pois estamos vivendo tempos de angústia e ansiedade, mas sabemos que precisamos erguer a cabeça e ter otimismo, confiança e esperança de que viveremos situação melhor no período que vem pela frente”.

Convidada – A psicóloga Adriana Nascimento, do Núcleo de Acolhimento Psicossocial da CGepes foi a mediadora da conversa sobre a saúde emocional dos servidores nesse tempo de pandemia. Para falar sobre o tema foi convidada a psicóloga, psicoterapeuta e supervisora de práticas clínicas, Maria Cristina Rocha, aposentada do Serviço de Aconselhamento Psicológico da USP. A live manteve uma dinâmica informal de conversa com grande participação dos servidores, que fizeram relatos, comentários e perguntas diretas à profissional convidada.

“A Cristina Rocha nos deixou à vontade para falarmos tudo que nos aflige nesse tempo difícil. As palavras dela a cada desabafo foram reconfortantes. Tenho certeza de que todos se sentiram acolhidos e saíram mais tranquilos dessa conversa, com a certeza de que juntos, mesmo separados fisicamente, vamos conseguir atravessar essa fase ruim”, declara Adriana Nascimento, uma das idealizadoras do programa.

Saudade - Participaram do encontro virtual 33 servidores, mantendo-se a média de 30 pessoas conectadas durante as duas horas de conversa.  As servidoras Maria da Conceição Lima da Silva e Samantha de Fátima Furtado Ohana, que faleceram durante a pandemia, foram lembradas com carinho e saudade por colegas de trabalho.

Sônia Mendes, servidora da Diretoria de Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Detec), foi uma das que falaram sobre a convivência com Dona Conceição e Samantha, expressando como para ela é confuso voltar ao trabalho presencial e perceber a ausência das colegas. Sônia compartilhou seus anseios e preocupações quanto ao retorno ao trabalho presencial, reconhecendo a importância das ações positivas do governador e do secretário quanto à segurança dos servidores.

“A reunião virtual desta terça nos oportunizou dividir as experiências vivenciadas e assim minimizar a ansiedade do momento. O resultado é um bem estar e alívio por conseguir se liberar e também um sentimento de amor fraterno por apoiar os colegas que estão passando por situações ainda mais delicadas e angustiantes”, avalia Sônia.

Aproximação - Augusto Motta, da equipe de Tecnologia da Informação (TI), fala do privilégio em ter participado da reunião, ressaltando que a tecnologia tem ajudado as pessoas a se manterem próximas nesse momento que obriga a manter o distanciamento físico.

“Foi uma conversa agradável que me fez enxergar uma nova perspectiva da atual realidade. Mesmo no distanciamento social não estamos sós. Foram relatos enriquecedores que me mostraram que é possível passar por mais esta fase, apesar das cicatrizes”, descreve Augusto, que já está na expectativa para o próximo encontro.

A próxima live será no dia 11 de agosto, com o tema "Aspectos biopsicossociais da crise e os impactos sobre a saúde coletiva", em que o fisioterapeuta Thiago Rodrigues, mestre em saúde coletiva, irá abordar aspectos sanitários, socioeconômicos, qualidade de vida e o chamado "novo normal", além de falar sobre os exercícios respiratórios e as técnicas corporais para ajudar na qualidade de vida dos servidores.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Plataforma EnemPará registra quase 10 mil visitas em apenas 15 dias

seg, 20/07/2020 - 10:06
20/07/2020

A plataforma EnemPará, lançada no último dia 29 de junho, registrou cerca de 10 mil visitas até a sexta-feira (17), feitas principalmente na Região Metropolitana de Belém (RMB), por celular. São 5.468 estudantes cadastrados, com 1.458 realizando as atividades constantemente, assistindo às videoaulas, fazendo os exercícios e participando de simulados. O Programa EnemPará é desenvolvido pelo governo estadual, por meio das secretariaa de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) e de Educação (Seduc), com o objetivo de proporcionar aos estudantes da rede pública meios de preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

“O número de inscritos e usuários ativos vai aumentando, ao mesmo tempo em que a divulgação vai sendo feita entre os próprios estudantes, além dos canais utilizados por nós”, informou Yuri Santiago, coordenador do programa, que disponibiliza mais de 1.000 aulas gravadas em vídeo por 15 professores, especialistas nas disciplinas cobradas no exame.

Os alunos cadastrados na plataforma também têm acesso ao material de apoio para download, exercícios, testes, simulados e aulas ao vivo diariamente. Ao realizar os testes e simulados, os alunos recebem a pontuação e comentários sobre o seu desempenho e formas de melhorar nas disciplinas em que o rendimento não estiver bom.

Nesta primeira quinzena de funcionamento da plataforma, as quase 10 mil visitas com duração média de 11 minutos cada, foram feitas de 3.900 dispositivos diferentes. Dos acessos às videoaulas, 66% foram feitos por meio de celulares. A maioria dos estudantes ativos, cerca de 40%, é da Região Metropolitana de Belém. O acesso é feito das 8 às 20 h, com uma média de 150 alunos por hora na plataforma.

“Essa é uma dinâmica nova para os alunos. Faz parte da rotina dos jovens usar a internet para o entretenimento. Usar os recursos on-line para estudar ainda é uma rotina a ser consolidada”, ressaltou o coordenador, acrescentando que a plataforma está preparada para atender até 30 mil usuários ativos.

Yuri Santiago citou, como incentivo aos alunos de municípios fora da RMB, a iniciativa da Prefeitura de Canaã dos Carajás, no sudeste paraense, que está disponibilizando quatro locais de acesso à plataforma aos estudantes do 3º ano do ensino médio. “É uma iniciativa que pode ser seguida por outros municípios, onde há dificuldade de acesso à internet. Agradecemos e parabenizamos a iniciativa da Secretaria de Educação de Canaã dos Carajás”, reiterou.

Além das videoaulas, a plataforma disponibiliza aulas ao vivo transmitidas pelos professores da Seduc pelo Youtube. Nas primeiras duas semanas, mais de 6 mil visualizações já foram registradas nos vídeos, com a interatividade de alunos de todas as regiões.

Aprovação - Laise Ribeiro, 40 anos, mora em Ananindeua, na Região Metropolitana. Aluna de escola pública, ela quer uma vaga na universidade e encontrou no EnemPará uma forma de alcançar o ensino superior. “Antes do EnemPará eu estudava apenas em casa. Agora passei a acompanhar as aulas, que são ótimas, e o acesso à internet ajuda muito a pesquisar os temas abordados pelo professor”, afirmou.

Quem também não perde as aulas do EnemPará é a estudante Verônica Delgado, de Óbidos, no oeste paraense. Aluna da Escola Estadual São José, ela quer cursar Medicina no polo da Universidade do Estado do Pará (Uepa), em Santarém. "As aulas são muito boas. Eles explicam muito bem. Os professores até interagem com os alunos ao vivo, tiram dúvidas etc. Os assuntos que eles estão exibindo são importantes, que caem mesmo no Enem. Gostei bastante", garantiu Verônica.

Em Marabá, na região sudeste, a estudante do 3º ano Rayane Lopes, 16 anos, disse que desde a suspensão das aulas presenciais começou a acompanhar o Programa Todos em Casa pela Educação, e mais recentemente o EnemPará. "Estou gostando bastante das aulas porque estão me ajudando muito nesse momento difícil, que eu e todos os estudantes, principalmente os de escola pública, estamos passando nessa pandemia. Com as lives podemos ter acesso ao conteúdo que cai no Enem e, assim, nos preparar melhor para a prova, que já está bem aí", lembrou Rayane.

Serviço: Estudantes da rede pública de ensino podem fazer o cadastro AQUI para ter acesso a todas as atividades de preparação para o Enem.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet) - Com informações de Caio Condurú (Ascom/Seduc)

Fotos: Divulgação

Categorias: Notícias

Inscrições ao programa Startup Pará podem ser feitas até o dia 31

sab, 18/07/2020 - 08:28
18/07/2020

Por conta da pandemia do novo coronavírus, o prazo para inscrições no projeto Startup Pará foi prorrogado para o 31 deste mês. É possível se inscrever em duas modalidades: novos negócios e aceleração para negócios que precisam de impulsionamento. Serão pré-selecionados 30 projetos (15 de cada categoria), e ao final, 20 (dez de cada segmento).

A coordenadora do Startup Pará, Maria Trindade, da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), explica que a perspectiva, a partir do primeiro edital, é criar condições de transformar em política pública essa forma de investimento feito pelo governo do Estado. 

"É uma iniciativa pioneira, uma fase inicial de inovação tecnológica no Pará. Esperamos que os empreendedores aceitem isso como incentivo para criar um ambiente favorável a esse desenvolvimento", explica, confirmando que já há inscritas propostas de todas as regiões, mas a maioria é da Região Metropolitana de Belém (RMB).

A inovação tecnológica é pré-requisito fundamental para a seleção. "Não precisa ser necessariamente um aplicativo, mas um processo, por exemplo, de extração vegetal mais eficiente", exemplifica. "Também pode ser uma entrega de serviço, uma plataforma de ensino, entre tantas outras possibilidades".

Ajustes - Por causa da pandemia, a plataforma de inscrições está aberta para alterações de propostas já inscritas. Entre 31 de julho e 20 de agosto, serão feitas as análises documentais do que estiver apresentado, e entre 21 e 31 de agosto, serão selecionados os planejamentos vencedores. A previsão é iniciar a execução dos projetos a partir de 9 de setembro.

A expectativa é grande pelas novidades em relação à saúde e qualidade de vida, uma das dez temáticas permitidas pelo edital - as demais são: educação, energia, mineração, govtech (inovação na administração pública), agrotech (com destaque para agroindústria e piscicultura), biotecnologia, tecnologia da informação e comunicação, inteligência artificial e logística.

Antes mesmo da conclusão do processo de seleção, um desdobramento já é certo do Startup Pará: o mapeamento de todos os atores envolvidos com inovação, criação, invenção e transferência de tecnologia no Estado. "A gente quer ter um olhar geral até para pensar em novos editais e propostas. Sabemos que podemos ajudar mais fazendo editais direcionados", justifica Maria Trindade.

O programa vai oferecer aos participantes selecionados, de forma gratuita e de acordo com as etapas e o cumprimento das obrigações previstas no edital, os seguintes benefícios:

a) Capacitação: Qualificação dos participantes selecionados por meio de cursos, oficinas e atividades presenciais e on-line em todas as etapas do programa; 

b) Mentoria: Assessorias individuais e coletivas, on-line e presencialmente, feitas por profissionais do mercado e especialistas nas áreas temáticas do programa; 

c) Networking: Estímulo à conexão e participação no ecossistema de empreendedorismo do Pará e do Brasil; 

d) Ferramentas: Ensino e aplicação prática de metodologias para transformar ideias/projetos em produtos com potencial de mercado; 

e) Infraestrutura: Ambiente próprio para prototipação, conexão e coworking, por meio de espaços do governo do Estado e de parceiros; 

f) Incentivo: Aporte financeiro, desde que cumpridas as exigências deste edital, para a criação de novos negócios e desenvolvimento de atividades já em execução, conexão com investidores e atração de investimento.

Serão destinados recursos no valor de R$ 3,5 milhões, sendo investidos até R$ 2,8 milhões diretamente nos projetos. Para a modalidade aceleração, as propostas devem ter valor de até R$ 200 mil, e para a modalidade novos negócios, de até R$ 80 mil. Os demais recursos financeiros serão usados no desenvolvimento do programa. O edital do Startup Pará foi lançado pelo governo do Estado no início de fevereiro deste ano.

Serviço: Os interessados em participar do programa devem acessar o edital de seleção no site do programa. Dúvidas podem ser encaminhadas para o e-mail startuppara@fapespa.pa.gov.br.

Texto: Carol Menezes (Secom)

Foto: Secom

Categorias: Notícias

Sancionada Lei que transfere a gestão das escolas técnicas e tecnológicas estaduais para a Sectet

sex, 17/07/2020 - 13:13
17/07/2020

A partir desta sexta-feira (17), a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) passa a se denominar Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica, mantendo a sigla Sectet. A mudança é uma das alterações previstas na Lei 9.104/2020, publicada no Diário Oficial do Estado nesta sexta-feira (17), que transfere a gestão das escolas técnicas estaduais da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para a Sectet. O Projeto de Lei enviado pelo Executivo foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado no dia 24 de junho, tendo a Lei sido sancionada no dia 14 de julho.

O titular da Sectet, Carlos Maneschy, ressalta que “com esta mudança, o governo do estado pretende intensificar a integração do ensino médio regular a uma educação profissional e tecnológica, dentro da rede de escolas técnicas já existente. Também buscaremos ampliar a rede, alcançando mais municípios, ajudando a fomentar a vocação econômica das diversas regiões do estado”, enfatiza o secretário.

Esse formato de ensino médio, articulado com a ciência e tecnologia, vem ao encontro das finalidades da Sectet definidas na Lei 9.104 que, entre outras funções, determina que a secretaria deve “promover, apoiar, controlar e avaliar as ações relativas ao desenvolvimento e ao fomento da pesquisa e à geração e aplicação de conhecimento científico e tecnológico no Estado do Pará”. As diretrizes da Rede de Escolas de Ensino Técnico do Estado do Pará serão regulamentadas por decreto pelo governador do estado.

Outra mudança prevista na Lei é que a Universidade do Estado do Pará (Uepa) passa a ser vinculada à Sectet, mantendo-se a autonomia da instituição. A nova legislação prevê ainda que é função da Sectet promover a expansão da oferta de cursos de nível superior em todo o estado. “Todas as mudanças previstas na Lei serão realizadas gradativamente por nós e pela Seduc de forma coordenada, sem causar transtornos para professores e alunos da rede técnica estadual”, ressalta Carlos Maneschy.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Projeto Meu Endereço apresenta resultados alcançados em sete territórios da RMB

sex, 17/07/2020 - 11:22
17/07/2020

Na última quarta-feira, 15, a Comissão de Regularização Fundiária da Universidade Federal do Pará (UFPA) apresentou ao titular da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), Carlos Maneschy, o relatório de 2019-2020 com os resultados alcançados pelo “Projeto Meu Endereço: lugar de paz e segurança social”. O Projeto integra o Programa Territórios pela Paz, do Governo do Pará, e unifica ações de segurança pública com ações sociais integradas, na construção de uma sociedade sustentável com mais paz e justiça social nos bairros do Guamá, Jurunas, Terra Firme, Cabanagem e Bengui, em Belém; Icuí, em Ananindeua; e Nova União, em Marituba. Todos localizados na Região Metropolitana de Belém (RMB).

Para Myrian Cardoso, coordenadora do Projeto e professora da Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFPA (Faesa), o trabalho é um aprendizado permanente, envolvendo teoria e prática, que busca superar conflitos socioambientais, ordenar o território urbano com a participação do Estado, da comunidade, dos integrantes do Projeto e demais setores produtivos da sociedade. O documento mostra os resultados e produtos desenvolvidos nas fases de capacitação, educação e orientação comunitária e suporte técnico e inovação tecnológica, que expressam os esforços para a construção da Central de Suporte de Assistência Tecnológica à Regularização Fundiária e Pacificação de Conflitos Socioambientais Urbanos do Estado do Pará (SARF-CON).

Os dados mostram a capacitação de 29 bolsistas que integram as equipes de coordenação, assistência técnica e atendimento comunitário do Projeto. Realizou-se, também, o Curso de Agente de Cadastramento, com 21 vagas para moradores com ajuda de custo, além das integradoras rodas de conversa, cursos livres e oficinas de reparos residências, que beneficiaram 225 moradores. Em um ano ocorreram 1.779 procedimentos técnicos, incluindo 288 atendimentos em feiras, 297 visitas domiciliares realizadas, 613 acolhimentos de demandas e 296 demandas em lista de espera. (Veja a lista por território AQUI).

No relatório entregue ao secretário Carlos Maneschy estão todos os arquivos digitais, relatório geral, quadro das metas alcançadas e os documentos comprobatórios das atividades realizadas. Maneschy reafirmou que os dados apresentados pela CRF-UFPA respaldam as suas convicções de que o Projeto meu endereço não é um evento temporário. “Integra um conjunto de políticas públicas de inclusão social e de segurança pública do Governo do Pará, que estão sendo executadas desde 2019 por 27 áreas governamentais, além das parcerias com segmentos privados. Quero destacar o desenvolvimento do Sarf-Con, uma plataforma tecnológica social que coleta os múltiplos dados dos moradores e contribui para construir soluções urbanas até chegar às residências das famílias. É um caminhar que fortalece a cultura da paz, interioriza o desenvolvimento regional e amplia uma rede permanente de assistência técnica no território paraense”, asseverou o secretário.

Além do secretário e da coordenadora do Projeto, também participaram da reunião Renato das Neves, engenheiro pesquisador do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará (ITEC); Vanessa Barros, discente de pós-graduação em Gestão Financeira da Faculdade de Administração da UFPA; e Mayara Moura, assessora Administrativa do Projeto.

Parceria – Para a coordenadora Myrian Cardoso, a parceria permite compartilhar conhecimentos interdisciplinares, por meio da articulação de inovação tecnológica, assistência técnica e inclusão social para reduzir os índices de conflitos socioambientais urbanos nos sete territórios. Nesse período, foram realizadas doze ações envolvendo reuniões prévias com as lideranças locais, a apresentação do Projeto Meu Endereço aos moradores e o recolhimento de demandas da comunidade durante as reuniões, chamadas de “Quintas da Cidadania”. Ocorreram ainda entrevistas com os integrantes do Projeto, realização dos cursos de Direito à Cidade, Agente de Cadastramento e as Rodas de Arte, além das visitas domiciliares nos sete territórios para a coleta dos dados de campo e posterior sistematização e análise técnica das informações.

Tecnologia - Por sua vez, Renato das Neves enfatiza o salto inovador dado pelos consultores de Tecnologia da Informação do Projeto Meu Endereço, com o desenvolvimento e a conclusão de aplicativo para acolhimento digital das demandas, bem como a aquisição de equipamentos como notebook, tablet e trenas eletrônicas, estruturas operacionais determinantes para o trabalho de campo e de atendimento da comunidade.

O pesquisador explica que, com a crise sanitária da Covid-19, resultando na paralisação das atividades de campo, o trabalho das equipes em home office produziu 185 peças técnicas para a emissão de Kit Meu Endereço. Este resultado representa 30,17% do universo de demandas acolhidas até o momento, aproximando-se da meta estabelecida dos 40% das famílias acolhidas, enfatiza Renato, ressaltando o trabalho coletivo dos membros do Projeto com a comunidade.

 

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet) com colaboração de Kid Reis (Ascom/CRF-UFPA)

Fotos: Kid Reis e Vanessa Barros

Categorias: Notícias

Sectet e UFPA retomam seleção de candidatos para o curso técnico em saúde bucal

qui, 16/07/2020 - 12:52
16/07/2020

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) retoma o processo de seleção de candidatos ao Curso Técnico em Saúde Bucal, realizado em parceria com a Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Pará (UFPA). A seleção é feita por meio da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), que, dando prosseguimento ao processo, faz a convocação de uma segunda lista de candidatos inscritos. Os novos convocados devem enviar a documentação necessária até o dia 24/07 para fazer a entrevista nos dias 28 e 29/07 por chamada de vídeo.

O processo de seleção estava suspenso devido o isolamento social exigido para a contenção da pandemia de Covid 19. Como as medidas de segurança continuam, os procedimentos passam a ser virtuais, com novas datas para cumprimento.

Os candidatos convocados devem enviar para o e-mail tsbufpasectet@gmail.com os seguintes documentos: Termo de compromisso assinado (anexo II) e fotos do RG, CPF, comprovante de residência, diploma de conclusão de ensino médio e histórico escolar.

Por meio de edital foram ofertadas 40 vagas para pessoas com mais de 18 anos de idade e nível Médio completo. O curso terá carga horária de 1.200 horas, de caráter teórico e prático, sendo 150 horas, no mínimo, destinadas a estágios de aprendizagem, orientados e supervisionados pela UFPA.

O resultado com os 40 aprovados será divulgado no dia 10 de agosto/2020.

Confira abaixo a nova lista de convocados

 

NOME

1

  EVA PAULA MIRANDA ALVES

2

  EMANUELA GONÇALVES COSTA

3

  MARCELA ALVES REZENDE

4

  ENEIAS MACHADO SANTOS

5

  CINTHIA ALBUQUERQUE GOMES

6

  VITORIA CARDELI DE JESUS

7

  VEIDA VIANA MONTEIRO

8

  SARAH RIANNY PINHEIRO MEDEIROS

9

  MATHEUS HENRIQUE DE LIMA OLIVEIRA

10

  ROBERTA CONCEIÇÃO SARMENTO

11

  ELIANA REGINA FEIO DOS SANTOS

12

  FERNANDO NUNES DA SILVA JUNIOR

13

  DARLENE PEREIRA DOS SANTOS

14

  GEORGINA CRUZ DE OLIVEIRA

 
Categorias: Notícias

Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá divulga agenda de webinários

ter, 14/07/2020 - 13:14
14/07/2020

A partir desta terça (14), conferências online gratuitas e abertas vão abordar negócios, marketing, logística, exportação entre outros temas de interesse de quem empreende em tempos de pandemia

Conferências online ou videoconferências, também chamadas de webinários, serão promovidas pelo Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá em apoio a empreendedores residentes e parceiros institucionais com diferentes temas ligados a negócios, exportação e educação. Gratuitos e abertos ao público, os eventos serão realizados em salas virtuais do parque tecnológico.  

Diretor presidente do PCT Guamá, Rodrigo Quites afirma que os temas foram escolhidos a partir do mapeamento das principais dificuldades dos empresários. “Uma pesquisa rodada internamente apontou que, por conta da pandemia, muitos empreendedores tiveram redução na sua capacidade produtiva, diminuição de faturamento, dificuldade de manter quadro de colaboradores, de se comunicar com os clientes e vender seus serviços ou produtos. Portanto, como forma de auxiliá-los durante a crise, montamos essa agenda para promover um diálogo qualificado em diferentes áreas”.

CALENDÁRIO

Às 16h, desta quarta-feira (14), Berna Magalhães, da Libra Branding, vai falar sobre o dilema dos negócios agora e pós-pandemia: perspectivas e novos caminhos. “Vejo uma corrida desenfreada para as empresas se digitalizarem, mas se os modelos se mantiverem equivocados ou sem aderência aos ambientes virtuais, a chave da expectativa para a frustração vai virar rápido demais”, pontua o facilitador.

No dia 15, às 19h, o núcleo operacional Pará do Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX), iniciativa da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), realizada no Estado em parceria com o PCT Guamá, promove uma capacitação coletiva focada em marketing, adequação de embalagem e canal de distribuição. Facilitada pelos técnicos extensionistas Kelly Adriana e José Bonifácio, a capacitação é voltada para empresas participantes do PEIEX ou que tenham interesse em saber mais sobre o programa.

No dia 21, às 16h, Márcia Athayde, da Perfil Consultoria, empresa residente no PCT Guamá, vai abordar a contabilidade a serviço das empresas durante a pandemia. “Tenho sido muito procurada para discutir com as empresas neste período tão difícil”, afirmou a empresária que também é professora universitária.

No dia 06 de agosto, às 17h, Walter Oliveira Jr., da Inteceleri, edtech residente no PCT Guamá, vai falar sobre o uso de tecnologia na educação antes, durante e pós pandemia. “É muito importante, nesse momento novo para a educação, que a gente discuta algumas possibilidades de como continuar processos de ensino aprendizagem. É preciso que a gente consiga encontrar formas distintas para que a educação não pare e professores e alunos sejam atendidos nesse ‘novo normal’. Também iremos discutir sobre possibilidades de integração do ambiente online e virtual, de maneira que a gente consiga ativas as antigas e novas tecnologias”, afirmou o CEO da Inteceleri.

SERVIÇO

Webinários do PCT Guamá – Dias 14, 21/07 e 06/08, no link https://bit.ly/webconf-pct-guama, e dia 15//07 no link https://bit.ly/capacita-peiex.

Para participar, basta acessar as salas nos dias e horários dos webinários e informar  nome e sobrenome.

14/07, às 16h - O dilema dos negócios agora e pós-pandemia: perspectivas e novos caminhos, com Libra Branding;

15/07, às 19h - Capacitação coletiva em marketing, adequação de embalagem e canal de distribuição, com PEIEX Pará;

21/07, às 16h - Contabilidade a serviço das empresas durante a coronacrise, com Perfil Consultoria;

06/08, às 17h - O uso de tecnologia na educação antes, durante e pós pandemia, com Inteceleri – Tecnologias para Educação

Texto: Juliane Frazão (Ascom/PCT Guamá)

Categorias: Notícias

Páginas